Falta Cristo

Ao assistir uma entrevista com o Pr. Wilson Porte fui confrontado com a ideia de que muitos evangélicos hoje têm dificuldade de evangelizar pelo fato de que pouco se conhece o protagonista do evangelho, ou o próprio Evangelho – Jesus Cristo.

Comecei então a refletir sobre as áreas que tangem a igreja evangélica brasileira e se realmente esta afirmação do pastor tem algum fundamento. Vejamos algumas dessas áreas:

Reflexão Bíblica

Não é preciso ser teólogo para perceber que em muitos redutos evangelicais as pregações não contam com uma real explanação a respeito de Cristo. O que me refiro não é apenas usar exemplos ou palavras tipo: “disse Jesus”. Está faltando o ensino a respeito da pessoa de Cristo, suas obras, mensagens e exortações. Se perguntarmos a qualquer pregador cristão se ele prega de maneira cristocêntrica, 99% responderá que sim. A questão é… será que este discurso está presente nos púlpitos?

Estudos Bíblicos

Muitas igrejas ainda hoje mantém a estrutura de Escola Bíblica Dominical, outras, no entanto utilizam outros métodos e dias para o ensino cristão. Aqui a pergunta é: nossos estudos eclesiásticos têm Jesus como início, meio e fim? Ou será que estamos estudando métodos, passos e fazendo campanhas? Por um lado temos essa forte influência da igreja norte americana que produz “cartilha” para tudo e nos tornamos extremamente metódicos e burocratas. Por outro lado temos igrejas sem métodos algum, que vive na improvisação do ensino onde o foco é a experiência pessoal e a manifestação de algum espírito.

Música, teatro e dança

Não é nenhuma novidade que o mercado gospel musical têm em seu foco o lucro em detrimento à real adoração! Aqui pergunto: e na igreja, temos cantado Cristo? Contamos em canção o que a palavra diz? A verdade é que a maioria nem sabe se a letra da música é uma poesia que pode ser uma heresia e até citam letras não-bíblicas como se fosse Palavra de Deus. Peças teatrais são excelentes ferramentas para transmitir a Palavra, aí pergunto: porque colocamos tanto a figura de satanás em nossas peças? Será que satanás tem toda essa atenção na Palavra? E a dança… Aaah a dança! Outra maneira de apresentar um talento em forma de adoração, só que esta ferramenta não faz parte do culto público, pois durante um culto em que há alguma apresentação de grupo de dança, só quem adora é o grupo, e a igreja toda torna-se telespectadora de adoradores e isto não é culto público.

Evangelismo

Aqui deveríamos estar tranquilos, pois evangelismo é falar de Cristo. Só que observando muitas agências ou atividades missionárias de igrejas percebe-se um foco acentuado nos métodos e passos para o evangelismo, material superproduzido e alegorias. Só falta o principal… O Evangelho! Muitos saem de suas igrejas para as ruas, ou fazem viagens evangelísticas até para outros países sem ao menos conhecer o Evangelho – a obra, exemplos e palavras de Cristo.

O Evangelho segundo Marcos traz no primeiro e último versículo dicas simples e diretas para acertarmos o alvo quanto ao conteúdo e objetivo do Evangelho:

Princípio do evangelho de Jesus Cristo, o filho de Deus.” (Marcos 1.1)

Então, saindo os discípulos, pregaram por toda parte, e o Senhor cooperava com eles confirmando a palavra com os sinais que os acompanhavam.” (Marcos 16.20)

No início devemos ser objetivos e ter autoridade para falar do Filho de Deus. Por fim, o próprio Deus alcançará os corações confirmando nossa missão.

Nem só de métodos vive o Cristão!

*Qualquer semelhança é mera intenção!

Evangelismo sem o Evangelho gera cristianismo sem Cristo!

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Ortodoxia

Em uma livre busca por significados, temos:

Ortodoxo é aquele que segue fielmente um princípio, uma norma ou uma doutrina. Do grego “orthos” que significa “reto” e “doxa” que significa “fé”. É o que está em conforme com a doutrina religiosa tida como verdadeira.

