Deus é Deus e o esvaziamento de conteúdo

Quem me conhece sabe o quanto sinto muito pelo desenvolvimento “ladeira abaixo” da música no mundo evangélico. E diferente do que alguns pensam eu não fico criticando movimento gospel apenas por ser um chato.

Tudo bem, eu sou um chato! Mas qualquer bom leitor de Bíblia precisa concordar que conteúdo bíblico está desaparecendo dos movimentos “gospeis” e isso já tem um tempo. Outra coisa é que a música ruim me incomoda, não porque sou anti-arte. Pelo contrário, eu amo música, passo o dia todo ouvindo minhas playlists e por isso a queda de qualidade me atinge tanto. Mas não apenas a mim. Eu sinto muito por todas as pessoas vinculadas a um movimento cheio de pessoas vazias! Um copo vazio está sempre cheio de ar…

Me incomoda ouvir rimas soltas e músicas comerciais que perdem em qualidade musical e intelectual para as músicas de propaganda de refrigerante. Letras que reproduzem o óbvio, como luz é luz, branco é branco ou Deus é Deus. Artistas que arrancam aplausos e assobios da platéia ao fazer uma performance de dança, não que seja contra a dança, assim como a música, dança é uma expressão de arte. Mas quando dizem que dança é uma forma de adoração pública, eu sinto muito. Pois caso o dançarino seja um adorador, todo o público é simplesmente telespectador de adoração! A música (com conteúdo), mesmo que não saibamos cantar, serve para nos edificar, assim como a pregação. Mas, o que o outro dançando me edifica?

Será que estamos refletindo tudo isso? Está escrito: Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com a mente; cantarei com o espírito, mas também cantarei com a mente. (1Coríntios 14:15)

Eu oro a Deus clamando por uma juventude que busca inspiração nas Escrituras para desenvolver sua arte e, assim, contrapor esse movimento que faz músicas legais e depois buscam na Bíblia justificativas para suas letras que às vezes “ninguém explica”.

Eu peço a Deus que aumente meu temor à Ele mesmo. Pois só assim vou preparar sermões que trazem Cristo como centro e não os meus achismos.

E peço perdão por todas as vezes em que empobreci o discurso para satisfazer ao homem.

Soli Amori Crhisti

Relativismo Gospel (o fim justifica os meios?)

Em síntese: O relativismo é uma corrente que nega toda verdade absoluta e perene assim como toda ética absoluta, ficando a critério de cada indivíduo definir a sua verdade e o seu bem. Opõe-se ao fundamentalismo.

Recentemente publiquei um vídeo alertando e criticando certas linhas eclesiológicas e sujeitos pregadores que mesmo pregando de maneira errada, ou até utilizando meios ilícitos, têm como resultado de seu trabalho vidas transformadas. Cheguei a usar o exemplo de políticos que “roubam mas fazem”. Será que o fim justifica os meios?

Olhando para a Palavra, eu creio que a resposta é não!

É certo que Deus usou vidas de sujeitos pagãos para cumprir propósitos divinos, mas isso não tornam esses sujeitos “abençoados”. Por exemplo, numa história muito conhecida da Bíblia, o faraó foi usado por Deus, veja:

Êxodo 7:3-5

Eu, porém, endurecerei o coração de Faraó e multiplicarei na terra do Egito os meus sinais e as minhas maravilhas. Mas Faraó não vos ouvirá; e eu porei minha mão sobre o Egito, e tirarei os meus exércitos, o meu povo, os filhos de Israel, da terra do Egito, com grandes juízos. E os egípcios saberão que eu sou o Senhor, quando estender a minha mão sobre o Egito, e tirar os filhos de Israel do meio deles.

Faraó foi usado por Deus? Se sua resposta, como a minha é sim, então esse faraó seria um exemplo a ser seguido? É CLARO QUE NÃO!

Na Bíblia ainda tem relatos de reis, soldados e até nações inteiras que mesmo “não adoradores de Deus”, foram usados por Deus para cumprir sua vontade. Tudo isso não significa que o fim justifica os meios, mas sim que Deus é soberano e usa quem quer na hora que quer para satisfazer sua vontade plena.

