De “fora para dentro”

Você já deve ter ouvido falar que a palavra que fora traduzida para igreja, no original em grego tem um significado com algo parecido como: “chamados para fora”. Será que este era o real sentido desta palavra para os discípulos de Jesus?

Veja o que Robert Cara, em um artigo bem interessante chamado “Cuidado com o Significado Oculto da Raiz de uma Palavra“, escreve sobre ekklesia:

No grego, mais do que no português, muitas palavras são uma combinação de duas outras palavras, mas geralmente o estudo etimológico do porquê e de quando essas palavras foram combinadas é completamente desconhecido pelo autor do Novo Testamento. A palavra grega ekklesia, que é geralmente traduzida por “igreja”, é uma combinação das palavras chamar e fora. Contudo, os dicionários gregos acadêmicos não dão a definição de “os chamados para fora” para a palavra ekklesia, porque ela não está sendo usada dessa maneira no Novo Testamento. Embora seja teologicamente verdadeiro que cristãos tenham sido chamados para fora do mundo pecaminoso para ser a igreja, essa verdade não é derivada da palavra ekklesia. Semelhantemente, no inglês moderno a palavra butterfly (borboleta) é claramente composta das palavras butter (manteiga) e fly (mosca), mas isso não nos ajuda a entender melhor o inseto.

A Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã traz a seguinte definição para igreja:

“No NT, “igreja”traduz a palavra grega ekklēsia. No grego secular, ekklēsia designava uma assembléia pública, e este significado ainda foi mantido no NT (At 19.32, 39, 41).

É interessante notar que algumas das pessoas que enfatizam o “chamados para fora” são também contra a reunião dos crentes em um prédio para cultuar a Deus. Contudo, como o uso do termo ekklēsia mostra, a igreja é uma assembléia (ou seja, uma reunião) e a igreja em Atos se reunia sim em locais fechados para cultuar a Deus, orar e ouvir a Palavra.

(pesquisa de Vinicius Pimentel, fundador do site: Voltemos ao Evangelho).

Vejamos o que está escrito em Atos 3:1-11

Pedro e João subiam ao templo para a oração da hora nona. 2 Era levado um homem, coxo de nascença, o qual punham diariamente à porta do templo chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam. 3 Vendo ele a Pedro e João, que iam entrar no templo, implorava que lhe dessem uma esmola. 4 Pedro, fitando-o, juntamente com João, disse: Olha para nós. 5 Ele os olhava atentamente, esperando receber alguma coisa. 6 Pedro, porém, lhe disse: Não possuo nem prata nem ouro, mas o que tenho, isso te dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, anda! 7 E, tomando-o pela mão direita, o levantou; imediatamente, os seus pés e tornozelos se firmaram; 8 de um salto se pôs em pé, passou a andar e entrou com eles no templo, saltando e louvando a Deus. 9 Viu-o todo o povo a andar e a louvar a Deus, 10 e reconheceram ser ele o mesmo que esmolava, assentado à Porta Formosa do templo; e se encheram de admiração e assombro por isso que lhe acontecera. 11 Apegando-se ele a Pedro e a João, todo o povo correu atônito para junto deles no pórtico chamado de Salomão.

Pedro e João são a igreja que age também trazendo os “de fora”

O que podemos aprender com esta cura milagrosa…

  1. A prática constante de oração leva os discípulos a oportunidades missionárias. (1-3)

Os judeus tinham uma prática diária de oração e que era dividida em pelo. Enos três vezes ao longo do dia: nove horas da manha, meio dia e três da tarde. A “hora nona” do versículo 1, são três da tarde. Os primeiros cristãos a exemplo dos discípulos mantiveram essa prática. Foi que em um desses momentos em que pedintes ficavam à porta do templo esperando que uma boa alma lhes desse algo, em que Pedro e João são colocados ali por Deus para levar cura.

  1. Autoridade em nome de Jesus. (4-6)

Os discípulos dizem no versículo 4: olhe para nós! Eles eram homens simples sem nenhum adereço de riqueza ou de sacerdócio farisaico. Homens simples que traziam consigo uma poderosa mensagem (vs.6): a fé! É pela fé na autoridade que há no nome de Jesus que aquele homem é curado dessa doença que o acompanhou toda a vida.

  1. Atitude de fé e gratidão. (7-8)

Mas os discípulos não permaneceram apenas com uma palavra de fé, eles tiveram uma atitude de fé. Ajudaram o homem a levantar-se revelando sua cura e consequentemente o homem, antes aleijado, agora entra no templo sem medo de ser feliz. Saltando e louvando ao Senhor!

  1. Testemunho. (9-11)

Os versículos 9 e 10 mostram o que este testemunho de vida faz na vida daqueles que estão no templo. Testemunhar é conhecer oocorrido eaquele povo frequentador do templo conhecia a história daquele homem. No versículo 11 narra que as pessoas sguiram este homem juntamente com os dois discípulos em direção ao pórtico de Salomão, que é o local em que Jesus ensinou a respeito do “bom pastor”: João 10. 23-25

23 Jesus passeava no templo, no Pórtico de Salomão. 24 Rodearam-no, pois, os judeus e o interpelaram: Até quando nos deixarás a mente em suspenso? Se tu és o Cristo, dize-o francamente. 25 Respondeu-lhes Jesus: Já vo-lo disse, e não credes. As obras que eu faço em nome de meu Pai testificam a meu respeito. 26 Mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas. 27 As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem.

Que nossa vida na igreja reproduza a vontade de Deus para nós. Que sejamos capazes de trazer irmãos para dentro dessa família chamada igreja!!!

Solo Amori Christi