Ortodoxo é uma expressão usada para fazer referência a algo rígido, tradicional, que não evolui, que é conservador, que não se adapta nem admite novos princípios ou novas ideias. É aquele que está em conformidade com os princípios tradicionais de qualquer doutrina.

Munidos destas considerações, quero refletir sobre verdade, se realmente conhecemos a verdade e se, consequentemente, representamos a verdade. Está escrito: (João 8:31-32) “Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” Interessante que há uma igreja que carrega este versículo 32 em seu slogan e vive acumulando mentiras em sua doutrina colcha de retalhos!

Veja o que diz a Palavra de Deus em 2 Pedro 1:16-21:

Porque não vos demos a conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo seguindo fábulas engenhosamente inventadas, mas nós mesmos fomos testemunhas oculares da sua majestade, pois ele recebeu, da parte de Deus Pai, honra e glória, quando pela Glória Excelsa lhe foi enviada a seguinte voz: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. Ora, esta voz, vinda do céu, nós a ouvimos quando estávamos com ele no monte santo. Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração, sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo.

A Segunda Epístola de Pedro foi escrita a todos os cristãos do seu tempo. Ela trata de falsas doutrinas que estavam sendo espalhadas entre eles. Os falsos mestres não somente ensinavam coisas erradas como também se entregavam a todo tipo de imoralidades e vícios e procuravam arrastar os outros consigo. O apóstolo avisa os leitores do perigo que eles corriam e os anima a ficarem firmes na fé e na vida de pureza e dedicação a Deus. Esses falsos mestres também zombavam da esperança que os cristãos tinham de que Cristo iria voltar; por isso, o apóstolo afirma que, de fato, o Senhor voltará.

Considero esta carta como um sintético guia para práticas do dia-a-dia da igreja. Veja o que está escrito um pouco antes em 2 Pedro 1:5-8: “5 por isso mesmo, vós, reunindo toda a vossa diligência, associai com a vossa fé a virtude; com a virtude, o conhecimento; 6 com o conhecimento, o domínio próprio; com o domínio próprio, a perseverança; com a perseverança, a piedade; 7 com a piedade, a fraternidade; com a fraternidade, o amor. 8 Porque estas coisas, existindo em vós e em vós aumentando, fazem com que não sejais nem inativos, nem infrutuosos no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.”

Voltando ao texto base desta nossa reflexão, vejo que…

Pedro afirma a autoridade de sua proclamação, sua importância e a fonte de seu conhecimento

Autoridade das Escrituras (vs. 16-18)

A base do discurso de Pedro é estabelecida na experiência vivida ao lado de Jesus. Assim, no verso 16 deixa bem claro que não se trata de palavras inventadas, nem tampouco fabulas criadas para impressionar. Logo em seguida apresenta o relato da narrativa que conhecemos como monte da transfiguração, conforme Marcos 9:5-7: Então, Pedro, tomando a palavra, disse: Mestre, bom é estarmos aqui e que façamos três tendas: uma será tua, outra, para Moisés, e outra, para Elias. Pois não sabia o que dizer, por estarem eles aterrados. A seguir, veio uma nuvem que os envolveu; e dela uma voz dizia: Este é o meu Filho amado; a ele ouvi. Então ele atesta a legitimidade de ter convivido com Jesus.

Ação das Escrituras em nós (vs. 19)

Em uma palavra num formato poético, Pedro aponta a ação da Palavra naqueles que buscam ele diz: …fazei bem em atendê-la. É neste clima de ouvir a Mensagem nela contida que traz luz a corações mergulhados em trevas e consequentemente atesta para a luz maior, o sol simbolizado como a estrela da manhã conforme disse Jesus a João em Apocalipse 22:16: Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos testificar estas coisas às igrejas. Eu sou a Raiz e a Geração de Davi, a brilhante Estrela da manhã.

A fonte do saber das Escrituras (vs. 20-21)

Mais uma vez ele atesta a legitimidade da Escritura, desta vez dizendo que o que está escrito não é coisa da cabeça deles como que de inspiração humana. E mesmo escrito por homens aquilo que eles relataram vem de Deus e dirigidos pelo Espírito Santo.