Retornando aos nossos dias… se um pregador, uma igreja ou até uma religião prega heresias e usa artifícios não-bíblicos para, no fim, converter vidas a Cristo Jesus, faz-se destes bênçãos de Deus por conta dos resultados? Creio que não! Se há resultados de vidas consagradas ao Senhor é pela graça e misericórdia de Deus que se quiser usa até um ateu para cumprir seu propósito.

Contudo, seguindo a teologia paulina e outros autores de epístolas, chego à conclusão de que, mesmo mostrando resultados positivos (em meio aos negativos), pregadores, igrejas e religiões que usam meios incoerentes à luz das Escrituras DEVEM ser esclarecidas ao povo de Deus, de maneira que nós líderes carregamos a responsabilidade de denunciar seus erros!

Não se sinta incomodado a concordar ou discordar de mim, apenas leia alguns dos diversos exemplos nas Escrituras e tire sua própria conclusão!

Digo isto, para que ninguém vos engane com palavras persuasivas. [Colossenses 2:4]

Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; [Colossenses 2:8]

Ninguém de modo algum vos engane; porque isto não sucederá sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem do pecado, o filho da perdição, aquele que se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, de sorte que se assenta no santuário de Deus, apresentando-se como Deus. [2 Tessalonicenses 2:3,4]

Mas houve também entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá falsos mestres, os quais introduzirão encobertamente heresias destruidoras, negando até o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. E muitos seguirão as suas dissoluções, e por causa deles será blasfemado o caminho da verdade; também, movidos pela ganância, e com palavras fingidas, eles farão de vós negócio; a condenação dos quais já de largo tempo não tarda e a sua destruição não dormita. [2 Pedro 2:1-3]

[…] e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; como faz também em todas as suas epístolas, nelas falando acerca destas coisas, mas quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, como o fazem também com as outras Escrituras, para sua própria perdição. [2 Pedro 3:15,16]

Todo aquele que vai além do ensino de Cristo e não permanece nele, não tem a Deus; quem permanece neste ensino, esse tem tanto ao Pai como ao Filho. Se alguém vem ter convosco, e não traz este ensino, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis. [2 João 1:9,10]

Mas os homens maus e impostores irão de mal a pior, enganando e sendo enganados. Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, e que desde a infância sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela que há em Cristo Jesus. Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; [2 Timóteo 3:13-16]

{Biblifique-se}

Soli Amori Christi

Guerra Gospel

O cinema, que têm lucrado bastante com filmes de heróis, percebeu que o grande público curte a ideia de ver pancadaria entre os heróis. E não importa os motivos da briga, pois nesses filmes o fim justifica o meio, mesmo que não faça sentido!

O que se espera é que heróis sejam sempre bem intencionados. No filme da Marvel – Gerra Civil, existe uma razão que divide os heróis e os leva ao confronto. Isso tudo me levou a pensar sobre a guerra gospel que vivemos Brasil. Foi nos dado por Jesus poder para propagar a salvação e uma expressa ordem de ser irmãos, o que temos feito então? Igrejas, denominações, ministérios, bandas, pastores e ovelhas. Será que faz sentido lutar entre irmãos?

Por um lado essa “guerra” entre irmãos enfraquece a Missio Dei, pois a proposta de Deus para a humanidade é abrangente, e uma vez que gastamos tempo e energia lutando uns contra os outros, perdemos a oportunidade de fazer uma real diferença no mundo.

Só que é importante pensar que até mesmo a Palavra de Deus ensina que devemos combater certos movimentos religiosos que tentam confundir os cristãos. As falsas doutrinas e falsos mestres existiam nos tempos dos primeiros cristãos e estão espalhados por todo o mundo alcançando os nossos dias. Combatê-los (não somente ensino, mas também ensinadores) é sim uma tarefa nossa!

Veja a orientação de Paulo à igreja sobre falsos mestres e falso ensino em 2 Timóteo 2:14-18

Recomenda estas coisas. Dá testemunho solene a todos perante Deus, para que evitem contendas de palavras que para nada aproveitam, exceto para a subversão dos ouvintes. Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. Evita, igualmente, os falatórios inúteis e profanos, pois os que deles usam passarão a impiedade ainda maior. Além disso, a linguagem deles corrói como câncer; entre os quais se incluem Himeneu e Fileto. Estes se desviaram da verdade, asseverando que a ressurreição já se realizou, e estão pervertendo a fé a alguns.

