Nós também matamos crianças

Aylan Kurdi, o menino sírio de 3 anos que foi encontrado morto em uma praia da Turquia e cuja foto se tornou uma representação da crise migratória na Europa, falou nesta quinta-feira  sobre a tragédia. Abdullah Kurdi perdeu também a mulher e outro filho de 5 anos no naufrágio.

“Tínhamos jalecos salva-vidas, mas o barco afundou porque várias pessoas se levantaram. Carreguei a minha mulher nos braços. Mas meus filhos escorregaram das minhas mãos”, contou ele.

Quando digo que nós também matamos crianças, não me refiro a algum tipo de guerra ou crise migratória no Brasil, aqui não temos essas coisas. Mas vivemos num país em que é comum ver crianças trabalhando a céu aberto. Um país que é comum ter conhecimento de crianças vítimas de abuso sexual. Um país onde indefesos precisam ser violentos por conta da violência urbana. Um país que desaprendeu o que é educação.

Quando, destas formas, estamos matando centenas de crianças todos os dias, fica mais do que claro que não conseguimos ser responsáveis por ninguém. Que Deus tenha misericórdia de nós!

Salmo 127:1-5

Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão que penosamente granjeastes; aos seus amados ele o dá enquanto dormem. Herança do SENHOR são os filhos; o fruto do ventre, seu galardão. Como flechas na mão do guerreiro, assim os filhos da mocidade. Feliz o homem que enche deles a sua aljava; não será envergonhado, quando pleitear com os inimigos à porta.

Soli Amori Christi

A quem pertence nossa vida?

Ao refletir sobre entregar nossas vidas aos cuidados de Deus, pensei que implica em entregar nossas vidas ao serviço à Deus, daí comecei a ficar preocupado com nossas igrejas, ou melhor, com o povo de Deus que se reúne nas comunidades. É comum ouvir e falar que nossa vida pertence a Deus, mas poucos estão dispostos a O servir!

Ao compartilhar a Palavra de Deus em um acampamento que tinha em sua temática o desafio de ser discípulo de Cristo, ou seja, ser um fiel imitador de Jesus assim como Paulo (conforme I Coríntios 11.1). Senti o desejo de orar por vidas que estavam dispostas a um compromisso radical com Cristo e chamei à frente todos estes que em oração se consagraria ao Senhor. Foi então que um garoto com 11 aos de idade se aproximou do grande grupo de jovens e adolescentes que foram à frente e eu perguntei seu nome, idade e mais uma vez insisti na pergunta que havia feito (sinceramente, eu duvidei que aquela criança soubesse o que estava fazendo!) dizendo: “você está aqui para assumir um compromisso radical com Deus?”, e ele disse chorando: SIM!

Neste momento passou um “filme” em minha memória. Com onze anos de idade eu nem sabia o que era ter compromisso com Deus, e muito menos era um exemplo de criança cristã. Perdi parte da minha adolescência com drogas e curtição. A cena deste garoto ao tomar a atitude de se consagrar ao Senhor me trouxe muita emoção. Perguntei muito a Deus o motivo de não ter O encontrado mais cedo em minha vida e, assim, aproveitar maior parte da juventude para Deus. Ele me respondeu que eu precisava passar pelo o que passei para ser quem sou hoje.

Hoje te digo uma coisa… Aproveite o tempo e repense sobre a quem pertence sua vida. Se for a Deus, então desde já dê o seu melhor a Ele que é o autor da vida e não nos fez por acaso. Faça! Seja! Viva para Deus!

“Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará.”
(Marcos 8:35)

Soli Deo Gloria