Vingadores: Guerra de Liderança

Esse filme Vingadores: guerra infinita realmente mexeu comigo. Seja em produção cinematográfica, seja numa história corajosa, a Marvel está acertando muito em seus filmes.

Já escrevi um texto falando sobre a ideia de sacrifício tão presente neste filme, porém algo me chamou atenção na dinâmica de relacionamentos dos heróis. Juntar tantos heróis de diferentes culturas foi um grande desafio, porém toda boa equipe precisa de um líder, imagina então, juntar uma equipe onde há vários líderes. Agora imagina que alguns desses líderes não são verdadeiramente líderes, principalmente numa perspectiva bíblica.

Você já ouviu a expressão: é muito cacique para pouco índio?

Foi exatamente isso que aconteceu no filme. Que além dos caciques ainda tinham alguns índios que decidiram agir por conta própria, o que nos traz lições de como NÃO devemos agir! Foram pelo 7 personagens que tiveram atitudes que denominarei de síndrome de cacique. São eles: Homem de ferro, Dr. Estranho, Thor, Sr. Das Estrelas, Rocket, Gamorra e Homem-aranha.

Agora vejamos o que a bíblia diz sobre o verdadeiro sentido de liderança…

E chegaram a Cafarnaum. Em casa, perguntou-lhes: O que discutíeis no caminho? Mas eles se calaram, pois haviam discutido pelo caminho qual deles era o maior. Então, sentando-se, chamou os Doze e lhes disse: Se alguém quiser ser o primeiro, será o último e o servo de todos.

Este texto em Marcos 9.33-35, narra que alguns discípulos de Jesus estavam desenvolvendo essa síndrome de cacique. Interessante é que esses homens já estavam convivendo com Jesus e desfrutando do maior exemplo de liderança que pisou nesta terra.

Tanto no filme quanto na Bíblia, as atitudes que nos faz deixar uma natureza de servo para ser um chefe, vêm recheada de arrogância, egoísmo e prepotência. Tudo isso é contrário à proposta exemplar de Jesus Cristo, Ele disse que aqueles que querem ser seus seguidores devem negar a si mesmo, tomar a cruz, para assim, segui-lo.

O verdadeiro líder servo, tal como Jesus, é aquele que considera-se último, ou seja, é o “não-privilégios”, é pensar nos outros antes de mim, é correr para ficar no último lugar da fila.

Nesses três anos como pastor em tempo integral, tenho aprendido muito, principalmente com a equipe de liderança ministerial que Deus nos têm presenteado. Nela temos desenvolvido a máxima: transforme suas preocupações em cuidado. Onde cada jovem, ao identificar uma área carente ou débil, ele se torna a pessoa mais indicada para orar, se levantar e cuidar daquela área. Assim, temos desenvolvido um modelo estrutural de equipe resolutiva com mais disposição a ajudar.

O contrário do líder servo são pessoas que apenas reclamam e dão ideias para que os outros resolvam. Pessoas assim vivem frustradas, por não verem suas solicitações atendidas e procuram sempre estar numa posição confortável distante de problemas e sempre culpam os outros quando as coisas não dão certo.

Fico sempre pensando o quanto ser um líder servo é desafiador, pois somos “treinados” a ser mais, a mandar em alguém. Fico imaginando como aqueles discípulos vacilaram ao discutir sobre a forma errada de ser o maior, quando tinham diante deles o maior líder do universo. Mas também me preocupo quando tenho o exemplo em mãos e ainda vacilo quando tenho atitudes não servis.

Minha oração é por pessoas sempre dispostas a serem os últimos e gente que é resposta de Deus para resolver os problemas à sua volta.

Soli Amori Crhristi

Movimento desagradável

“… A rejeição será parte de nossa vida como cristãos. Nem todo mundo vai gostar de nós ou de nossa mensagem. Essa declaração é um tapa na cara da maioria dos modelos pragmáticos de igreja que estão por aí desde a década de 1980, segundo os quais ser querido (e, portanto, ser frequentado) é o valor mais elevado.”

Extraído de: Por Que Amamos a Igreja (Kevin DeYoung e Ted Kluck)

Você consegue imaginar a igreja evangélica como um movimento desagradável?

