Relativismo Gospel (o fim justifica os meios?)

Em síntese: O relativismo é uma corrente que nega toda verdade absoluta e perene assim como toda ética absoluta, ficando a critério de cada indivíduo definir a sua verdade e o seu bem. Opõe-se ao fundamentalismo.

Recentemente publiquei um vídeo alertando e criticando certas linhas eclesiológicas e sujeitos pregadores que mesmo pregando de maneira errada, ou até utilizando meios ilícitos, têm como resultado de seu trabalho vidas transformadas. Cheguei a usar o exemplo de políticos que “roubam mas fazem”. Será que o fim justifica os meios?

Olhando para a Palavra, eu creio que a resposta é não!

É certo que Deus usou vidas de sujeitos pagãos para cumprir propósitos divinos, mas isso não tornam esses sujeitos “abençoados”. Por exemplo, numa história muito conhecida da Bíblia, o faraó foi usado por Deus, veja:

Êxodo 7:3-5

Eu, porém, endurecerei o coração de Faraó e multiplicarei na terra do Egito os meus sinais e as minhas maravilhas. Mas Faraó não vos ouvirá; e eu porei minha mão sobre o Egito, e tirarei os meus exércitos, o meu povo, os filhos de Israel, da terra do Egito, com grandes juízos. E os egípcios saberão que eu sou o Senhor, quando estender a minha mão sobre o Egito, e tirar os filhos de Israel do meio deles.

Faraó foi usado por Deus? Se sua resposta, como a minha é sim, então esse faraó seria um exemplo a ser seguido? É CLARO QUE NÃO!

Na Bíblia ainda tem relatos de reis, soldados e até nações inteiras que mesmo “não adoradores de Deus”, foram usados por Deus para cumprir sua vontade. Tudo isso não significa que o fim justifica os meios, mas sim que Deus é soberano e usa quem quer na hora que quer para satisfazer sua vontade plena.

Retornando aos nossos dias… se um pregador, uma igreja ou até uma religião prega heresias e usa artifícios não-bíblicos para, no fim, converter vidas a Cristo Jesus, faz-se destes bênçãos de Deus por conta dos resultados? Creio que não! Se há resultados de vidas consagradas ao Senhor é pela graça e misericórdia de Deus que se quiser usa até um ateu para cumprir seu propósito.

Contudo, seguindo a teologia paulina e outros autores de epístolas, chego à conclusão de que, mesmo mostrando resultados positivos (em meio aos negativos), pregadores, igrejas e religiões que usam meios incoerentes à luz das Escrituras DEVEM ser esclarecidas ao povo de Deus, de maneira que nós líderes carregamos a responsabilidade de denunciar seus erros!

Não se sinta incomodado a concordar ou discordar de mim, apenas leia alguns dos diversos exemplos nas Escrituras e tire sua própria conclusão!

Digo isto, para que ninguém vos engane com palavras persuasivas. [Colossenses 2:4]

Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; [Colossenses 2:8]

Ninguém de modo algum vos engane; porque isto não sucederá sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem do pecado, o filho da perdição, aquele que se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, de sorte que se assenta no santuário de Deus, apresentando-se como Deus. [2 Tessalonicenses 2:3,4]

Mas houve também entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá falsos mestres, os quais introduzirão encobertamente heresias destruidoras, negando até o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. E muitos seguirão as suas dissoluções, e por causa deles será blasfemado o caminho da verdade; também, movidos pela ganância, e com palavras fingidas, eles farão de vós negócio; a condenação dos quais já de largo tempo não tarda e a sua destruição não dormita. [2 Pedro 2:1-3]

[…] e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; como faz também em todas as suas epístolas, nelas falando acerca destas coisas, mas quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, como o fazem também com as outras Escrituras, para sua própria perdição. [2 Pedro 3:15,16]

Todo aquele que vai além do ensino de Cristo e não permanece nele, não tem a Deus; quem permanece neste ensino, esse tem tanto ao Pai como ao Filho. Se alguém vem ter convosco, e não traz este ensino, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis. [2 João 1:9,10]

Mas os homens maus e impostores irão de mal a pior, enganando e sendo enganados. Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, e que desde a infância sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela que há em Cristo Jesus. Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; [2 Timóteo 3:13-16]

{Biblifique-se}

Soli Amori Christi

Quem é quem?

“Quem é ‘de Deus’ levanta a mão!”

Esta é uma daquelas frases de impacto que proferidas em tom de grito de guerra em shows evangélicos, ou como costumo chamar ironicamente de “gospeis”. Shows desta natureza são hoje uma bela forma de arrecadar dinheiro de um público duplamente fiel aos seus ídolos. Se são idolatrados e as pessoas gospeis vão tão somente para vê-los, então onde fica Deus em tudo isto?

Também não fico surpreso quando muitos evangélicos nem lembram na segunda-feira aquilo que foi pregado no fim de semana em sua igreja. Igrejas que não querem carregar o título de “tradicionais” alimentam seus cultos de uma série de apresentações e ministrações que causam um belo entretenimento aos ouvintes, até emocionam e envolvem as pessoas, mas pouco edifica no ensino bíblico.

“Porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?” (I Timóteo 3.5)

O que se vê por aí são reuniões desordenadas e sem a menor reverência. Adultos agindo como crianças, crianças que se divertem imitando os adultos. Meu Deus, o que é isso? Gente que não tem costume de ordem em casa e leva isso para a igreja. Líderes pregadores que dizem não precisar preparar mensagens porque o Espírito Santo de Deus vai falar, USANDO DEUS COMO DESCULPA PARA O COMODISMO. A presença do Espírito se torna um motivo para um verdadeiro picadeiro de manifestações diversas.

Vejamos o que diz a Palavra de Deus em 1 Timóteo 1.3-7:

3 Como te roguei, quando partia para a Macedônia, que ficasse em Éfeso, para advertires a alguns que não ensinassem doutrina diversa, 4 nem se preocupassem com fábulas ou genealogias intermináveis, pois que produzem antes discussões que edificação para com Deus, que se funda na fé… 5 Mas o fim desta admoestação é o amor que procede de um coração puro, de uma boa consciência, e de uma fé não fingida; 6 das quais coisas alguns se desviaram, e se entregaram a discursos vãos, 7 querendo ser doutores da lei, embora não entendam nem o que dizem nem o que com tanta confiança afirmam.

Nesta epístola, Paulo saúda seu filho na fé e exorta a refutar os mitos e genealogias irrelevantes espalhadas por aqueles que querem ser mestres da lei. Com um “passado negro”, Paulo é um belo exemplo da misericórdia divina e eleva louvores a Deus por tê-lo chamado para pregar a Cristo. Em seguida Timóteo é orientado a permanecer fiel ao que foi chamado, e é advertido contra homens como Himeneu e Alexandre que perderam sua fé.

O servo de Deus deve estar preparado para advertir os falsos mestres e ensinar o verdadeiro significado do amor.

Uma advertência (vs. 3 e 4)

Conforme podemos ver em Filipenses 2.19: “Espero, porém, no Senhor Jesus, mandar-vos Timóteo, o mais breve possível, a fim de que eu me sinta animado também, tendo conhecimento da vossa situação.” Estando próxima a libertação de Paulo em Roma, ele envia Timóteo a Filipos a fim de ter conhecimento do caminhar da igreja lá, é evidentemente planejou encontrar com Timóteo em Éfeso depois do seu regresso de Colossos e delega a tarefa de dar o devido trato aos falsos mestres a Timóteo e escreve para que ninguém questione sua autoridade.

É interessante que Paulo conhecia bem aqueles falsos mestres, ele não envia essa advertência baseada em “achismos” mas em fatos, pois conhecia, inclusive o assunto de suas mensagens heréticas: “… Fábulas e genealogias intermináveis…” Aqui o ensino judaico baseado em mitos desviava o foco da graça redentora de Cristo Jesus.

Ainda no versículo 4 Paulo diz que está linha de ensinos mais criam especulações inúteis do que crescimento na fé… Será que isso ainda existe hoje? Sim e muito!!!

O ensino do amor (vs. 5)

Após atacar os falsos ensinos, Paulo traz uma resposta para a abordagem que deveria ser feita por Timóteo. O alvo deste ensino deve ser o amor que só pode fluir de uma real experiência com Deus! O teólogo Geoffrey Wilson traz uma bela definição desses três aspectos do versículo 5:

1. Um coração puro: nas Escrituras “o coração” corresponde a totalidade do ser humano em seu íntimo (Pv 4.23), é assim um coração puro indica a radical renovação interior que habilita o homem a amar e servir a Deus com sincera devoção (Mt 5.8).
2. Uma boa consciência: a palavra consciência significa literalmente “um conhecer com”, e é o termo frequentemente empregado por Paulo para designar a faculdade inata de julgamento pessoal próprio pelo qual ele prova os seus pensamentos e as suas ações (Rm 2.15).
3. Fé não fingida: apontando os falsos mestres, Paulo fala de uma fé não hipócrita que não precisa de máscara para esconder a inverdade (2Tm 1.5).

Consequências do falso ensino (vs. 5,6)

O falso ensino protagonizado pelos falsos profetas geram desviados que vivem reconversão tolas. Ou seja. Pensamentos inúteis, vãos e sem sentido quando ministrados a pessoas sem critérios produz tão só é simplesmente discussões inúteis, vãs e sem sentido que consequentemente afastam essas pessoas da fé.

Alguém já disse que… “Se o coração do pregador não estiver posto nas grandes realidades do Evangelho, se estiver em desacordo com o profundo tom espiritual delas, ele não terá prazer em falar sobre elas, e só se alegrará muito em voltar-se para tópicos inferiores”

No versículo 7 temos essa fala que creio trazer uma certa ironia de Paulo. “Querem ser doutores mas nem sequer sabem o que dizem” (interpretação livre). É comum a falsos mestres a auto-proclamação de que eles são sábios e doutores do conhecimento e isso se reflete a todos aqueles que se desviam do Evangelho, pois anunciam seus erros com a obstinada segurança nascida da ignorância.

Contudo, o início da carta de Paulo a Timóteo léva-nos a entender tamanha importância de conhecer bem e dominar as Sagradas escrituras com o cuidado de defender a Verdade de Deus e também não nos envolver na ignorância da exaltação de si e discussões sem sentido.

Soli Deo Gloria