Aqui a orientação de Paulo à Timóteo, um jovem pastor, é que ele esteja preparado, aprovado e capacitado pela Palavra de Deus para ensinar a Verdade afim de que seus ouvintes evitem debates inúteis.

Paulo chega a utilizar uma linguagem muito forte quando diz que “a linguagem deles corrói como câncer”. E se não bastasse denunciar a inutilidade desses debates, ele ainda cita os NOMES daqueles que se desviaram e que acabaram influenciando outros.

Assim é que deve ser nosso posicionamento diante daqueles que deturpam a mensagem enganando fiéis! Ao mesmo tempo devemos nos unir aos “domésticos na fé” e juntar nossas forças, pois o nosso propósito é um só – que mais vidas sejam alcançadas pela graça salvadora de Cristo Jesus!!!

Soli Amori Christi

Quem é quem?

“Quem é ‘de Deus’ levanta a mão!”

Esta é uma daquelas frases de impacto que proferidas em tom de grito de guerra em shows evangélicos, ou como costumo chamar ironicamente de “gospeis”. Shows desta natureza são hoje uma bela forma de arrecadar dinheiro de um público duplamente fiel aos seus ídolos. Se são idolatrados e as pessoas gospeis vão tão somente para vê-los, então onde fica Deus em tudo isto?

Também não fico surpreso quando muitos evangélicos nem lembram na segunda-feira aquilo que foi pregado no fim de semana em sua igreja. Igrejas que não querem carregar o título de “tradicionais” alimentam seus cultos de uma série de apresentações e ministrações que causam um belo entretenimento aos ouvintes, até emocionam e envolvem as pessoas, mas pouco edifica no ensino bíblico.

“Porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?” (I Timóteo 3.5)

O que se vê por aí são reuniões desordenadas e sem a menor reverência. Adultos agindo como crianças, crianças que se divertem imitando os adultos. Meu Deus, o que é isso? Gente que não tem costume de ordem em casa e leva isso para a igreja. Líderes pregadores que dizem não precisar preparar mensagens porque o Espírito Santo de Deus vai falar, USANDO DEUS COMO DESCULPA PARA O COMODISMO. A presença do Espírito se torna um motivo para um verdadeiro picadeiro de manifestações diversas.

Vejamos o que diz a Palavra de Deus em 1 Timóteo 1.3-7:

3 Como te roguei, quando partia para a Macedônia, que ficasse em Éfeso, para advertires a alguns que não ensinassem doutrina diversa, 4 nem se preocupassem com fábulas ou genealogias intermináveis, pois que produzem antes discussões que edificação para com Deus, que se funda na fé… 5 Mas o fim desta admoestação é o amor que procede de um coração puro, de uma boa consciência, e de uma fé não fingida; 6 das quais coisas alguns se desviaram, e se entregaram a discursos vãos, 7 querendo ser doutores da lei, embora não entendam nem o que dizem nem o que com tanta confiança afirmam.

Nesta epístola, Paulo saúda seu filho na fé e exorta a refutar os mitos e genealogias irrelevantes espalhadas por aqueles que querem ser mestres da lei. Com um “passado negro”, Paulo é um belo exemplo da misericórdia divina e eleva louvores a Deus por tê-lo chamado para pregar a Cristo. Em seguida Timóteo é orientado a permanecer fiel ao que foi chamado, e é advertido contra homens como Himeneu e Alexandre que perderam sua fé.

O servo de Deus deve estar preparado para advertir os falsos mestres e ensinar o verdadeiro significado do amor.

Uma advertência (vs. 3 e 4)

Conforme podemos ver em Filipenses 2.19: “Espero, porém, no Senhor Jesus, mandar-vos Timóteo, o mais breve possível, a fim de que eu me sinta animado também, tendo conhecimento da vossa situação.” Estando próxima a libertação de Paulo em Roma, ele envia Timóteo a Filipos a fim de ter conhecimento do caminhar da igreja lá, é evidentemente planejou encontrar com Timóteo em Éfeso depois do seu regresso de Colossos e delega a tarefa de dar o devido trato aos falsos mestres a Timóteo e escreve para que ninguém questione sua autoridade.

É interessante que Paulo conhecia bem aqueles falsos mestres, ele não envia essa advertência baseada em “achismos” mas em fatos, pois conhecia, inclusive o assunto de suas mensagens heréticas: “… Fábulas e genealogias intermináveis…” Aqui o ensino judaico baseado em mitos desviava o foco da graça redentora de Cristo Jesus.