Não me resta duvidas quanto à autoridade das Escrituras. É pela fé que creio assim na certeza que a revelação foi nos entregue através dessas vidas usadas por Deus para transmitir sua vontade. Foi pela fé e obediência que esses homens escreveram o que hoje temos como livro Sagrado e somente pela fé e obediência que a Palavra prevalece em nós. Será que hoje somos capazes de defender com toda veemência as Sagradas Escrituras? E será que conhecemos o suficiente para tal?

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Bíblia desatualizada

Você conhece alguém que é viciado em tecnologia? Pessoas que nunca estão satisfeitas com o celular que tem, ou o computador, ou seja lá o que for… Eu conheço gente assim, até vejo um cara assim sempre que olho o espelho (!). Tecnologias, neste mundo capitalista, avançam quase que diariamente tornando ultrapassados rapidamente vários produtos que consumimos. A ciência também prossegue avançando e alçando mudanças. Alguém já disse que a única coisa estática no mundo é a mudança. Eu não concordo, pois creio em uma verdade imutável e completamente atualizada. Esta verdade que traz princípios atemporais é a Palavra de Deus. E para você, a Escritura Sagrada está desatualizada?

2 Timóteo 3:14-17

14 Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste 15 e que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus. 16 Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, 17 a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.

Os três “poréns”!

O texto que antecede está leitura é iniciado por três poréns do capítulo 3 (vs. 1,10,14). No primeiro porém, Paulo alerta Timóteo acerca dos últimos dias. Dizendo que deveria afastar-se daqueles que contradizem o caráter de um cristão! O segundo porém do versículo 10 vem carregado com o testemunho de vida do próprio Paulo, garantindo perseguições aos seguidores de Cristo e as consequências daqueles que padecem no pecado! Agora, ao refletir no terceiro porém penso que…

Paulo relembra Timóteo o real valor, utilidade e poder das Sagradas Escrituras.

Uma vez ouvi uma mensagem com base na parábola dos “odres” em que o pregador repetidamente usava a expressão: “não vaze!” (cf. Lucas 5.37,38). Isso nos ensinou algo maravilhoso, de que não podemos deixar escapar momentos em que Deus fala ao nosso coração.

Perseverança na fé (vs. 14,15)

Paulo escreve uma carta da prisão ao seu filho na fé e descreve motivos para Timóteo permanecer. Interessante do contexto em que Paulo está inserido é o fato dele estar preso. Pense bem, se você fosse preso por algum motivo e tivesse a oportunidade de escrever uma carta para alguém muito querido que estava fazendo as mesmas coisas que o levou à prisão. Você o mandaria prosseguir ou pedia para parar e não ser preso também? Paulo orienta Timóteo a permanecer…

Primeiro Paulo o orienta na importância de carregar consigo as Sagradas Escrituras que aprendeu desde sua infância. Sabe, eu não tive um bom ensinamento Bíblico em minha infância, mas minha mãe (católica) se encarregou de procurar nos instruir a uma vida correta diante de Deus. Mas infelizmente isso não deu certo para todos os filhos (em uma família de 5).

Utilidade da Escritura (vs. 16)

Em seguida Paulo aponta o uso da Palavra: “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça.”

Não existe nenhum livro tão completo em instruir do que a Bíblia. Paulo deixa claro a Timóteo a necessidade de ensinar com base nas sagradas escrituras. Hoje há muitas comunidades de fé que ensinam muitas coisas, correndo o risco de deixar de lado a Escritura Bíblica por achar que outras fontes de conhecimento são mais interessantes ao homem. Surge, então, uma religiosidade antropocêntrica, isso não agrada a Deus.

É satânico converter o foco que nas Sagradas Escrituras apontam Deus como Senhor de nossas vidas em uma religiosidade baseada no homem, em que Deus seria um “funcionário” aos nossos desejos mais egoístas. Foi neste empenho que satanás tentou tentar Jesus (Lc 4.1-13), focando o egocentrismo naquilo que agrada aos desejos físicos: pão, poder sobre a Terra e poder espiritual. As respostas de Jesus foram TODAS com base direta nas Sagradas Escrituras. Pois a Palavra tem poder!