Pois esta era a posição de muitos cristãos da igreja primitiva! Vejamos o texto bíblico em Atos 6:

1 Ora, naqueles dias, multiplicando-se o número dos discípulos, houve murmuração dos helenistas contra os hebreus, porque as viúvas deles estavam sendo esquecidas na distribuição diária.2 Então, os doze convocaram a comunidade dos discípulos e disseram: Não é razoável que nós abandonemos a palavra de Deus para servir às mesas.3 Mas, irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria, aos quais encarregaremos deste serviço;4 e, quanto a nós, nos consagraremos à oração e ao ministério da palavra.5 O parecer agradou a toda a comunidade; e elegeram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, Filipe, Prócoro, Nicanor, Timão, Pármenas e Nicolau, prosélito de Antioquia.6 Apresentaram-nos perante os apóstolos, e estes, orando, lhes impuseram as mãos.7 Crescia a palavra de Deus, e, em Jerusalém, se multiplicava o número dos discípulos; também muitíssimos sacerdotes obedeciam à fé.

8 Estêvão, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo.9 Levantaram-se, porém, alguns dos que eram da sinagoga chamada dos Libertos, dos cireneus, dos alexandrinos e dos da Cilícia e Ásia, e discutiam com Estêvão;10 e não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito, pelo qual ele falava.11 Então, subornaram homens que dissessem: Temos ouvido este homem proferir blasfêmias contra Moisés e contra Deus.12 Sublevaram o povo, os anciãos e os escribas e, investindo, o arrebataram, levando-o ao Sinédrio.13 Apresentaram testemunhas falsas, que depuseram: Este homem não cessa de falar contra o lugar santo e contra a lei;14 porque o temos ouvido dizer que esse Jesus, o Nazareno, destruirá este lugar e mudará os costumes que Moisés nos deu.15 Todos os que estavam assentados no Sinédrio, fitando os olhos em Estêvão, viram o seu rosto como se fosse rosto de anjo.

O desagrado do povo leva à necessidade de novos líderes e aquele que é usado por Deus causa incômodo social.

  1. Desagrado na igreja (1-7)

Como vimos anteriormente em Atos, Deus deu crescimento para os primeiros cristãos, ainda que o foco dos discípulos era a pregação da Palavra e não o número de convertidos. Só que junto ao crescimento, surge uma necessidade justificável de organização entre os líderes na igreja.

O versiculo 1 fala de dois grupos étnicos: Helenistas e hebreus. O primeiro reclamava que as viúvas não eram atendidas conforme o segundo grupo. Vale salientar que os Helenistas eram judeus de língua grega e o segundo eram judeus que falavam aramaico. Por conta disso é possível que o problema aqui não seja um descaso com as viúvas, e sim falta de comunicação.

Os versículos 2 a 4 é o discurso dos apóstolos acerca de suas responsabilidades e que era preciso eleger mais líderes com diferentes funções para atender a demanda da igreja.  Vale frisar o “curriculum” desses homens: “de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria.” (Cf. Vs. 3)

O versículo 4 eles determinam suas funções que é basicamente orar e pregar!!!

Apesar do desagrado anterior, conforme o versículo 5 a comunidade se agradou dessa decisão e escolhendo os 7 homens o qual foram consagrados  a consequências disso está no versículo 7, que diz: “Crescia a palavra de Deus, e, em Jerusalém, se multiplicava o número dos discípulos; também muitíssimos sacerdotes obedeciam à fé.”

Aqui vimos que uma igreja desorganizada gera murmuração e o caminho para resolver esse problema é envolver-me na organização da igreja, ou seja, servir! Não é incomum ver que os murmuradores de igreja são, na maioria das vezes, telespectadores da igreja e pouco se envolvem na organização.

  1. Desagrado social (8-15)

Aqui a narrativa muda de foco. Pois entre os escolhidos para assumir novas responsabilidades na igreja, um homem cheio de graça e poder, realizava grandes feitos entre o povo. Este homem era Estevão, e assim como Cristo Jesus, Estevão incomodou os religiosos de plantão!

Conforme o versículo 9 e 10, temos aqui pelo menos judeus de 4 sinagogas e culturas diferentes e TODOS ELES estavam incomodados com Estevão. Detalhe é que esses religiosos “perdiam” na argumentação de Estevão pois sua fala tinha sabedoria e o Espírito.

