Todos os caminhos levam a Deus!

Você deve conhecer esta expressão – todos os caminhos levam a Deus. Seja em tom de confronto, questionamento e até desculpa esfarrapada, esta frase está presente nas conversas religiosas por todo o planeta. Durante muitos anos na minha vida acreditei que sim, todos os caminhos levam a Deus. Depois da minha conversão, mudei radicalmente de opinião. Só que hoje quero refletir que SIM – todos os caminhos (com “c” minúsculo) levam a Deus.

É exatamente o que você leu. Hoje eu creio novamente que TODOS os caminhos levam a Deus, só que agora creio de uma outra perspectiva e não apenas uso esta expressão como desculpa para desencargo de consciência como fizera no passado.

Olhando para a Palavra de Deus tudo fica claro. E em se tratando de caminho deve ser de pleno entendimento a todo cristão de que só há um caminho para a salvação! Cristo Jesus, o nosso Senhor é o Caminho (com “C” maiúsculo). Só que na atual conjuntura da humanidade com sua população de míseros 7 bilhões e quase 300 milhões de habitantes, será que outras manifestações de fé também não trazem outros caminhos para Deus? Claro que sim, porém a salvação só há O Caminho!

E os outros caminhos? Eles levarão ao julgamento de Deus e TODOS passarão por este evento. Veja o que diz a Revelação a respeito do Julgamento:

de Israel

E sabereis que eu sou o Senhor, quando eu proceder para convosco por amor do meu nome, não conforme os vossos maus caminhos, nem conforme os vossos atos corruptos, ó casa de Israel, diz o senhor Deus. (Ezequiel 20.44)

dos anjos

Aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, ele os tem reservado em prisões eternas na escuridão para o juízo do grande dia. (Judas 6)

dos crentes

E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem permanece em amor, permanece em Deus, e Deus nele. Nisto é aperfeiçoado em nós o amor, para que no dia do juízo tenhamos confiança; porque, qual ele é, somos também nós neste mundo. (1 João 4.16,17)

dos gentios

Quando, pois vier o Filho do homem na sua glória, e todos os anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória; e diante dele serão reunidas todas as nações; e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. (Mateus 25.31,32)

dos não-crentes

Não vos admireis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida, e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo. (João 5.28,29)

Em João 14. 4-6 está escrito: E para onde eu vou vós conheceis o caminho. Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho? Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Ortodoxia

Em uma livre busca por significados, temos:

Ortodoxo é aquele que segue fielmente um princípio, uma norma ou uma doutrina. Do grego “orthos” que significa “reto” e “doxa” que significa “fé”. É o que está em conforme com a doutrina religiosa tida como verdadeira.

Ortodoxo é uma expressão usada para fazer referência a algo rígido, tradicional, que não evolui, que é conservador, que não se adapta nem admite novos princípios ou novas ideias. É aquele que está em conformidade com os princípios tradicionais de qualquer doutrina.

Munidos destas considerações, quero refletir sobre verdade, se realmente conhecemos a verdade e se, consequentemente, representamos a verdade. Está escrito: (João 8:31-32) “Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” Interessante que há uma igreja que carrega este versículo 32 em seu slogan e vive acumulando mentiras em sua doutrina colcha de retalhos!

Veja o que diz a Palavra de Deus em 2 Pedro 1:16-21:

Porque não vos demos a conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo seguindo fábulas engenhosamente inventadas, mas nós mesmos fomos testemunhas oculares da sua majestade, pois ele recebeu, da parte de Deus Pai, honra e glória, quando pela Glória Excelsa lhe foi enviada a seguinte voz: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. Ora, esta voz, vinda do céu, nós a ouvimos quando estávamos com ele no monte santo. Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração, sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo.