Poder da Escritura (vs. 17)

Apenas com a Palavra da Vida o homem é perfeitamente instruído para a boa obra. Mas o proceder não é mágico, ou seja, não acredito que uma leitura despreocupada da Bíblia possa promover alguma transformação na vida do crente. Precisamos sim de uma busca no conhecimento e crescimento na Palavra como diz o salmista no primeiro capítulo de Salmos 1:1-2: Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite.

Meditação na Palavra é de suma importância na vida de qualquer crente e não cabe apenas aos estudiosos teólogos de plantão. A Palavra de Deus tem o poder de transformar assim como o conhecimento cientifico eleva nossa inteligência, porem quando trata-se da Palavra de Deus, esta transformação também vem pela ação do Espirito Santo que nos habilita para realizar a missão deixada por Cristo enquanto vivermos na Terra – a saber – pregar o Evangelho a toda criatura.

Busque, cresça, viva e pregue a Palavra!

Soli Deo Gloria

Processo ‘biblificador’

[Leia ou assista ao vídeo]

Vivemos num mundo repleto em tecnologia. A humanidade avança exponencialmente e cada novidade gera uma multidão de oportunidades. O que a maioria da população não está preparada é para acompanhar tal desenvolvimento. Os processos sociais de capacitação e preparo mais avançados não estão à disposição do grande público, o que limita a criatividade e desenvolvimento das grandes massas.

Mas porque estou falando sobre desenvolvimento e preparo? É fácil concordar que a educação e o conhecimento são elementos de extrema importância para o avanço da humanidade que vive numa constante mudança. Ao surgirem novas necessidades a humanidade cria novos métodos instrutivos. A prova disto está na criação de novos cursos técnicos e superiores, mas o curso se faz sempre necessário para que se prepare alguém. A não ser pessoas que são dotadas de algum dom, todas as demais precisam ser educadas e buscar conhecimento para que possam dominar qualquer que seja a área.

Assim deveria ser a consciência do cristão. Um verdadeiro pesquisador em busca de crescimento no conhecimento que foi dado pelo nosso Deus desde a criação. Em Provérbios 2.1-10 está escrito:

1 Filho meu, se aceitares as minhas palavras e esconderes contigo os meus mandamentos, 2 para fazeres atento à sabedoria o teu ouvido e para inclinares o coração ao entendimento, 3 e, se clamares por inteligência, e por entendimento alçares a voz, 4 se buscares a sabedoria como a prata e como a tesouros escondidos a procurares, 5 então, entenderás o temor do SENHOR e acharás o conhecimento de Deus. 6 Porque o SENHOR dá a sabedoria, e da sua boca vem a inteligência e o entendimento. 7 Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos; é escudo para os que caminham na sinceridade, 8 guarda as veredas do juízo e conserva o caminho dos seus santos. 9 Então, entenderás justiça, juízo e eqüidade, todas as boas veredas. 10 Porquanto a sabedoria entrará no teu coração, e o conhecimento será agradável à tua alma.

Agora vejamos o que diz o texto em Salmo 119:9-11:

9 De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra. 10 De todo o coração te busquei; não me deixes fugir aos teus mandamentos. 11 Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti.

Este Salmo faz parte do livro de número 5 na divisão dos Salmos em cinco partes e cada parte findando com uma doxologia. Cada uma dessas cinco partes têm uma temática distinta na seguinte forma: desgraça e fé (1-41); confusão e confissão (42-72); desespero pela desobediência (73-89); esperança com o passado (90-106); e finalmente “louvor” (107-150) que são Salmos carregados de esperança visto que o povo saíra do exílio. Já o Salmo 119 em meio a esta mensagem traz em si uma particularidade que é dos raros salmos de sabedoria que exaltam a ação da lei (1; 19.7-14; 119).

O jovem guarda puro seu caminho quando guarda a Palavra de Deus!