O texto segue narrando que esses líderes judeus (na minha opinião – eles não tinham argumentos) financiaram um plano para levantar caluniadores e, somente assim, acusar Estevão ao ponto de levá-lo a julgamento diante do sinédrio. O foco da acusação era o conteúdo da pregação, pois ele pregava a respeito das Boas Novas, ou seja, o Reino de Deus revelado em Jesus Cristo.

O melhor desta narrativa é “a cara” de Estevão diante do desagrado social gerado por estes religiosos. Há quem diga que esta foi uma maneira de descrever que Estevão se encontrava: puro, calmo, de postura serena e que irradiava a presença de Deus!

Neste segundo bloco, um homem cheio do Espírito Santo, escolhido pela igreja primitiva é perseguido por falar com autoridade a respeito de Jesus. Infelizmente nas cenas do próximo capítulo, a história desse missionário termina (alerta spoiler) com um final trágico e a entrada de Saulo ainda jovem nas narrativas de Atos.

Seja igreja ainda que não agrade a todos!!!

Soli Amori Christi

Igreja dos homens ou igreja de Deus?

Atos 5:12-32

12 Muitos sinais e prodígios eram feitos entre o povo pelas mãos dos apóstolos. E costumavam todos reunir-se, de comum acordo, no Pórtico de Salomão.13 Mas, dos restantes, ninguém ousava ajuntar-se a eles; porém o povo lhes tributava grande admiração.14 E crescia mais e mais a multidão de crentes, tanto homens como mulheres, agregados ao Senhor,15 a ponto de levarem os enfermos até pelas ruas e os colocarem sobre leitos e macas, para que, ao passar Pedro, ao menos a sua sombra se projetasse nalguns deles.16 Afluía também muita gente das cidades vizinhas a Jerusalém, levando doentes e atormentados de espíritos imundos, e todos eram curados.17 Levantando-se, porém, o sumo sacerdote e todos os que estavam com ele, isto é, a seita dos saduceus, tomaram-se de inveja,18 prenderam os apóstolos e os recolheram à prisão pública.19 Mas, de noite, um anjo do Senhor abriu as portas do cárcere e, conduzindo-os para fora, lhes disse:20 Ide e, apresentando-vos no templo, dizei ao povo todas as palavras desta Vida.21 Tendo ouvido isto, logo ao romper do dia, entraram no templo e ensinavam. Chegando, porém, o sumo sacerdote e os que com ele estavam, convocaram o Sinédrio e todo o senado dos filhos de Israel e mandaram buscá-los no cárcere.22 Mas os guardas, indo, não os acharam no cárcere; e, tendo voltado, relataram,23 dizendo: Achamos o cárcere fechado com toda a segurança e as sentinelas nos seus postos junto às portas; mas, abrindo-as, a ninguém encontramos dentro.24 Quando o capitão do templo e os principais sacerdotes ouviram estas informações, ficaram perplexos a respeito deles e do que viria a ser isto.25 Nesse ínterim, alguém chegou e lhes comunicou: Eis que os homens que recolhestes no cárcere, estão no templo ensinando o povo.26 Nisto, indo o capitão e os guardas, os trouxeram sem violência, porque temiam ser apedrejados pelo povo.27 Trouxeram-nos, apresentando-os ao Sinédrio. E o sumo sacerdote interrogou-os,28 dizendo: Expressamente vos ordenamos que não ensinásseis nesse nome; contudo, enchestes Jerusalém de vossa doutrina; e quereis lançar sobre nós o sangue desse homem.29 Então, Pedro e os demais apóstolos afirmaram: Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens.30 O Deus de nossos pais ressuscitou a Jesus, a quem vós matastes, pendurando-o num madeiro.31 Deus, porém, com a sua destra, o exaltou a Príncipe e Salvador, a fim de conceder a Israel o arrependimento e a remissão de pecados.32 Ora, nós somos testemunhas destes fatos, e bem assim o Espírito Santo, que Deus outorgou aos que lhe obedecem.

A igreja primitiva continua alcançando vidas, sofre perseguição e não perde seu único propósito que é obedecer a Deus!

 Vejamos mais algumas lições dos primeiros cristãos:

  1. A igreja obediente agrega pessoas (12-16)

A primeira parte desse texto de nossa reflexão já fala de uma reunião harmônica entre aqueles que realizavam os sinais e os que testemunhavam. Veja no versículo 12 que diz: “todos se reuniam de comum acordo”. Os versículos 13 e 14 são bem interessantes, veja que no 13 o texto narra que havia um grupo que não se ajuntava aos cristãos, porém no versículo seguinte diz que o número de crentes era crescente.

