Santa Ceia ou Ceia dos santos?

Ser santo é simplesmente procurar viver como um cristão, ou seja, é ser Imitador de Cristo!

Disse Deus: Ser-me-eis santos, porque eu, o SENHOR, sou santo e separei-vos dos povos, para serdes meus. [Levítico 20.26]

Tudo bem que o nosso Deus é Santo. Agora, quando Deus nos orienta a ser santo como Ele é o negócio complica! Como eu, um mortal pecador posso ser santo como Deus? Seria uma ilustração ou metáfora?

A resposta encontra-se na Palavra de Deus: Como filhos da obediência, não vos amoldeis às paixões que tínheis anteriormente na vossa ignorância; pelo contrário, segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento, porque escrito está: Sede santos, porque eu sou santo. [1 Pedro 1.14-16] Pedro deixa claro que não se trata de uma simples ilustração ou metáfora é sim a maneira que TODO cristão deve viver!

Deste modo quando Paulo diz em 1 Coríntios 11.1 “Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo.” Não se trata de uma atitude arrogante ou uma “ostentação gospel”, mas sim a imagem que Paulo preocupava-se em refletir. Assim também nós devemos refletir santidade a começar nos enxergando santos.

Mesmo Paulo que se enxerga imitador de Cristo foi um terrível pecador… E depois ele tornou-se perfeito? Veja o que diz a seguinte narrativa…

Alguns dias depois, disse Paulo a Barnabé: Voltemos, agora, para visitar os irmãos por todas as cidades nas quais anunciamos a palavra do Senhor, para ver como passam. E Barnabé queria levar também a João, chamado Marcos. Mas Paulo não achava justo levarem aquele que se afastara desde a Panfília, não os acompanhando no trabalho. Houve entre eles tal desavença, que vieram a separar- se. Então, Barnabé, levando consigo a Marcos, navegou para Chipre. Mas Paulo, tendo escolhido a Silas, partiu encomendado pelos irmãos à graça do Senhor. E passou pela Síria e Cilícia, confirmando as igrejas. [Atos 15.36-41]

Pois é, a discussão de Paulo com Barnabé leva-os a seguirem caminhos diferentes até segunda hora. Isto nos leva a entender que Paulo não tornou-se um extraterrestre ao dizer ser imitador de Cristo. Ele apenas entendeu a responsabilidade de carregar o nome de cristão.

Todos os dias somos “testados” para ver se realmente podemos carregar o nome de cristão! Apesar de nós, Cristo se entregou na cruz em nosso favor, então nossas atitudes devem refletir gratidão por Ele!

Vejamos o cenário original da ceia que Jesus realizou junto aos seus discípulos e extrair as devidas lições para nossas vidas…

Marcos 14:12-31

12 E, no primeiro dia da Festa dos Pães Asmos, quando se fazia o sacrifício do cordeiro pascal, disseram-lhe seus discípulos: Onde queres que vamos fazer os preparativos para comeres a Páscoa? 13 Então, enviou dois dos seus discípulos, dizendo-lhes: Ide à cidade, e vos sairá ao encontro um homem trazendo um cântaro de água; 14 segui-o e dizei ao dono da casa onde ele entrar que o Mestre pergunta: Onde é o meu aposento no qual hei de comer a Páscoa com os meus discípulos? 15 E ele vos mostrará um espaçoso cenáculo mobilado e pronto; ali fazei os preparativos. 16 Saíram, pois, os discípulos, foram à cidade e, achando tudo como Jesus lhes tinha dito, prepararam a Páscoa.

17 Ao cair da tarde, foi com os doze. 18 Quando estavam à mesa e comiam, disse Jesus: Em verdade vos digo que um dentre vós, o que come comigo, me trairá. 19 E eles começaram a entristecer-se e a dizer-lhe, um após outro: Porventura, sou eu? 20 Respondeu-lhes: É um dos doze, o que mete comigo a mão no prato. 21 Pois o Filho do Homem vai, como está escrito a seu respeito; mas ai daquele por intermédio de quem o Filho do Homem está sendo traído! Melhor lhe fora não haver nascido!

22 E, enquanto comiam, tomou Jesus um pão e, abençoando-o, o partiu e lhes deu, dizendo: Tomai, isto é o meu corpo. 23 A seguir, tomou Jesus um cálice e, tendo dado graças, o deu aos seus discípulos; e todos beberam dele. 24 Então, lhes disse: Isto é o meu sangue, o sangue da [nova] aliança, derramado em favor de muitos. 25 Em verdade vos digo que jamais beberei do fruto da videira, até àquele dia em que o hei de beber, novo, no reino de Deus.

26 Tendo cantado um hino, saíram para o monte das Oliveiras. 27 Então, lhes disse Jesus: Todos vós vos escandalizareis, porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas ficarão dispersas. 28 Mas, depois da minha ressurreição, irei adiante de vós para a Galiléia. 29 Disse-lhe Pedro: Ainda que todos se escandalizem, eu, jamais! 30 Respondeu-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje, nesta noite, antes que duas vezes cante o galo, tu me negarás três vezes. 31 Mas ele insistia com mais veemência: Ainda que me seja necessário morrer contigo, de nenhum modo te negarei. Assim disseram todos.