  1. Uma pergunta e uma resposta (vs. 9)

A pergunta é: como um jovem poderá guardar puro o seu caminho? E eu pergunto: É possível? Guardar o caminho puro não significa ser perfeito, mas almejar a pureza, viver um esforço contínuo para que o caminho da vida não seja sujo pelas impurezas que o pecado propõe. E a resposta não encontra-se em nós (graças a Deus). Para que este caminho seja norteado pela pureza de Deus é preciso que seja conforme a Palavra. Somente o Criador sabe o melhor para a criatura. Nosso problema está por inúmeras vezes na tentativa de adaptar à Bíblia ao nosso modelo de vida (pecaminoso), ao invés de orientar nossa vida pela Escritura Sagrada (pureza).

  1. Uma oração (vs. 10)

Logo o texto segue com uma oração que revela a intimidade do salmista. Neste versículo ele declara sua busca dedicada por Deus. Aqui não trata-se de religião! É de todo coração! Uma entrega verdadeira por fé ao nosso Deus. Da mesma forma que Paulo diz em Filipenses 1.21: Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro. É neste ambiente de entrega que o salmista faz o seguinte clamor: …não me deixes fugir aos teus mandamentos. Será que costumamos orar assim? Declarando nossa entrega real a Deus e pedindo a Ele que o Texto Sagrado seja a nossa régua da vida?

  1. Um compromisso (vs. 11)

Acho interessante aquelas Bíblias chamadas “promessas”, onde as promessas de Deus são destacadas do texto. Mais interessante ainda é conhecer pessoas que leem apenas as promessas destacadas, como se os outros textos fossem desimportantes. Uma promessa é um compromisso (não aquele que o brasileiro combina um horário e chega meia hora depois!) e no versículo 11 o salmista faz uma promessa a Deus. Ou seja, não é um simples compromisso, mas um voto de fidelidade ao Criador.

O mesmo coração que busca Deus com todas as forças é aquele que “arquiva” as palavras dadas por Deus nas Escrituras. Tudo deve fazer parte do mesmo ciclo, ou seja, NÃO HÁ BUSCA POR DEUS SEM A PALAVRA DE DEUS! Aqueles que trazem novas revelações que não são do texto bíblico são meros figurantes que criam seguidores de figurantes, desviando o olhar sobre o protagonista da raça humana.

Mais uma vez temos a resposta da pureza do versículo 9, só que aqui em tempo presente. Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti. Assim deve ser em todos nós, viver numa busca desenfreada pela pureza, pelo não pecar… e deve começar hoje!

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Falsa loucura

Em nossos dias a internet têm proporcionado conteúdos interessantes acompanhada de muita bobagem. Pena que aqueles preocupados em conteúdo de qualidade são a minoria e muitos apenas replicam o que já foi falado. No meio evangélico tem dois caras chamando atenção: Um diz que é “doido” por Jesus e o outro é um “doido” de Jesus tipo freestyle! O primeiro diz que representa a galera gospel do Brasil. Pra começo de historia o cristão vive para representar Jesus Cristo e não pessoas, até porque Cristo morreu por essas pessoas, inclusive a galera gospel.

Dizer que é doido ou agir como tal é muito fácil. Claro que em meio a muitas palavras, algumas se salvam. Só é trágico quando o percentual de bobagem é maior (ufa!). Agora vejamos um texto muito usado que fala de loucura na Palavra de Deus…

Certamente, a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus. Pois está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios e aniquilarei a inteligência dos instruídos. Onde está o sábio? Onde, o escriba? Onde, o inquiridor deste século? Porventura, não tornou Deus louca a sabedoria do mundo? Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria, aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura da pregação. Porque tanto os judeus pedem sinais, como os gregos buscam sabedoria; mas nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gentios; mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus. Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens. [1Co 1:18-25]

  1. Loucura para os perdidos

Paulo tem a certeza de que a palavra da cruz é loucura para os perdidos. Repito: loucura para os perdidos! Qual é a palavra da cruz senão a mensagem de doar-se por completo pelo outro. É loucura para os perdidos, pois são egoístas e não conseguem digerir a ideia de que Deus, o todo poderoso, viesse a terra para viver e morrer pelo outro.