Já os versículos 15 e 16 aponta essa manifestação de fé de um povo doente e carente de conhecimento. Refletindo o ministério de Jesus em que havia perseguição por parte dos religiosos e mesmo assim muitos o procuravam com interesse nas curas milagrosas. Era assim que esse povo procura os primeiros líderes cristãos, esperando que a sombra deles tivesse algum poder.

  1. A igreja obediente é “contracultural” (17-28)

 Esse bloco de 12 versículos narra essa incrível história da prisão dos apóstolos, seguida de libertação miraculosa. O anjo do senhor liberta os homens de Deus, só que essa liberdade tem um preço, no versículo 20 ele diz: “Ide e, apresentando-vos no templo, dizei ao povo todas as palavras desta Vida.” A liberdade deles custava a missão que lhes fora dada é o local era nada mais, nada menos que no templo (21).

Logo os guardas vão constatar o milagre que havia acontecido naquela noite e sente falta dos recém detidos. É aí que descobrem, através de uma antiga “rede social” – a fofoca (25), que os apóstolos estavam ensinando no templo. As autoridades religiosas e eles estão claramente desesperados pelo fato de que o Evangelho está se espalhando por Jerusalém e ao falar sobre Jesus, a culpa recaía sobre o império e sobre esses religiosos., Homens,

  1. A igreja obediente sabe a quem obedecer! (29-32)

Esse versículo 29 é aquele momento que a igreja deve aplaudir de pé (ou com os pés, caso as mãos estejam ocupadas no WhatsApp!). “Importa obedecer a Deus que aos homens”. É o texto vai discorrendo a resposta de Pedro e seus amigos que diante de um tipo de julgamento não estão preocupados em defender-se, mas sim testemunhar e pregar as boas novas, mesmo que isto custe uma acusação ao sinédrio. Veja que de maneira sucinta eles falam da:

  • Crucificação e ressureição (30),
  • O ministério da reconciliação (31),
  • E pneumatologia – doutrina do Espírito Santo (32).

Em suma recorro mais uma vez ao versículo 29 que transmite a proposta de que o importante ao cristão é obedecer a Deus e não aos homens, porém ao ver o discurso desses discípulos no sinédrio, algo me preocupa. Pois em nossos dias há até quem tenha esse discurso de obedecer ao nosso Santo é Eterno Deus, porém o fazem sem propriedade. Aqui os discípulos SABEM EXPRESSAMENTE a quem devem obedecer. Ou seja, eles conheciam a Jesus e sua Palavra.

Assim, nós também precisamos conhecer… Está escrito em 1 Coríntios 2:13-16:

13 Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais.14 Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.15 Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém.16 Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo.

Tenha a mente de Cristo!

Soli Amori Christi

 

De “fora para dentro”

Você já deve ter ouvido falar que a palavra que fora traduzida para igreja, no original em grego tem um significado com algo parecido como: “chamados para fora”. Será que este era o real sentido desta palavra para os discípulos de Jesus?

Veja o que Robert Cara, em um artigo bem interessante chamado “Cuidado com o Significado Oculto da Raiz de uma Palavra“, escreve sobre ekklesia:

No grego, mais do que no português, muitas palavras são uma combinação de duas outras palavras, mas geralmente o estudo etimológico do porquê e de quando essas palavras foram combinadas é completamente desconhecido pelo autor do Novo Testamento. A palavra grega ekklesia, que é geralmente traduzida por “igreja”, é uma combinação das palavras chamar e fora. Contudo, os dicionários gregos acadêmicos não dão a definição de “os chamados para fora” para a palavra ekklesia, porque ela não está sendo usada dessa maneira no Novo Testamento. Embora seja teologicamente verdadeiro que cristãos tenham sido chamados para fora do mundo pecaminoso para ser a igreja, essa verdade não é derivada da palavra ekklesia. Semelhantemente, no inglês moderno a palavra butterfly (borboleta) é claramente composta das palavras butter (manteiga) e fly (mosca), mas isso não nos ajuda a entender melhor o inseto.

A Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã traz a seguinte definição para igreja:

“No NT, “igreja”traduz a palavra grega ekklēsia. No grego secular, ekklēsia designava uma assembléia pública, e este significado ainda foi mantido no NT (At 19.32, 39, 41).

