De “fora para dentro”

Você já deve ter ouvido falar que a palavra que fora traduzida para igreja, no original em grego tem um significado com algo parecido como: “chamados para fora”. Será que este era o real sentido desta palavra para os discípulos de Jesus?

Veja o que Robert Cara, em um artigo bem interessante chamado “Cuidado com o Significado Oculto da Raiz de uma Palavra“, escreve sobre ekklesia:

No grego, mais do que no português, muitas palavras são uma combinação de duas outras palavras, mas geralmente o estudo etimológico do porquê e de quando essas palavras foram combinadas é completamente desconhecido pelo autor do Novo Testamento. A palavra grega ekklesia, que é geralmente traduzida por “igreja”, é uma combinação das palavras chamar e fora. Contudo, os dicionários gregos acadêmicos não dão a definição de “os chamados para fora” para a palavra ekklesia, porque ela não está sendo usada dessa maneira no Novo Testamento. Embora seja teologicamente verdadeiro que cristãos tenham sido chamados para fora do mundo pecaminoso para ser a igreja, essa verdade não é derivada da palavra ekklesia. Semelhantemente, no inglês moderno a palavra butterfly (borboleta) é claramente composta das palavras butter (manteiga) e fly (mosca), mas isso não nos ajuda a entender melhor o inseto.

A Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã traz a seguinte definição para igreja:

“No NT, “igreja”traduz a palavra grega ekklēsia. No grego secular, ekklēsia designava uma assembléia pública, e este significado ainda foi mantido no NT (At 19.32, 39, 41).

É interessante notar que algumas das pessoas que enfatizam o “chamados para fora” são também contra a reunião dos crentes em um prédio para cultuar a Deus. Contudo, como o uso do termo ekklēsia mostra, a igreja é uma assembléia (ou seja, uma reunião) e a igreja em Atos se reunia sim em locais fechados para cultuar a Deus, orar e ouvir a Palavra.

(pesquisa de Vinicius Pimentel, fundador do site: Voltemos ao Evangelho).

Vejamos o que está escrito em Atos 3:1-11

Pedro e João subiam ao templo para a oração da hora nona. 2 Era levado um homem, coxo de nascença, o qual punham diariamente à porta do templo chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam. 3 Vendo ele a Pedro e João, que iam entrar no templo, implorava que lhe dessem uma esmola. 4 Pedro, fitando-o, juntamente com João, disse: Olha para nós. 5 Ele os olhava atentamente, esperando receber alguma coisa. 6 Pedro, porém, lhe disse: Não possuo nem prata nem ouro, mas o que tenho, isso te dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, anda! 7 E, tomando-o pela mão direita, o levantou; imediatamente, os seus pés e tornozelos se firmaram; 8 de um salto se pôs em pé, passou a andar e entrou com eles no templo, saltando e louvando a Deus. 9 Viu-o todo o povo a andar e a louvar a Deus, 10 e reconheceram ser ele o mesmo que esmolava, assentado à Porta Formosa do templo; e se encheram de admiração e assombro por isso que lhe acontecera. 11 Apegando-se ele a Pedro e a João, todo o povo correu atônito para junto deles no pórtico chamado de Salomão.

Pedro e João são a igreja que age também trazendo os “de fora”

O que podemos aprender com esta cura milagrosa…

  1. A prática constante de oração leva os discípulos a oportunidades missionárias. (1-3)

Os judeus tinham uma prática diária de oração e que era dividida em pelo. Enos três vezes ao longo do dia: nove horas da manha, meio dia e três da tarde. A “hora nona” do versículo 1, são três da tarde. Os primeiros cristãos a exemplo dos discípulos mantiveram essa prática. Foi que em um desses momentos em que pedintes ficavam à porta do templo esperando que uma boa alma lhes desse algo, em que Pedro e João são colocados ali por Deus para levar cura.

  1. Autoridade em nome de Jesus. (4-6)

Os discípulos dizem no versículo 4: olhe para nós! Eles eram homens simples sem nenhum adereço de riqueza ou de sacerdócio farisaico. Homens simples que traziam consigo uma poderosa mensagem (vs.6): a fé! É pela fé na autoridade que há no nome de Jesus que aquele homem é curado dessa doença que o acompanhou toda a vida.

  1. Atitude de fé e gratidão. (7-8)

Mas os discípulos não permaneceram apenas com uma palavra de fé, eles tiveram uma atitude de fé. Ajudaram o homem a levantar-se revelando sua cura e consequentemente o homem, antes aleijado, agora entra no templo sem medo de ser feliz. Saltando e louvando ao Senhor!

  1. Testemunho. (9-11)

Os versículos 9 e 10 mostram o que este testemunho de vida faz na vida daqueles que estão no templo. Testemunhar é conhecer oocorrido eaquele povo frequentador do templo conhecia a história daquele homem. No versículo 11 narra que as pessoas sguiram este homem juntamente com os dois discípulos em direção ao pórtico de Salomão, que é o local em que Jesus ensinou a respeito do “bom pastor”: João 10. 23-25

23 Jesus passeava no templo, no Pórtico de Salomão. 24 Rodearam-no, pois, os judeus e o interpelaram: Até quando nos deixarás a mente em suspenso? Se tu és o Cristo, dize-o francamente. 25 Respondeu-lhes Jesus: Já vo-lo disse, e não credes. As obras que eu faço em nome de meu Pai testificam a meu respeito. 26 Mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas. 27 As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem.

Que nossa vida na igreja reproduza a vontade de Deus para nós. Que sejamos capazes de trazer irmãos para dentro dessa família chamada igreja!!!

