A Glória é de Deus!

A carta de Paulo aos efésios foi escrita da prisão e trata princípios de extrema importância a uma igreja outrora dirigida pessoalmente por Paulo. Estima-se que ele “pastoreou” a igreja em Éfeso por cerca de 30 meses. A cidade era um importante centro urbano do império Romano com 300 mil habitantes, tinha um teatro que acomodava 25 mil pessoas.

Como toda cidade grande havia grande diversidade cultural e religiosa em Éfeso, o que se tornara um grande desafio para a primeira igreja cristã iniciada por Paulo naquela região. Estima-se que esta carta foi dirigida inicialmente a igreja em Éfeso com o interesse de ser também uma “carta circular”.

Como toda igreja cristã, esta também precisava da direção de Deus em diversas questões. As pessoas que se chegavam ao cristianismo precisavam passar por uma “reforma” de vida em todo o processo de santificação, compreendendo tamanha responsabilidade de viver para a glória de Deus!

Efésios 1.3-14

Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado, no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça, que Deus derramou abundantemente sobre nós em toda a sabedoria e prudência, desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu, como as da terra; nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade, a fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que de antemão esperamos em Cristo; em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, até ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória.

As bênçãos do Pai, a redenção do Filho e o selo do Espírito Santo leva-nos a viver para o louvor da Sua Glória!

Esta canção ou hino de louvor a Deus esboça a ação soberana da trindade em nossas vidas encerrando cada “estrofe” com a expressão – Para louvor da Sua Glória”!

  • Nos versículos 3 a 6 Ele esboça, antes de tudo, todas as bênçãos do Pai concedidas aos cristãos, sua eleição para a santificação, sua predestinação para a adoção e a manifestação da graça em Cristo;
  • Em seguida, entre os versículos 7 a 12, ele apresenta a obra do Filho na redenção, na revelação da vontade de Deus, e na recepção do crente por Deus;
  • E finalmente, ele exalta o Espírito Santo pela obra de selar os crentes como uma garantia da sua salvação eterna.

Paulo foi muito feliz ao compor esta canção, em que somos levados a refletir na ação múltipla de Deus que é um e três, como podemos observar na famosa narrativa do batismo de Jesus…

Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. [Mateus 3.16-17]

Soli Deo Gloria