Pagando Promessas

Você já ouviu a expressão: “pagar uma promessa”? No Brasil, dentre ao diverso universo religioso há uma prática religiosa muito comum e conhecida da população, porém incomum e desconhecida se olharmos com as lentes da Palavra de Deus! Existem várias cidades em que tal manifestação relacionada ao pagamento de promessas sustentam a economia local, o que torna a cidade um ponto turístico religioso, onde muitos visam apenas o lucro e exploram a fé das pessoas.

Próximo a minha casa existe uma igreja edificada em grande porte onde toda a construção, manutenção e acabamento são feito à base de pagadores de promessas. Gente que rezou pela intercessão de um santo, prometendo investir financeiramente na obra da igreja se o santo atender, e como a “benção” foi alcançada esta pessoa sente-se em dívida com o santo e paga esta promessa investindo na igreja.

Outras igrejas por aí também mantém curiosos costumes de pagar promessa num outro processo que parece ser invertido ao anteriormente citado. Líderes religiosos lançam as chamadas “campanhas” para que os fiéis cumpram determinado sacrifício para, assim, ter o benefício divino e seguir em frente com o sentimento de missão cumprida!

Será que alguma dessas duas formas de pagar promessa está certa e a outra errada?

Creio que as duas estão erradas. Na Palavra de Deus há sim relatos de promessas. Por todo o Antigo Testamento, começando em Gênesis, o Senhor fez promessa após promessa a Abraão, Isaque, Jacó e a seus descendentes de que a terra de Israel pertence ao povo judeu. A promessa é repetida cerca de vinte vezes no livro de Gênesis. O livro de Deuteronômio fala pelo menos vinte e cinco vezes que a terra é um PRESENTE do Senhor ao povo de Israel (Dt 1.20,25; 2.29; 3.20; 4.40; 5.16…).

  • Darei a vocês um coração novo e porei um espírito novo em vocês; tirarei de vocês o coração de pedra e, em troca, darei um coração de carne. [Ezequiel 36:26]
  • Tu, Senhor, guardarás em perfeita paz aquele cujo propósito está firme, porque em ti confia. [Isaías 26:3]
  • […] Pois o Filho de Deus, Jesus Cristo, pregado entre vocês por mim e também por Silvano e Timóteo, não foi “sim” e “não”, mas nele sempre houve “sim”; pois quantas forem as promessas feitas por Deus, tantas têm em Cristo o “sim”. Por isso, por meio dele, o “Amém” é pronunciado por nós para a glória de Deus. [2 Coríntios 1:19-20]
  • Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor, pois a antiga ordem já passou. [Apocalipse 21:4]

Em todos estes exemplos descritos na Palavra de Deus vejo promessas. O que não vejo é que estas promessas devam ser pagas de alguma forma ou que devamos fazer algo em troca delas, não! Estas e outras promessas são só e simplesmente prova do cuidado e do amor de Deus para com Sua imagem e semelhança… nós!

Não busque, mas viva e seja promessa de Deus para a glória dEle e testemunho para os “de fora”!

Soli Deo Gloria

As portas do inferno…

Em Mateus 16: 18, Jesus fala sobre a edificação da igreja com base na pedra fundamental que é Ele mesmo – Jesus Cristo. Vejamos o texto:

“Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.”

Logo em seguida o nosso Salvador fala que o inferno não deterá a ação desta igreja cujo o fundamento é Cristo. A igreja existe para proclamar salvação e onde os perdidos estão? É no inferno que vamos resgatar vidas! Nossas cidades estão cheias de infernos, lugares onde vidas já queimam pela ausência de Deus.

Recentemente fui a um culto dominical promover a Missão Cristolândia quando, às proximidades do término do culto um homem embriagado entra na igreja armado com uma tentativa de abordar os crentes alí sentados e o pastor, guiado por Deus, percebe aquela movimentação estranha e convida o senhor que aparentava ter 50 anos de idade à frente da igreja perguntando se gostaria de entregar sua vida a Cristo.