  1. Loucura da pregação

Onde está a sabedoria deste mundo se a loucura de Deus, ou seja, entregar-se até a morte de cruz seria um ato de loucura para os homens? Onde estão os pensadores se a maior mensagem foi pregada em um simples, porém complexo ato – o sacrifício? A loucura da pregação é viver sacrifício – diferente do que se vê por aí…

  1. Loucura não, poder de Deus!

Em dois momentos neste texto é mencionado uma contraposição à loucura. No primeiro diz: […] para nós, que somos salvos, poder de Deus. Em seguida está escrito: […] mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus. Deixem a loucura com os perdidos e fiquemos com o poder e a sabedoria de Deus. Que não venhamos a pensar que este poder nos pertence (isto é satânico), é poder de Deus!

  1. Loucura “poética”

Por fim uma licença poética que faz todo o sentido neste texto. Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens Jesus, o Rei dos reis entrega-se a morte, sacrifício vicário por todos nós. E a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens – a morte não é o fim. Na filosofia grega, considerar a morte de um deus era vê-lo como um fraco, porém a morte foi vencida pelo poder do único Deus!

Creio que Jesus, Paulo e Cia tinham algo diferente em mente ao falar da loucura de viver o Evangelho e não apenas falavam, mas viveram! É muito mais do que ser animador de torcida!

Ouçam e pensem, vejam e repensem! Acima de tudo, busquem na Palavra de Deus as verdades eternas e sejam criteriosos com o que costumam ver por aí.

Soli Deo Gloria

Marketing Gospel

Ontem um amigo pastor mostrou-me sua bíblia com a seguinte descrição em letras douradas na capa: Bíblia Sagrada – Edição Sobrenatural de Deus. Eu olhei pra ele e disse ter ficado triste pelo fato da minha bíblia não ser sobrenatural!? Aí ele abre e mostra que trata-se apenas de uma tradução NVI com letras grandes e nada mais.

Lembro da última vez em que fui a uma loja de artigo evangélicos e vi uma infinidade de modelos de bíblia – do pregador, do obreiro, do missionário, da mulher que ora, pentecostal, devocional, do homem, do jovem, do adolescente, da criança, do bebê, etc. Com capas de couro, de plástico, de papel-cartão, com efeitos holográficos, com cores fluorescentes e até à prova d’água!

Reconheço o esforço que fazem para tornar o livro Sagrado um livro acessível para todos. Mas será mesmo que o motivo das empresas é que as pessoas LEIAM a Bíblia, ou tudo não passa de um mercado baseado na fé? Se até para entrar em um suposto templo de Salomão já se cobrou uma taxa administrativa, nada mais me surpreende.

As indulgências dos evangélicos estão por aí. Sejam nos cachês de valores exorbitantes dos grupos “gospeis” às campanhas em que muitos ofertantes deixam todo o salário do mês numa fogueira cenográfica.

Será mesmo este o destino dos evangélicos? Ser fadados a um mercado?

Música gospel, filme gospel, boate gospel, balada gospel, canal de TV ou rádio gospel, loja gospel, roupas gospel… e a lista não para por aqui.

Em meio a todo esse marketing, sinto falta de algo…

“Pessoas Gospel”.

Soli Deo Gloria

Biblifique-se!

Mais uma expressão inventada para chamar atenção e nos levar a reflexão! Essa é minha proposta ao inventar palavras…

Precisamos urgente e cuidadosamente nos “biblificar”, ou seja, buscar com desprendimento e sabedoria, conhecer mais e melhor a vontade de Deus para nossas vidas revelada na Sagrada Escritura.

A proposta não é “vender” uma marca nem muito menos criar slogans para vender camisas (deixa isso para os mercantilistas do mundo gospel). Quero apenas trazer reflexão sobre o conceito – buscar e viver Palavra de Deus!
O que está faltando em nossa prática de fé que nos afasta do interesse pela leitura da Palavra e que nos tem levado a uma omissão e descaso à Palavra de Deus?