A Ceia dos Santos é uma cerimônia de ações de graças realizada por homens pecadores, assim como os que estiveram com Jesus na ceia original.

  1. Cerimônia de gratidão pela “passagem”

Páscoa significa passagem e já era comemorada antes do surgimento do Cristianismo. Tratava-se da comemoração do povo judeu por terem sido libertados da escravidão no Egito. Segundo a Bíblia, supostamente Jesus teria participado de várias celebrações pascais. Quando tinha doze anos de idade foi levado pela primeira vez pelos seus pais, José e Maria, para comemorar a Páscoa, conforme Lucas 2.41: Ora, anualmente iam seus pais a Jerusalém, para a Festa da Páscoa.

Retornando ao nosso texto, temos em Marcos 14.12-16, a preocupação dos discípulos em preparar a festa de páscoa para Jesus e seu grupo. Ainda que seja uma festa judaica, Jesus está de acordo com sua realização e ainda envia seus discípulos a procurar o local, que conforme o Mestre diz já está pronto!

  1. Na festa é anunciada a traição

Já viu videos na internet de acidentes em festas? Pois é, tem situações que quebram todo o brilho de um evento. Aqui, nos versículos 17 a 21, naquela que seria a ultima ceia pascal de Jesus com seus discípulos, viu o Senhor ser um momento oportuno de revelar que seria traído.

Será que o Mestre “errou” ao escolher um momento festivo para tratar de um assunto tão incômodo? Veja que no versículo 19 o texto diz que foi gerado um ambiente de tristeza, porém se Jesus o fez, significa que era o momento mais que adequado.

  1. A Ceia dos Santos

Dos versículos 22 a 25 é a realização cerimonial que nós cristãos fazemos repetidas vezes neste memorial. Aqui fica claro que esta ceia é diferente da festa de páscoa judaica em que costuma-se sacrificar um cordeiro. Aqui Jesus é o Cordeiro de Deus, que antes de seu sacrifício, celebra um pacto com seus discípulos. A Ceia dos Santos, é, portanto um memorial do pacto feito Jesus em que somos juntos o corpo dEle, e pelo Seu sangue somos libertos da condenação do pecado, que é o inferno.

Participar da Ceia é simbolicamente renovar essa aliança ou simplesmente rememorar a razão pela qual nos consideramos cristãos!

  1. O desafio de ser cristão

Após a ceia, Jesus saiu com seus discípulos para o monte das oliveiras. É a partir do versículo 26 que o texto narra essa caminhada de Jesus em que Ele previne seus mais próximos seguidores de que não seria fácil manterem-se firmes na fé. Imagina o Messias dizendo em sua cara que você o abandonaria… Daí vem as célebres palavras de Pedro: Ainda que todos se escandalizem, eu, jamais!

Veja que Pedro pronuncia belas palavras e traz veemência em seu discurso, porém após a Ceia dos Santos, em que Jesus realiza um pacto de fé com Pedro e seus companheiros, que este homem ouve a revelação de nosso Senhor de que ele o trairia três vezes. Seriam essas as melhores palavras de incentivo? Em tempos que certas religiões pregam a confissão positiva, em que a palavra do homem tem poder! Eu vejo Jesus falando uma verdade de dói… Pedro descobrirá que não é esse super-crente que imaginara.

Assim é a ceia dos santos, um memorial que reúne o povo de Deus, cheios de defeitos e pecados, em busca de renovar seu pacto com Cristo. Uma celebração que inclui entre os convidados, TRAIDORES e que mesmo assim, assim como Pedro, podemos ser usados por Deus e para a glória de Deus!

Minha oração é que possamos nos enxergar como Deus nos vê.

Soli Deo Gloria

Brincando com a Verdade

Primeiro de Abril é conhecido como o dia da mentira. Mentir, para muitos pode até ser normal, só não pode ser uma prática de qualquer pessoa que se considera cristão!

Muitos vão considerar esse argumento um tanto radical, pois quando mentem é só por brincadeira, para rir. Uma mentirinha. O interessante é que a Palavra de Deus é completa e fala sobre esse tipo de mentirinha também. Veja:

Como o louco que lança fogo, flechas e morte, assim é o homem que engana a seu próximo e diz: Fiz isso por brincadeira. (Provérbios 26.18-19)

Que pancada hein?! Essa é a Sagrada Escritura, também conhecida como A VERDADE. Lembra daquela célebre cena em que uma testemunha coloca a mão sobre uma Bíblia e com a outra levantada jura que só falará a verdade no tribunal?

Se a Bíblia é a Verdade, ela mesma afirma que conhecendo a Verdade, ela nos libertará. Então se eu estou conhecendo a Verdade e ainda pratico mentiras, mesmo que brincando, eu não estou livre! A mentira prende e escraviza pessoas. Pode constatar: toda pessoa que está viciada em algo, como drogas, pornografia, jogos ou traição, são ao mesmo tempo escravas da mentira.