É interessante notar que algumas das pessoas que enfatizam o “chamados para fora” são também contra a reunião dos crentes em um prédio para cultuar a Deus. Contudo, como o uso do termo ekklēsia mostra, a igreja é uma assembléia (ou seja, uma reunião) e a igreja em Atos se reunia sim em locais fechados para cultuar a Deus, orar e ouvir a Palavra.

(pesquisa de Vinicius Pimentel, fundador do site: Voltemos ao Evangelho).

Vejamos o que está escrito em Atos 3:1-11

Pedro e João subiam ao templo para a oração da hora nona. 2 Era levado um homem, coxo de nascença, o qual punham diariamente à porta do templo chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam. 3 Vendo ele a Pedro e João, que iam entrar no templo, implorava que lhe dessem uma esmola. 4 Pedro, fitando-o, juntamente com João, disse: Olha para nós. 5 Ele os olhava atentamente, esperando receber alguma coisa. 6 Pedro, porém, lhe disse: Não possuo nem prata nem ouro, mas o que tenho, isso te dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, anda! 7 E, tomando-o pela mão direita, o levantou; imediatamente, os seus pés e tornozelos se firmaram; 8 de um salto se pôs em pé, passou a andar e entrou com eles no templo, saltando e louvando a Deus. 9 Viu-o todo o povo a andar e a louvar a Deus, 10 e reconheceram ser ele o mesmo que esmolava, assentado à Porta Formosa do templo; e se encheram de admiração e assombro por isso que lhe acontecera. 11 Apegando-se ele a Pedro e a João, todo o povo correu atônito para junto deles no pórtico chamado de Salomão.

Pedro e João são a igreja que age também trazendo os “de fora”

O que podemos aprender com esta cura milagrosa…

  1. A prática constante de oração leva os discípulos a oportunidades missionárias. (1-3)

Os judeus tinham uma prática diária de oração e que era dividida em pelo. Enos três vezes ao longo do dia: nove horas da manha, meio dia e três da tarde. A “hora nona” do versículo 1, são três da tarde. Os primeiros cristãos a exemplo dos discípulos mantiveram essa prática. Foi que em um desses momentos em que pedintes ficavam à porta do templo esperando que uma boa alma lhes desse algo, em que Pedro e João são colocados ali por Deus para levar cura.

  1. Autoridade em nome de Jesus. (4-6)

Os discípulos dizem no versículo 4: olhe para nós! Eles eram homens simples sem nenhum adereço de riqueza ou de sacerdócio farisaico. Homens simples que traziam consigo uma poderosa mensagem (vs.6): a fé! É pela fé na autoridade que há no nome de Jesus que aquele homem é curado dessa doença que o acompanhou toda a vida.

  1. Atitude de fé e gratidão. (7-8)

Mas os discípulos não permaneceram apenas com uma palavra de fé, eles tiveram uma atitude de fé. Ajudaram o homem a levantar-se revelando sua cura e consequentemente o homem, antes aleijado, agora entra no templo sem medo de ser feliz. Saltando e louvando ao Senhor!

  1. Testemunho. (9-11)

Os versículos 9 e 10 mostram o que este testemunho de vida faz na vida daqueles que estão no templo. Testemunhar é conhecer oocorrido eaquele povo frequentador do templo conhecia a história daquele homem. No versículo 11 narra que as pessoas sguiram este homem juntamente com os dois discípulos em direção ao pórtico de Salomão, que é o local em que Jesus ensinou a respeito do “bom pastor”: João 10. 23-25

23 Jesus passeava no templo, no Pórtico de Salomão. 24 Rodearam-no, pois, os judeus e o interpelaram: Até quando nos deixarás a mente em suspenso? Se tu és o Cristo, dize-o francamente. 25 Respondeu-lhes Jesus: Já vo-lo disse, e não credes. As obras que eu faço em nome de meu Pai testificam a meu respeito. 26 Mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas. 27 As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem.

Que nossa vida na igreja reproduza a vontade de Deus para nós. Que sejamos capazes de trazer irmãos para dentro dessa família chamada igreja!!!

Solo Amori Christi

Comunhão organizada

Somos igreja ou fazemos parte de uma igreja?

Estamos vivendo um momento de confusão no meio evangélico brasileiro. Por um lado há uma igreja institucionalizada voltando aos costumes judaizantes e até ressuscitando o apostolado, por outro lado temos pessoas decepcionadas com instituições vivendo um tipo de igreja fora da igreja. Chamamos igrejas de templo e templos de igrejas.