Solo Amori Christi

Falta Cristo

Ao assistir uma entrevista com o Pr. Wilson Porte fui confrontado com a ideia de que muitos evangélicos hoje têm dificuldade de evangelizar pelo fato de que pouco se conhece o protagonista do evangelho, ou o próprio Evangelho – Jesus Cristo.

Comecei então a refletir sobre as áreas que tangem a igreja evangélica brasileira e se realmente esta afirmação do pastor tem algum fundamento. Vejamos algumas dessas áreas:

Reflexão Bíblica

Não é preciso ser teólogo para perceber que em muitos redutos evangelicais as pregações não contam com uma real explanação a respeito de Cristo. O que me refiro não é apenas usar exemplos ou palavras tipo: “disse Jesus”. Está faltando o ensino a respeito da pessoa de Cristo, suas obras, mensagens e exortações. Se perguntarmos a qualquer pregador cristão se ele prega de maneira cristocêntrica, 99% responderá que sim. A questão é… será que este discurso está presente nos púlpitos?

Estudos Bíblicos

Muitas igrejas ainda hoje mantém a estrutura de Escola Bíblica Dominical, outras, no entanto utilizam outros métodos e dias para o ensino cristão. Aqui a pergunta é: nossos estudos eclesiásticos têm Jesus como início, meio e fim? Ou será que estamos estudando métodos, passos e fazendo campanhas? Por um lado temos essa forte influência da igreja norte americana que produz “cartilha” para tudo e nos tornamos extremamente metódicos e burocratas. Por outro lado temos igrejas sem métodos algum, que vive na improvisação do ensino onde o foco é a experiência pessoal e a manifestação de algum espírito.

Música, teatro e dança

Não é nenhuma novidade que o mercado gospel musical têm em seu foco o lucro em detrimento à real adoração! Aqui pergunto: e na igreja, temos cantado Cristo? Contamos em canção o que a palavra diz? A verdade é que a maioria nem sabe se a letra da música é uma poesia que pode ser uma heresia e até citam letras não-bíblicas como se fosse Palavra de Deus. Peças teatrais são excelentes ferramentas para transmitir a Palavra, aí pergunto: porque colocamos tanto a figura de satanás em nossas peças? Será que satanás tem toda essa atenção na Palavra? E a dança… Aaah a dança! Outra maneira de apresentar um talento em forma de adoração, só que esta ferramenta não faz parte do culto público, pois durante um culto em que há alguma apresentação de grupo de dança, só quem adora é o grupo, e a igreja toda torna-se telespectadora de adoradores e isto não é culto público.

Evangelismo

Aqui deveríamos estar tranquilos, pois evangelismo é falar de Cristo. Só que observando muitas agências ou atividades missionárias de igrejas percebe-se um foco acentuado nos métodos e passos para o evangelismo, material superproduzido e alegorias. Só falta o principal… O Evangelho! Muitos saem de suas igrejas para as ruas, ou fazem viagens evangelísticas até para outros países sem ao menos conhecer o Evangelho – a obra, exemplos e palavras de Cristo.

O Evangelho segundo Marcos traz no primeiro e último versículo dicas simples e diretas para acertarmos o alvo quanto ao conteúdo e objetivo do Evangelho:

Princípio do evangelho de Jesus Cristo, o filho de Deus.” (Marcos 1.1)

Então, saindo os discípulos, pregaram por toda parte, e o Senhor cooperava com eles confirmando a palavra com os sinais que os acompanhavam.” (Marcos 16.20)

No início devemos ser objetivos e ter autoridade para falar do Filho de Deus. Por fim, o próprio Deus alcançará os corações confirmando nossa missão.

Nem só de métodos vive o Cristão!

*Qualquer semelhança é mera intenção!

Evangelismo sem o Evangelho gera cristianismo sem Cristo!

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Panfleto na Mão!!!

Estava voltando para casa de um compromisso quando fui abordado por um sujeito bem vestido e todo suado que me entregou um panfleto, seguido de algumas palavras incompreensíveis e ao me ouvir dizer amém, perguntou se sou crente, eu respondi que sim, ele novamente perguntou me olhando de baixo para cima (eu estava de bermuda!), e terminou dizendo: – Ah, deve ser batista, né? Eu respondi: – sim, sou.
O que me chamou atenção não foi apenas a forma de me abordar, ou o jeito que o sujeito me olhou ao confessar-lhe e minha fé. O que mais me deixou pensativo foi o conteúdo do panfleto, com o seguinte texto:
“OH! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. É como o óleo precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Arão, e que desce à orla das suas vestes. Como o orvalho de Hermom, e como o que desce sobre os montes de Sião, porque ali o SENHOR ordena a bênção e a vida para sempre.” (SALMO  133.1-3)
Agora uma pergunta… se você não tem conhecimento dos Salmos bíblicos ou não compreende a poesia contida nesta passagem, como entenderia o que este panfleto quer comunicar? Mas o que tem esse óleo sobre a cabeça? Quem é Arão? Onde fica esse Hermom e Sião?
Essas seriam as perguntas que eu faria sem conhecimento bíblico. As pessoas abordadas na rua têm obrigação de entender? Claro que não. Muitas delas nunca tiveram acesso a uma explicação apurada das escrituras. Se há uma série de textos simples e diretos na Bíblia, porque colocar esse texto citado no panfleto?
Depois vão perguntar o motivo do espiritismo crescer em nosso país. Eles usam a mídia de massa (TV), estão produzindo filmes e investem em artistas da música e escritores dos mais variados assuntos. Onde estão os estrategistas protestantes? Se não houver investimento, não haverá grandes resultados. Ao invés de sujar as calçadas desperdiçando esforço de muitos bem-intencionados, precisamos rever nossas maneiras de evangelizar. A começar do nosso exemplo como cidadão.
“Um bom exemplo é o melhor sermão.” (Benjamin Franklin)
Soli Deo Gloria