Ainda no versículo 4 Paulo diz que está linha de ensinos mais criam especulações inúteis do que crescimento na fé… Será que isso ainda existe hoje? Sim e muito!!!

O ensino do amor (vs. 5)

Após atacar os falsos ensinos, Paulo traz uma resposta para a abordagem que deveria ser feita por Timóteo. O alvo deste ensino deve ser o amor que só pode fluir de uma real experiência com Deus! O teólogo Geoffrey Wilson traz uma bela definição desses três aspectos do versículo 5:

1. Um coração puro: nas Escrituras “o coração” corresponde a totalidade do ser humano em seu íntimo (Pv 4.23), é assim um coração puro indica a radical renovação interior que habilita o homem a amar e servir a Deus com sincera devoção (Mt 5.8).
2. Uma boa consciência: a palavra consciência significa literalmente “um conhecer com”, e é o termo frequentemente empregado por Paulo para designar a faculdade inata de julgamento pessoal próprio pelo qual ele prova os seus pensamentos e as suas ações (Rm 2.15).
3. Fé não fingida: apontando os falsos mestres, Paulo fala de uma fé não hipócrita que não precisa de máscara para esconder a inverdade (2Tm 1.5).

Consequências do falso ensino (vs. 5,6)

O falso ensino protagonizado pelos falsos profetas geram desviados que vivem reconversão tolas. Ou seja. Pensamentos inúteis, vãos e sem sentido quando ministrados a pessoas sem critérios produz tão só é simplesmente discussões inúteis, vãs e sem sentido que consequentemente afastam essas pessoas da fé.

Alguém já disse que… “Se o coração do pregador não estiver posto nas grandes realidades do Evangelho, se estiver em desacordo com o profundo tom espiritual delas, ele não terá prazer em falar sobre elas, e só se alegrará muito em voltar-se para tópicos inferiores”

No versículo 7 temos essa fala que creio trazer uma certa ironia de Paulo. “Querem ser doutores mas nem sequer sabem o que dizem” (interpretação livre). É comum a falsos mestres a auto-proclamação de que eles são sábios e doutores do conhecimento e isso se reflete a todos aqueles que se desviam do Evangelho, pois anunciam seus erros com a obstinada segurança nascida da ignorância.

Contudo, o início da carta de Paulo a Timóteo léva-nos a entender tamanha importância de conhecer bem e dominar as Sagradas escrituras com o cuidado de defender a Verdade de Deus e também não nos envolver na ignorância da exaltação de si e discussões sem sentido.

Soli Deo Gloria

Discursos entusiastas

Dentro do movimento gospel, assim como em tantos outros movimentos sociais, temos figuras humanas que se assemelham a animadores de torcida.

Seja mesmo em uma torcida de futebol, ou num comício político (ou apolítico), ou pela luta dos direitos de alguma minoria ou mesmo entre fanáticos por alguma causa. Lá encontramos entusiastas, pessoas que contaminam aqueles à sua volta com seus discursos que, em muitos casos, atingem sucesso na condução da massa popular.

Só que a minha preocupação aqui não se dá pela existência desses influentes homens e mulheres, não mesmo! Pois muitos militam por causas extremamente necessárias e alguns até conseguem promover mudança social.

Minha preocupação está relacionada aos entusiastas religiosos. Recentemente li em rede social alguém que criticava certo líder por ser responsável (ou irresponsável) em formar pessoas que acabaram tornando-se “fanáticas ao anti-fanatismo”. Incrível não?

Creio que a maioria dos entusiastas religiosos geram nada mais que outros entusiastas religiosos que irrefletidamente aceitam, curtem e compartilham aquilo que alguém falou. Neste caso se o líder fala uma heresia seus seguidores espalham a heresia e caso esta heresia adquira um grande público, logo torna-se uma “verdade mentirosa”.

Um claro exemplo é a tal teologia da prosperidade que impressionantemente, ou não, continua como modinha em muitos redutos evangélicos e nem sempre trata-se de dinheiro. Hoje, por exemplo faz-se até sacrifícios para quem sabe obter um cônjuge “prometido”! Isso não parece uma barganha?

