Falta Cristo

Ao assistir uma entrevista com o Pr. Wilson Porte fui confrontado com a ideia de que muitos evangélicos hoje têm dificuldade de evangelizar pelo fato de que pouco se conhece o protagonista do evangelho, ou o próprio Evangelho – Jesus Cristo.

Comecei então a refletir sobre as áreas que tangem a igreja evangélica brasileira e se realmente esta afirmação do pastor tem algum fundamento. Vejamos algumas dessas áreas:

Reflexão Bíblica

Não é preciso ser teólogo para perceber que em muitos redutos evangelicais as pregações não contam com uma real explanação a respeito de Cristo. O que me refiro não é apenas usar exemplos ou palavras tipo: “disse Jesus”. Está faltando o ensino a respeito da pessoa de Cristo, suas obras, mensagens e exortações. Se perguntarmos a qualquer pregador cristão se ele prega de maneira cristocêntrica, 99% responderá que sim. A questão é… será que este discurso está presente nos púlpitos?

Estudos Bíblicos

Muitas igrejas ainda hoje mantém a estrutura de Escola Bíblica Dominical, outras, no entanto utilizam outros métodos e dias para o ensino cristão. Aqui a pergunta é: nossos estudos eclesiásticos têm Jesus como início, meio e fim? Ou será que estamos estudando métodos, passos e fazendo campanhas? Por um lado temos essa forte influência da igreja norte americana que produz “cartilha” para tudo e nos tornamos extremamente metódicos e burocratas. Por outro lado temos igrejas sem métodos algum, que vive na improvisação do ensino onde o foco é a experiência pessoal e a manifestação de algum espírito.

Música, teatro e dança

Não é nenhuma novidade que o mercado gospel musical têm em seu foco o lucro em detrimento à real adoração! Aqui pergunto: e na igreja, temos cantado Cristo? Contamos em canção o que a palavra diz? A verdade é que a maioria nem sabe se a letra da música é uma poesia que pode ser uma heresia e até citam letras não-bíblicas como se fosse Palavra de Deus. Peças teatrais são excelentes ferramentas para transmitir a Palavra, aí pergunto: porque colocamos tanto a figura de satanás em nossas peças? Será que satanás tem toda essa atenção na Palavra? E a dança… Aaah a dança! Outra maneira de apresentar um talento em forma de adoração, só que esta ferramenta não faz parte do culto público, pois durante um culto em que há alguma apresentação de grupo de dança, só quem adora é o grupo, e a igreja toda torna-se telespectadora de adoradores e isto não é culto público.

Evangelismo

Aqui deveríamos estar tranquilos, pois evangelismo é falar de Cristo. Só que observando muitas agências ou atividades missionárias de igrejas percebe-se um foco acentuado nos métodos e passos para o evangelismo, material superproduzido e alegorias. Só falta o principal… O Evangelho! Muitos saem de suas igrejas para as ruas, ou fazem viagens evangelísticas até para outros países sem ao menos conhecer o Evangelho – a obra, exemplos e palavras de Cristo.

O Evangelho segundo Marcos traz no primeiro e último versículo dicas simples e diretas para acertarmos o alvo quanto ao conteúdo e objetivo do Evangelho:

Princípio do evangelho de Jesus Cristo, o filho de Deus.” (Marcos 1.1)

Então, saindo os discípulos, pregaram por toda parte, e o Senhor cooperava com eles confirmando a palavra com os sinais que os acompanhavam.” (Marcos 16.20)

No início devemos ser objetivos e ter autoridade para falar do Filho de Deus. Por fim, o próprio Deus alcançará os corações confirmando nossa missão.

Nem só de métodos vive o Cristão!

*Qualquer semelhança é mera intenção!

Evangelismo sem o Evangelho gera cristianismo sem Cristo!

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Pagando Promessas

Você já ouviu a expressão: “pagar uma promessa”? No Brasil, dentre ao diverso universo religioso há uma prática religiosa muito comum e conhecida da população, porém incomum e desconhecida se olharmos com as lentes da Palavra de Deus! Existem várias cidades em que tal manifestação relacionada ao pagamento de promessas sustentam a economia local, o que torna a cidade um ponto turístico religioso, onde muitos visam apenas o lucro e exploram a fé das pessoas.

Próximo a minha casa existe uma igreja edificada em grande porte onde toda a construção, manutenção e acabamento são feito à base de pagadores de promessas. Gente que rezou pela intercessão de um santo, prometendo investir financeiramente na obra da igreja se o santo atender, e como a “benção” foi alcançada esta pessoa sente-se em dívida com o santo e paga esta promessa investindo na igreja.

Outras igrejas por aí também mantém curiosos costumes de pagar promessa num outro processo que parece ser invertido ao anteriormente citado. Líderes religiosos lançam as chamadas “campanhas” para que os fiéis cumpram determinado sacrifício para, assim, ter o benefício divino e seguir em frente com o sentimento de missão cumprida!

Será que alguma dessas duas formas de pagar promessa está certa e a outra errada?

Creio que as duas estão erradas. Na Palavra de Deus há sim relatos de promessas. Por todo o Antigo Testamento, começando em Gênesis, o Senhor fez promessa após promessa a Abraão, Isaque, Jacó e a seus descendentes de que a terra de Israel pertence ao povo judeu. A promessa é repetida cerca de vinte vezes no livro de Gênesis. O livro de Deuteronômio fala pelo menos vinte e cinco vezes que a terra é um PRESENTE do Senhor ao povo de Israel (Dt 1.20,25; 2.29; 3.20; 4.40; 5.16…).

  • Darei a vocês um coração novo e porei um espírito novo em vocês; tirarei de vocês o coração de pedra e, em troca, darei um coração de carne. [Ezequiel 36:26]
  • Tu, Senhor, guardarás em perfeita paz aquele cujo propósito está firme, porque em ti confia. [Isaías 26:3]
  • […] Pois o Filho de Deus, Jesus Cristo, pregado entre vocês por mim e também por Silvano e Timóteo, não foi “sim” e “não”, mas nele sempre houve “sim”; pois quantas forem as promessas feitas por Deus, tantas têm em Cristo o “sim”. Por isso, por meio dele, o “Amém” é pronunciado por nós para a glória de Deus. [2 Coríntios 1:19-20]
  • Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor, pois a antiga ordem já passou. [Apocalipse 21:4]

Em todos estes exemplos descritos na Palavra de Deus vejo promessas. O que não vejo é que estas promessas devam ser pagas de alguma forma ou que devamos fazer algo em troca delas, não! Estas e outras promessas são só e simplesmente prova do cuidado e do amor de Deus para com Sua imagem e semelhança… nós!

Não busque, mas viva e seja promessa de Deus para a glória dEle e testemunho para os “de fora”!

Soli Deo Gloria