Munido de arma na cintura o homem foi adiante e abriu o coração, dizendo que já havia sido membro de igreja, inclusive cantava em grupo de louvor, porém precisava de dinheiro e acabou saindo com uma boa quantia. Que julgo eu se tratar de um modo de extorsão.

Diante esta experiência, reflito: As portas do inferno não prevalecerão contra a igreja, mas se a igreja não vai até o inferno eles sairão de lá e virão até a igreja. Foi isso que aconteceu. Ou seja, quando a igreja não parte para cumprir sua missão eles virão até nós, seja pedindo socorro ou mesmo para tirar algum proveito. Precisamos fazer mais. Podemos fazer muito mais!

Soli Deo Gloria

Igrejas Engessadas X Igrejas Enlatadas

[Participação de Victor Gran]

Tradicionalismo é a fé morta dos que ainda vivem. Tradição é a fé viva dos que já morreram. [Nikolai Berdiaev]

Muito se ouve falar, hoje em dia, de igrejas engessadas ou frias. Uns dizem, até que essas igrejas que não deixam o Espírito Santo agir. Igrejas consideradas tradicionais sofrem esse tipo de preconceito. Mas o que torna uma igreja tradicional? Seriam formas de cultos? Ministrações aos gritos? Ou músicas que mais se parecem com shows?

Não fico surpreso quando muitas pessoas evangélicas nem lembram na segunda-feira aquilo que foi pregado no fim de semana em sua igreja. Igrejas que não querem carregar o título de “tradicionais” alimentam seus cultos de uma série de apresentações e ministrações que causam um belo entretenimento aos ouvintes, até emocionam e envolvem as pessoas, mas pouco edifica no ensino bíblico.

“Porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?” (I Timóteo 3: 5)

O que se vê por aí são reuniões desordenadas e sem a menor reverência. Adultos agindo como crianças, crianças que se divertem imitando os adultos. Meu Deus, o que é isso? Gente que não tem costume de ordem em casa e leva isso para a igreja. Líderes pregadores que dizem não precisar preparar mensagens porque o Espírito Santo de Deus vai falar. USAM DEUS COMO DESCULPA PARA O COMODISMO. A presença do Espírito se torna um motivo para um verdadeiro picadeiro de manifestações diversas.

As igrejas consideradas engessadas são aquelas consideradas “paradas no tempo”, que não avançam para as novidades de nossos dias. De contrapartida vejo igrejas enlatadas, que costumam criticar outras igrejas, mas não percebem que vivem presos ao seu modo de agir e pensam que são as comunidades que estão com “a verdade”, enlatadas em sua arrogância se limitam a considerar que outras igrejas ainda não alcançaram maturidade espiritual. Na verdade, somos todos nós carentes da graça de Deus em Jesus Cristo. Deus tenha misericórdia de nós!!!

Soli Deo Gloria

A paz do Senhor

[mensagem para a IBMB feita a partir da minha reflexão chamada: Paz, mas que paz – já no blog]

Declarar a paz do Senhor ao iniciar alguma fala na igreja é uma saudação do povo evangélico. Mas onde está a paz? Se essa funcionaI apenas da boca para fora que valor pode ter? E como declarar a paz do Senhor para pessoas que estão vivendo uma verdadeira guerra, como no Complexo do Alemão, comunidade do Rio de Janeiro.
“Curam superficialmente a ferida do meu povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz.” (Jeremias 6.14)
    A paz só é alcançada por aqueles que compreendem que esta vida no mundo é apenas passageira e que problemas são comuns neste lugar. “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições…”  (João 16 : 33). Então penso: como viver em paz? Na verdade precisamos entender a dimensão desta paz. Não é uma simples paz momentânea, é paz em Jesus… o salmista deixou um recado a esse respeito:
“Muita paz têm os que amam a tua lei, e para eles não há tropeço.”
(Salmo 119.165)
    Amar os desígnios de Deus; Viver segundo o coração do Pai; Pessoas que vivem desta forma não encontram tropeços. É interessante aqui a palavra tropeço, pois ela comunica algo de extremo valor pedagógico – o fato de não haver tropeço não significa que os obstáculos deixarão de existir, mas mostra que saberemos vencê-los.
A paz em minha vida
Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize. (João 14.27)
    Ter a paz do Senhor em nossas vidas está sempre além de tudo o que podemos imaginar no que se refere a paz! Pois é a paz DELE! A Paz que Jesus nos deixou e com ela o nosso coração não se turba nem nos atemorizemos. Quando isso não está acontecendo em nossa vida não significa ausência dessa paz, mas falta de fé.