A Segunda Epístola de Pedro foi escrita a todos os cristãos do seu tempo. Ela trata de falsas doutrinas que estavam sendo espalhadas entre eles. Os falsos mestres não somente ensinavam coisas erradas como também se entregavam a todo tipo de imoralidades e vícios e procuravam arrastar os outros consigo. O apóstolo avisa os leitores do perigo que eles corriam e os anima a ficarem firmes na fé e na vida de pureza e dedicação a Deus. Esses falsos mestres também zombavam da esperança que os cristãos tinham de que Cristo iria voltar; por isso, o apóstolo afirma que, de fato, o Senhor voltará.

Considero esta carta como um sintético guia para práticas do dia-a-dia da igreja. Veja o que está escrito um pouco antes em 2 Pedro 1:5-8: “5 por isso mesmo, vós, reunindo toda a vossa diligência, associai com a vossa fé a virtude; com a virtude, o conhecimento; 6 com o conhecimento, o domínio próprio; com o domínio próprio, a perseverança; com a perseverança, a piedade; 7 com a piedade, a fraternidade; com a fraternidade, o amor. 8 Porque estas coisas, existindo em vós e em vós aumentando, fazem com que não sejais nem inativos, nem infrutuosos no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.”

Voltando ao texto base desta nossa reflexão, vejo que…

Pedro afirma a autoridade de sua proclamação, sua importância e a fonte de seu conhecimento

Autoridade das Escrituras (vs. 16-18)

A base do discurso de Pedro é estabelecida na experiência vivida ao lado de Jesus. Assim, no verso 16 deixa bem claro que não se trata de palavras inventadas, nem tampouco fabulas criadas para impressionar. Logo em seguida apresenta o relato da narrativa que conhecemos como monte da transfiguração, conforme Marcos 9:5-7: Então, Pedro, tomando a palavra, disse: Mestre, bom é estarmos aqui e que façamos três tendas: uma será tua, outra, para Moisés, e outra, para Elias. Pois não sabia o que dizer, por estarem eles aterrados. A seguir, veio uma nuvem que os envolveu; e dela uma voz dizia: Este é o meu Filho amado; a ele ouvi. Então ele atesta a legitimidade de ter convivido com Jesus.

Ação das Escrituras em nós (vs. 19)

Em uma palavra num formato poético, Pedro aponta a ação da Palavra naqueles que buscam ele diz: …fazei bem em atendê-la. É neste clima de ouvir a Mensagem nela contida que traz luz a corações mergulhados em trevas e consequentemente atesta para a luz maior, o sol simbolizado como a estrela da manhã conforme disse Jesus a João em Apocalipse 22:16: Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos testificar estas coisas às igrejas. Eu sou a Raiz e a Geração de Davi, a brilhante Estrela da manhã.

A fonte do saber das Escrituras (vs. 20-21)

Mais uma vez ele atesta a legitimidade da Escritura, desta vez dizendo que o que está escrito não é coisa da cabeça deles como que de inspiração humana. E mesmo escrito por homens aquilo que eles relataram vem de Deus e dirigidos pelo Espírito Santo.

Não me resta duvidas quanto à autoridade das Escrituras. É pela fé que creio assim na certeza que a revelação foi nos entregue através dessas vidas usadas por Deus para transmitir sua vontade. Foi pela fé e obediência que esses homens escreveram o que hoje temos como livro Sagrado e somente pela fé e obediência que a Palavra prevalece em nós. Será que hoje somos capazes de defender com toda veemência as Sagradas Escrituras? E será que conhecemos o suficiente para tal?

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Processo ‘biblificador’

[Leia ou assista ao vídeo]

Vivemos num mundo repleto em tecnologia. A humanidade avança exponencialmente e cada novidade gera uma multidão de oportunidades. O que a maioria da população não está preparada é para acompanhar tal desenvolvimento. Os processos sociais de capacitação e preparo mais avançados não estão à disposição do grande público, o que limita a criatividade e desenvolvimento das grandes massas.