Muito do discurso daqueles que são avessos à igreja institucional, mas ainda são de Jesus, é dizer que a igreja contemporânea não reproduz o que chamamos de igreja primitiva. Então vamos ao início com os verdadeiros apóstolos para identificar onde erramos.

Atos 2:40-47

40 Com muitas outras palavras deu testemunho e exortava-os, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa. 41 Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas. 42 E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. 43 Em cada alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos. 44 Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum. 45 Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade. 46 Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, 47 louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos.

Pedro e os outros apóstolos obedientes a Deus começaram uma comunidade organizada de fiéis, e Deus os abençoava trazendo novos à salvação!

Este texto escrito por Lucas narra uma das primeiras organizações institucionais após a assenção de Jesus. Numa leitura rápida podemos perceber alguns elementos comuns àqueles dias:

  1. Batismo;
  2. Doutrina;
  3. Comunhão;
  4. Oração;
  5. Temor;
  6. Sinais;
  7. Templo;
  8. Casa;

Até aqui já temos assuntos suficientes para vários debates daquilo que somos e fazemos em nossas comunidades de fé chamadas igrejas. Mas por enquanto vamos focar no texto base.

  1. A pregação de Pedro e os sinais dos apóstolos (40-43)

O conteúdo da pregação de Pedro era simples e direta: Salvação e consciência do mundo que nos rodeia. Com um número expressivo de convertidos, naquele tempo já era necessário um modelo formal de igreja que, segundo o versículo 42 já tinham um modelo de funcionamento – doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. Os apóstolos realizavam sinais e nem prodígios (!), o texto narra que esses sinais eram feitos POR INTERMÉDIO DELES! E que havia temor nas pessoas que alí se encontravam.

  1. A atitude comunitária dos crentes (44-45)

A proposta inicial de comunidade ganha adeptos entre os cristãos. Vida comunitária com divisão de bens não era uma novidade no oriente, muitos povos tribais a milênios atrás já optavam em viver assim. Acontece que um dos diferenciais dessa igreja chamada de primitiva era o desapego aos bens materiais. O interessante é que muitos críticos da igreja instituição dizem que preferem viver nos moldes da igreja primitiva, mas não querem viver esse desapego material…

  1. A igreja no templo e nas casas (46-47)

Outra crítica dos desigrejados e desinstitucionalizados é que a igreja primitiva não se reunia em templos. O versículo 46 diz que Diariamente perseveravam unânimes no templo. E logo diz que TAMBÉM estavam de casa em casa buscando uma vida simples.

No versículo 47 diz que eram pessoas que tinham uma prática de louvar a Deus e eram simpáticos às pessoas (!?).

Por fim, era Deus quem acrescentava as pessoas, ou seja, ISSO NÃO É TAREFA HUMANA! Então não devemos nos preocupar em criar novos modelos de atrações às pessoas. Devemos sim cumprir com nosso papel como igreja, acreditando nela e vivendo de forma que louvamos a Deus, assim as pessoas serão acrescentadas por Deus!

Não importa se você diz que é templo e vai à igreja ou se é igreja e vai ao templo… Importa ser cristão e cumprir com nosso papel comunitário de doutrina, oração, comunhão, repartir o pão e proclamar a salvação. Se Deus escolheu a igreja para que tudo isso fosse desenvolvido, porque muitos dizem que a igreja não é o melhor lugar? Estaria Deus errado?

Em Tiago 1.16-18, está escrito: Não vos enganeis, meus amados irmãos. Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança. Pois, segundo o seu querer, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como que primícias de suas criaturas.

Soli Amori Christi

Generosidade e prosperidade

A carta de Paulo aos Filipenses além de ser uma carta de gratidão, onde o missionário plantador de igreja orienta à igreja acerca de situações pontuais. É no final da carta que Paulo fala um pouco de suas condições e em tom de alegria e gratidão ele exalta a atitude generosa e importante dessa igreja.

{Filipenses 4:10-23}

Paulo mostra que uma igreja saudável é um povo generoso!

10 Alegrei-me, sobremaneira, no Senhor porque, agora, uma vez mais, renovastes a meu favor o vosso cuidado; o qual também já tínheis antes, mas vos faltava oportunidade. 11 Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. 12 Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; 13 tudo posso naquele que me fortalece.