O que me chama atenção também é ver crentes que fazem alguma coisa que para eles é algo normal, porém outros crentes consideram pecado. Assim, para não “escandalizar” (evangeliquês) esses crentes e ser julgados por eles, usa-se de mentira. Tem algo muito errado aqui!!!

É possível ser divertido e descolado sem ser mentiroso! Mas não é possível ser divertido, descolado, mentiroso e cristão ao mesmo tempo. Faço minhas as palavras de João:

Não vos escrevi porque não saibais a verdade; antes, porque a sabeis, e porque mentira alguma jamais procede da verdade. (1 João 2.21)

Soli Amori Christi

Je suis du Christ

Com toda a acessibilidade à informação vejo um mundo onde as pessoas militam por novas causas quase que diariamente. Seja proteção a animais, a qual sou adepto, seja defesa político/partidária, seja um ato racista a um jogador de futebol ou até um atentado terrorista. Lá estão os ativistas que em muitos casos tomam partido de algo ou alguém sem ao menos investigar.

Em meio às redes sociais tudo, mas tudo mesmo, vira modinha. As pessoas estão perdendo ou já perderam um senso crítico e nem ao menos desconfiam das fontes de informação. Se algo tornou-se “viral” na internet, impensadamente milhares de pessoas nutrem a propaganda gratuita virtual e chegam até discutir por razões que muitas vezes desconhecem.

Mais incrível ainda é ver cristãos militando por causas que variam do banal até ao que é agressivo à nossa fé. Como o caso do atendado terrorista na última semana na França. Sou totalmente contra o meio violento adotado pelos radicais islâmicos, porém eu não sou Charlie pelo simples fato de aquele periódico também agredir diversas vezes a minha fé em Jesus Cristo.

Falando em fé… Onde estão os cristãos na hora de defender a vida de uma criança ainda em formação no ventre materno? Onde estão os cristãos na defesa do verdadeiro modelo familiar? Onde estão os cristãos protestantes, que na realidade hoje são mais modelos carismáticos “gospeis” do que os discípulos que morriam pelo amor ao ensino da Palavra!

Verdadeiros cristãos estão em extinção!!!

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Keith Green

Keith Gordon Green (21 de outubro de 1953 – 28 de julho de 1982) foi um cantor e multi-instrumentista gospel americano. Compunha, interpretava e tocava piano, guitarra, contrabaixo e percussão. Green respira música desde a infância aos 12 anos de idade, já dispunha de quarenta canções originais sob sua carreira. Quando jovem lançou seu primeiro album The Way I Used To Be pela extinta gravadora Decca.

Depois de entrar na vida adulta, antes de se tornar um cristão, Keith tinha uma filosofia pessoal que misturava a visão judaica e a Ciência Cristã, mas cresceu lendo o Novo Testamento. Ele chamou o evangelho de “uma estranha combinação” que deixou seu espírito aberto, mas até então ainda profundamente insatisfeito. Seu estilo de vida artístico o levou às drogas. Viajou ao Sul da Ásia atrás do misticismo e do “amor livre” que dominaram os anos 60 e 70. Depois de experimentar o que descreveu como uma “bad trip”(má viagem), ele abandonou o consumo de drogas e se tornou avesso à filosofia e a teologia de um modo geral. Green viria a afirmar, no entanto, que, no meio de seu ceticismo, ele sentiu que Deus “furou os calos do seu coração”, e ele se converteu ao protestantismo. Logo depois sua esposa Melody Green também se converteu.

Em 1975 o casal Green iniciou um programa de evangelização nos subúrbios de Los Angeles, Califórnia, em San Fernando Valley. Rapidamente sua pequena casa no subúrbio estava superlotada de prostitutas, tóxico-dependentes e sem-teto que recebiam, além do evangelho, atenção e cuidados. A comunidade de novos crentes foi crescendo rapidamente. Pessoas foram continuamente se posicionando para o batismo e definindo suas vidas para servir o Senhor. Logo tiveram que adquirir uma casa vizinha à sua própria e alugaram mais cinco no mesmo bairro, para grande consternação dos seus vizinhos. Durante seus concertos, muitas vezes ele exortava seus ouvintes a se arrependerem e a empenharem-se mais inteiramente a seguir Cristo.

Junto com outros onze, Keith Green faleceu em 28 de julho de 1982, quando o avião Cessna 414, alugado pelo ministério, caiu após decolar da pista privada localizada na sede da missão. O pequeno avião de dois motores estava transportando onze passageiros para um passeio aéreo pela região da propriedade. Green e dois de seus filhos, Josiah, de três anos de idade, e Bethany, com dois, estavam a bordo do avião, juntamente com os missionários visitantes John e Dede Smalley e os seus seis filhos. Em 27 de novembro de 2001, Keith Green foi introduzido no hall da fama da musica Gospel americana. Green não se via como um “artista” por profissão, e demonstrou um desapego material raro de se encontrar nos dias atuais. Ele não se isolava no palco nem transformava isso em meio de vida,ao contrário, arregaçava as mangas, saía dos holofotes e procurava sempre uma proximidade com sem público.

Origem: Wikipédia

Soli Deo Gloria