Mas porque estou falando sobre desenvolvimento e preparo? É fácil concordar que a educação e o conhecimento são elementos de extrema importância para o avanço da humanidade que vive numa constante mudança. Ao surgirem novas necessidades a humanidade cria novos métodos instrutivos. A prova disto está na criação de novos cursos técnicos e superiores, mas o curso se faz sempre necessário para que se prepare alguém. A não ser pessoas que são dotadas de algum dom, todas as demais precisam ser educadas e buscar conhecimento para que possam dominar qualquer que seja a área.

Assim deveria ser a consciência do cristão. Um verdadeiro pesquisador em busca de crescimento no conhecimento que foi dado pelo nosso Deus desde a criação. Em Provérbios 2.1-10 está escrito:

1 Filho meu, se aceitares as minhas palavras e esconderes contigo os meus mandamentos, 2 para fazeres atento à sabedoria o teu ouvido e para inclinares o coração ao entendimento, 3 e, se clamares por inteligência, e por entendimento alçares a voz, 4 se buscares a sabedoria como a prata e como a tesouros escondidos a procurares, 5 então, entenderás o temor do SENHOR e acharás o conhecimento de Deus. 6 Porque o SENHOR dá a sabedoria, e da sua boca vem a inteligência e o entendimento. 7 Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos; é escudo para os que caminham na sinceridade, 8 guarda as veredas do juízo e conserva o caminho dos seus santos. 9 Então, entenderás justiça, juízo e eqüidade, todas as boas veredas. 10 Porquanto a sabedoria entrará no teu coração, e o conhecimento será agradável à tua alma.

Agora vejamos o que diz o texto em Salmo 119:9-11:

9 De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra. 10 De todo o coração te busquei; não me deixes fugir aos teus mandamentos. 11 Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti.

Este Salmo faz parte do livro de número 5 na divisão dos Salmos em cinco partes e cada parte findando com uma doxologia. Cada uma dessas cinco partes têm uma temática distinta na seguinte forma: desgraça e fé (1-41); confusão e confissão (42-72); desespero pela desobediência (73-89); esperança com o passado (90-106); e finalmente “louvor” (107-150) que são Salmos carregados de esperança visto que o povo saíra do exílio. Já o Salmo 119 em meio a esta mensagem traz em si uma particularidade que é dos raros salmos de sabedoria que exaltam a ação da lei (1; 19.7-14; 119).

O jovem guarda puro seu caminho quando guarda a Palavra de Deus!

  1. Uma pergunta e uma resposta (vs. 9)

A pergunta é: como um jovem poderá guardar puro o seu caminho? E eu pergunto: É possível? Guardar o caminho puro não significa ser perfeito, mas almejar a pureza, viver um esforço contínuo para que o caminho da vida não seja sujo pelas impurezas que o pecado propõe. E a resposta não encontra-se em nós (graças a Deus). Para que este caminho seja norteado pela pureza de Deus é preciso que seja conforme a Palavra. Somente o Criador sabe o melhor para a criatura. Nosso problema está por inúmeras vezes na tentativa de adaptar à Bíblia ao nosso modelo de vida (pecaminoso), ao invés de orientar nossa vida pela Escritura Sagrada (pureza).

  1. Uma oração (vs. 10)

Logo o texto segue com uma oração que revela a intimidade do salmista. Neste versículo ele declara sua busca dedicada por Deus. Aqui não trata-se de religião! É de todo coração! Uma entrega verdadeira por fé ao nosso Deus. Da mesma forma que Paulo diz em Filipenses 1.21: Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro. É neste ambiente de entrega que o salmista faz o seguinte clamor: …não me deixes fugir aos teus mandamentos. Será que costumamos orar assim? Declarando nossa entrega real a Deus e pedindo a Ele que o Texto Sagrado seja a nossa régua da vida?

  1. Um compromisso (vs. 11)

Acho interessante aquelas Bíblias chamadas “promessas”, onde as promessas de Deus são destacadas do texto. Mais interessante ainda é conhecer pessoas que leem apenas as promessas destacadas, como se os outros textos fossem desimportantes. Uma promessa é um compromisso (não aquele que o brasileiro combina um horário e chega meia hora depois!) e no versículo 11 o salmista faz uma promessa a Deus. Ou seja, não é um simples compromisso, mas um voto de fidelidade ao Criador.