  1. A força de Paulo está acima das circunstâncias

 O apóstolo dos gentios fala de sua alegria em ser agraciado financeiramente pela igreja reconhecendo que esse povo já não havia ajudado antes por falta de oportunidade (10). Os versículos 11 e 12 é uma expressão do que realmente é a prosperidade bíblica.

Significado de Prosperidade:

Característica ou condição daquilo que se torna ou se mantém próspero. Alta   fabricação de alimentos e produtos consumíveis; fartura; Excesso  (acumulado) de bens materiais; riqueza. Prosperidade é o contrário de: miséria e ruína.

Diferente daquilo que se diz por aí a respeito da prosperidade do crente, Paulo diz que aprendeu a viver contente em toda e qualquer situação, em paralelo ao significado real da palavra prosperidade, aquilo que Paulo viveu está mais ligado ao antônimo de prosperidade, porém o versículo 13 é a chave dessa aparente “contradição”: “Tudo posso naquele que me fortalece”!

Quando Deus é a nossa fortaleza, somos capazes de viver em qualquer situação!

2 Samuel 22:33 Deus é a minha fortaleza e a minha força e ele perfeitamente desembaraça o meu caminho.

Salmo 31:3-4 Porque tu és a minha rocha e a minha fortaleza; por causa do teu nome, tu me conduzirás e me guiarás. Tirar-me-ás do laço que, às ocultas, me armaram, pois tu és a minha fortaleza.

Jeremias 16:19a Ó SENHOR, força minha, e fortaleza minha, e refúgio meu no dia da angústia […]

14 Todavia, fizestes bem, associando-vos na minha tribulação. 15 E sabeis também vós, ó filipenses, que, no início do evangelho, quando parti da Macedônia, nenhuma igreja se associou comigo no tocante a dar e receber, senão unicamente vós outros; 16 porque até para Tessalônica mandastes não somente uma vez, mas duas, o bastante para as minhas necessidades. 17 Não que eu procure o donativo, mas o que realmente me interessa é o fruto que aumente o vosso crédito. 18 Recebi tudo e tenho abundância; estou suprido, desde que Epafrodito me passou às mãos o que me veio de vossa parte como aroma suave, como sacrifício aceitável e aprazível a Deus. 19 E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades. 20 Ora, a nosso Deus e Pai seja a glória pelos séculos dos séculos. Amém!

  1. A igreja se fortalece na generosidade

 Reconhecimento é algo que Paulo tem a nos ensinar. Infelizmente muitos de nós consideramos aquilo que a igreja faz como obrigação e por isso, muitas vezes, somos ingratos.

Inclusive, Paulo mostra que o envolvimento financeiro em seu ministério era algo desafiador e que, até então, nenhuma outra igreja o havia ajudado. Detalhe que Paulo foi o grande responsável pela implantação da maioria delas… Interessante é que neste contexto de reconhecimento e gratidão, o apóstolo dos gentios diz (vs. 14) que esta igreja se envolveu “no dar e receber”. Então o versículo 19 explica melhor o receber: “E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades.” Aqui ele diz que as necessidades da igreja serão supridas em Cristo, ou seja, envolve muito mais do que bens materiais!

21 Saudai cada um dos santos em Cristo Jesus. Os irmãos que se acham comigo vos saúdam. 22 Todos os santos vos saúdam, especialmente os da casa de César. 23 A graça do Senhor Jesus Cristo seja com o vosso espírito.

  1. Paulo faz de sua prisão uma missão

 Os versículos finais desta carta trazem uma importante constatação. É a percepção de que Paulo, mesmo preso, usa do seu tempo alí para evangelizar. Veja que ele pode ter alcançado outros presidiários e carcereiros e os chama de irmãos (“os irmãos que se acham comigo”), e até mesmo pessoas ligadas à família imperial (“os da casa de César”).

Este exemplo final de Paulo deve nos fazer refletir que não há desculpas para qualquer que seja o impedimento em pregar o Evangelho. E você, será que ainda tem desculpas? Na falta de criatividade, quero deixar algumas “desculpas bíblicas” de pessoas que usadas por Deus:

Abraão era velho, Jacó era inseguro, Lia era sem atrativos, José foi maltratado, Moisés tinha problema de dicção, Gideão era pobre, Sansão era co-dependente, Raabe era imoral, Davi foi mandante de uma assassinato e adulterou, Elias tinha tendências suicídas, Jeremias era depressivo, Jonas era relutante, Noemi era viúva, João Batista era excêntrico, Pedro era impulsivo e temperamental, Marta se preocupava demais, a mulher samaritana teve vários casamentos fracassados, Zaqueu era indesejado, Tomé tinha dúvidas, Paulo tinha saúde fraca e Timóteo era tímido.