Aceite ou não, a maior referência de liderança no cristianismo – Jesus Cristo – o próprio Deus encarnado não me parece um entusiasta interessado em ‘likes’ em sua rede social, mas sim um doador de si mesmo interessado em levar todos a sua volta a uma reflexão daquilo que realmente importa nesta vida… O ministério da reconciliação com Deus e que é preciso morrer para viver!

Em João 12.24-25, está escrito:
Em verdade, em verdade vos digo:se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto. Quem ama a sua vida perde-a; mas aquele que odeia a sua vida neste mundo preservá-la-á para a vida eterna.

Este parece um discurso entusiasmado? Jesus continua…

Se alguém me serve, siga-me, e, onde eu estou, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, o Pai o honrará. [João 12.26]

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Marketing Gospel

Ontem um amigo pastor mostrou-me sua bíblia com a seguinte descrição em letras douradas na capa: Bíblia Sagrada – Edição Sobrenatural de Deus. Eu olhei pra ele e disse ter ficado triste pelo fato da minha bíblia não ser sobrenatural!? Aí ele abre e mostra que trata-se apenas de uma tradução NVI com letras grandes e nada mais.

Lembro da última vez em que fui a uma loja de artigo evangélicos e vi uma infinidade de modelos de bíblia – do pregador, do obreiro, do missionário, da mulher que ora, pentecostal, devocional, do homem, do jovem, do adolescente, da criança, do bebê, etc. Com capas de couro, de plástico, de papel-cartão, com efeitos holográficos, com cores fluorescentes e até à prova d’água!

Reconheço o esforço que fazem para tornar o livro Sagrado um livro acessível para todos. Mas será mesmo que o motivo das empresas é que as pessoas LEIAM a Bíblia, ou tudo não passa de um mercado baseado na fé? Se até para entrar em um suposto templo de Salomão já se cobrou uma taxa administrativa, nada mais me surpreende.

As indulgências dos evangélicos estão por aí. Sejam nos cachês de valores exorbitantes dos grupos “gospeis” às campanhas em que muitos ofertantes deixam todo o salário do mês numa fogueira cenográfica.

Será mesmo este o destino dos evangélicos? Ser fadados a um mercado?

Música gospel, filme gospel, boate gospel, balada gospel, canal de TV ou rádio gospel, loja gospel, roupas gospel… e a lista não para por aqui.

Em meio a todo esse marketing, sinto falta de algo…

“Pessoas Gospel”.

Soli Deo Gloria

Mentir em nome de Deus?

Quantos filmes ou documentários que contam historia que atestam mentiras do mundo religioso você já assistiu? Quantas revistas de ciências e curiosidades que denunciam inverdades promovidas por religiões você já leu? Quantos sites, blogs, vlogs e notícias em redes sociais você tem visto que delatam práticas e ensinos que contradizem o que os religiosos pregam?

Você já viu uma igreja assumir um grande erro e pedir perdão por tantos anos de ensinos heréticos, independente do resultado que esta notícia cause em seus fiéis? Pois é, isto é algo incomum de se ver, pois se uma instituição reconhece que errou, acaba perdendo seu valor e consequentemente perde os seguidores, porém muitos estão enganados ou se enganado mundo afora.

Com o intuito de revelar algumas mentiras, que o Marcos Botelho está para lançar um e-book colaborativo com as 95 mentiras do mundo gospel. Um veículo de informações que poderá esclarecer muitos críticos e causar revolta em outros tantos. Desta feita, enviei uma de minhas contribuições, que segue:

Uma das maiores mentiras do mundo gospel é nos considerar responsáveis em convencer as pessoas a respeito da fé em Jesus Cristo, o que chamo de marketing gospel!

Isso é feito por muitos líderes com a intenção de tomar para si a responsabilidade ou o mérito em converter as pessoas. O que faz as pessoas os admirar e viver em uma “co-dependência espiritual”, o que eles chamam de cobertura espiritual.

Segundo a Bíblia a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus (Romanos 10.17), porém é a ação do Espírito Santo que leva ao convencimento de que somos carentes da graça redentora de Cristo!

Mas eu vos digo a verdade: convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei. Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: do pecado, porque não creem em mim; da justiça, porque vou para o Pai, e não me vereis mais; do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. [João 16.7-11]

Soli Deo Gloria