    Existe um texto, na Palavra de Deus, que nos dá a certeza de que carregamos essa paz: “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.” (Gálatas 5.22). Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito! Essa paz é fruto do Espírito Santo e por consequência ela está em nós!

A paz na vida das pessoas
    Também é de total responsabilidade nossa anunciar e levar essa paz as outras pessoas. Dizer que vive na paz do Senhor e viver em pé de guerra em nosso lar é um tanto contraditório. Infelizmente eu conheço gente que vive assim. Em I Tessalonicenses 5.12, 13 está escrito: “E rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós e que presidem sobre vós no Senhor, e vos admoestam; E que os tenhais em grande estima e amor, por causa da sua obra. Tende paz entre vós”. Paulo orienta aos  Tessalonicenses viver em paz uns com os outros por ser um reflexo do amor.
A paz para o mundo
Lucas 2.12-14
“E isto vos será por sinal: Achareis o menino envolto em panos, e deitado numa manjedoura. E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a Deus, e dizendo: Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens.”
    O menino do relato bíblico é o Menino Jesus. As palavras do anjo do Senhor aos simples pastores foi de uma esperança já até esquecida naqueles dias… de que o Messias estava acabara de nascer. Os anjos em multidão louvaram a Deus dando glória e declarando paz na Terra aos homens bons, pois o menino Jesus nasceu e hoje é vivo e reina em nós. O reinar de Deus em Jesus em nossas vidas e o poder do Santo Espírito que habita em nós traz paz…

    Receba a paz de Deus em sua vida! Viva esta paz. Não apenas declare a paz aos outros. Leve a paz! Os problemas da vida insistem em tirar nossa paz, mas nós temos todas as possibilidades de vencê-los, pois Jesus Cristo disse:

“ …mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”.
Soli Deo Gloria

Sociedade, Igreja e Sexualidade

Cristo vive em mim
“Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.”  (Gálatas 2 : 20)

    Nos três primeiros Sábados do mês de Novembro foi realizado na Igreja Batista Memorial Belém uma série de programações com o tema Sociedade,Igreja e Sexualidade. Antes mesmo, no mês de Outubro, todos os jovens receberam um material via e-mail chamado: 36 dias de pureza sexual, um devocional preparado pelo ministério sexxxchurch. Nos encontros tivemos palestras sobre: vícios, impulsos e distúrbios sexuais. Um debate sobre homofobia e a resposta da igreja para as questões de sexualidade. E, no encerramento com a palestra – Penso, logo espero – Os jovens da igreja foram desafiados a fazer um PACTO de compromisso com Deus em preservar a virgindade ou a purificação espiritual para ser compartilhada apenas com seu ou sua cônjuge.

    Tudo foi preparado por Deus e em cada encontro tivemos uma reação positiva ao que foi desenvolvido.  Agradeço a cada jovem que colaborou para a realização desta programação, a IBMB por confiar em mim e o apoio do Pr. Gilberto.

    Em 2011 teremos novos encontros temáticos e novas oportunidades de desenvolver uma reflexão da igreja em relação aos diversos problemas do cotidiano. Teremos, também, esta mesma série de programações – Sociedade, Igreja e Sexualidade – desenvolvida em outras igrejas e todos estão convidados. Aguarde, em 2011 teremos mais! Deus abençoe a todos…

Soli Deo Gloria