O mesmo coração que busca Deus com todas as forças é aquele que “arquiva” as palavras dadas por Deus nas Escrituras. Tudo deve fazer parte do mesmo ciclo, ou seja, NÃO HÁ BUSCA POR DEUS SEM A PALAVRA DE DEUS! Aqueles que trazem novas revelações que não são do texto bíblico são meros figurantes que criam seguidores de figurantes, desviando o olhar sobre o protagonista da raça humana.

Mais uma vez temos a resposta da pureza do versículo 9, só que aqui em tempo presente. Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti. Assim deve ser em todos nós, viver numa busca desenfreada pela pureza, pelo não pecar… e deve começar hoje!

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Um filme sobre Deus

Acompanhando o quase sucesso do último lançamento dos cinemas baseado, em partes, na Bíblia e outros títulos que virão com o mesmo teor de Noé, é que me flagrei pensando em um filme sobre Deus. E antes de você pensar que estou maluco, vou repetir… Um filme sobre Deus!

Como seria composto um filme assim? Seria possível escrever uma historia que se desenvolveria, quem sabe, numa trilogia baseada na revelação do Criador? Então vejamos:

  1. Já temos um diretor e roteirista, escritores, elenco com atores coadjuvantes, figurantes, vários personagens e o papel principal, claro;
  2. Temos também um enredo na qual toda a história é levada e temos um final, ou melhor, uma finalidade!

Voilà! O filme sobre Deus está pronto, é simples assim…

Quando digo que temos um Diretor, estou me referindo ao próprio Deus, pois a Palavra afirma: Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém! [Romanos 11.36]. O Roteirista também é Deus. Ele preparou toda a história da humanidade desde a criação, passando pela redenção e direcionando até a eternidade.

Os escritores trabalharam milhares de anos para que tivéssemos o resultado desta história em nossas mãos. Foram profetas, pessoas instruídas e inspiradas pelo próprio Deus que “redigiram” esta história que atravessa gerações e gerações. Nestes escritos encontramos bons e maus exemplos e as consequências que sucedem as escolhas. Encontramos narrativas reais de feitos milagrosos da ação de Deus sobre, por meio e na humanidade.

Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça. [2 Timóteo 3.16]

Agora o elenco. Ah, quantos personagens foram marcantes em seus papéis! Até mesmo quem não conhece a Bíblia Sagrada já ouviu falar ou falou a respeito de alguns desses personagens. Quem nunca usou expressões como: A sabedoria de Salomão, A paciência de Jó, Davi e Golias. Ou quem tem seu nome próprio inspirado em personagens bíblicos e as vezes nem sabe. O mundo está cheio de Pedros, Paulos, Anas, Saras… E a lista segue com centenas destes nomes.

Estes personagens são muito importantes em toda a história sobre Deus, porém tudo o que eles fizeram até mesmo sem saber, foi proposto pelo Diretor/Roteirista. Há também alguns personagens coadjuvantes e milhares de figurantes. O personagem do papel principal “surge” no meio da trama. Mesmo anunciado no início da trilogia, Jesus chega surpreendendo na historia e o mais incrível é que além de ter o papel principal Ele é o mesmo Diretor e Roteirista do filme.

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai. [João 1.1,3 e 14]

Por fim gostaria apenas de mencionar uma dica a respeito de todo o enredo desta sagrada história. Não posso entrar em muitos detalhes, isto seria “spoiler” e muitos ficariam chateados, outros sem vontade de conhecer e ainda haveria uns que criticariam mesmo sem conhecer o filme sobre Deus que é baseado no livro sobre Deus…

Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. [João 3.16]

Como o filme ainda não está em cartaz, então leia, busque relacionamento e viva esta história de amor de Deus para com a humanidade!

Biblifique-se e RevoluciAME

Soli Deo Gloria