Nós precisamos ser mais generosos e entender o verdadeiro sentido da prosperidade bíblica e, com todo nosso esforço, pregar o Evangelho a toda criatura!

Soli Amori Christi

Ser igreja é…

Filipenses 2:1-18

1 Se há, pois, alguma exortação em Cristo, alguma consolação de amor, alguma comunhão do Espírito, se há entranhados afetos e misericórdias, 2 completai a minha alegria, de modo que penseis a mesma coisa, tenhais o mesmo amor, sejais unidos de alma, tendo o mesmo sentimento. 3 Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo. 4 Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros. 5 Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, 6 pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; 7 antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, 8 a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. 9 Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, 10 para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, 11 e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai. 12 Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; 13 porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade. 14 Fazei tudo sem murmurações nem contendas, 15 para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo, 16 preservando a palavra da vida, para que, no Dia de Cristo, eu me glorie de que não corri em vão, nem me esforcei inutilmente. 17 Entretanto, mesmo que seja eu oferecido por libação sobre o sacrifício e serviço da vossa fé, alegro-me e, com todos vós, me congratulo. 18 Assim, vós também, pela mesma razão, alegrai-vos e congratulai-vos comigo.

Paulo exorta a igreja a uma vida de igualdade, apresenta Cristo como exemplo maior e a razão de seu ministério.

 Igualdade

Os versículos 1 a 4, Paulo fala da importância de um grupo de pessoas pensar harmonicamente. Aqui é preciso deixar claro, que não se trata de pessoas alienadas e sim focadas num mesmo propósito, ele diz:  Se há, pois, alguma exortação em Cristo, alguma consolação de amor, alguma comunhão do Espírito, se há entranhados afetos e misericórdias. São estas áreas que a igreja precisa viver em harmonia!

E para que o o objetivo seja igualitário, não se deve fazer por rivalidade, orgulho ou egoísmo (cf. 3,4). Infelizmente essas coisas tão lógicas que prejudicam qualquer convivência, que são as mais comuns nas igrejas. Triste fato!

Exemplo

A partir do versículo 5 que ele começa orientando para que as pessoas tenham o mesmo sentimento de Jesus, que é um sentimento de servidão, estar abaixo do Senhor, ainda que naturalmente divino, Cristo assumiu sua posição como homem. Assim podemos entender através de Lucas 22.42: […] dizendo: Pai, se queres afasta de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua. Lucas aqui está narrando as palavras de Jesus momentos antes a qual no Getsemani Ele suou sangue! Apesar da angústia e dor daquilo que estava para acontecer, Ele escolheu humilhar-se.

Este que se humilhou é aquele que tem o nome acima de todo nome e é o nosso Senhor. Se o Senhor agiu como servo, porque nós somos teimosos em querer agir como senhores?

Razão

Esse versículo 12 que diz: Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor. É vítima de muitas interpretações equivocadas. Quando Paulo fala aqui para que os crentes desenvolvam ou realizem (versão bíblica) sua salvação, ele não está passando a ideia de que a salvação é mérito meu ou seu e nem muito menos que é algo possível de se perder.

Essa palavra traduzida para o verbo desenvolver, também significa modelar, que neste texto traz o significado de que devemos nos modelar àquele que nos salvou. Ou seja, simplesmente viver nos moldes de Cristo Jesus!

É no versículo 13 que Paulo tira qualquer ideia de que a salvação é nosso mérito, quando diz que Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.

Nos versículos 14 a 18 Paulo explica como ser diferença nesta geração pervertida e corrupta. Será que nossa geração é também assim? Se sim, então devemos seguir os conselhos de Paulo ao orientar que devemos proceder:

  • sem queixas ou discórdias (14);
  • retendo a palavra da vida (16);
  • em alegria e alegrando aos outros (Paulo encarcerado).

Assim também nós devemos… Olhar e agir de igual para igual seguindo o exemplo de Cristo na certeza da razão e proceder de nossa fé!

Soli Amori Christi