Obediência é um bom remédio

Leia o capítulo 28 de Gênesis…

O enganador Jacó assume o compromisso de obedecer seu pai e recebe a confirmação e Deus com respeito à sua missão.

  1. Fugir em obediência

Mais uma vez Rebeca, a mãe de Jacó e Esaú, arquiteta um plano de manipulação ao seu marido Isaque, só que desta vez não trata-se de apenas por predileção ao seu filho Jacó, mas por segurança mesmo. Depois de tudo que ele havia feito à seu irmão, Esaú pretendia tirar sua vida.

Então no capítulo anterior (27), Rebeca diz que seu filho precisava fugir e dá a localização para onde deveria ir. Ao passo que posteriormente convence seu marido a enviar seu filho para essas terras a fim de formar uma família.

Aqui também vemos Esaú ouvindo as dicas do pai e agindo em seguida, porém aqui está a diferença: NINGUÉM DEU ESSA ORDEM A ESAÚ! Dessa forma o que aparentemente seria uma maneira de agradar seu pai ao casar com alguém da linhagem de Abraão. Só que Esaú fez tudo errado ao juntar à sua casa uma esposa de uma família rejeitada por Deus, além das esposas pagãs que já havia causado sofrimento aos seus pais (Cf. Gn 26:34-35)

34 Tendo Esaú quarenta anos de idade, tomou por esposa a Judite, filha de Beeri, heteu, e a Basemate, filha de Elom, heteu. 35 Ambas se tornaram amargura de espírito para Isaque e para Rebeca.

  1. Manda quem pode…

A partir do versiculo 10 vamos acompanhando o diário de viagem de Jacó, onde em certo momento, ao anoitecer, ele precisa descansar e prepara uma “confortável” cama com direito a travesseiro de pedra.

É nesta noite que Jacó tem um sonho maravilhoso que revela  vontade de Deus para sua vida. Interessante é que num contexto de mentiras, manipulação e risco de morte, os planos de Deus são desenhados. Isso tudo é prova de amor e graça desse Deus soberano. Ainda há quem diga que não vê um Deus gracioso e amoroso no Antigo Testamento.

Na visão, Jacó vê essa escada com anjos descendo e subindo que simboliza o contato direto e permanente de Deus para com os “da terra”. Logo ele vê Deus que revela sua promessa a Jacó. O interessante é como Deus se apresenta como o Senhor da família (Abraão e Isaque).

Após acordar, Jacó reconhece a promessa e principalmente quem prometeu e sabe que Deus está com ele.

  1. … Obedece quem tem juízo

Agora confiante na promessa de Deus, Jacó faz é seu travesseiro uma coluna, marcando alí um local de adoração, pois foi neste lugar que Deus falou com ele. Mudou até o nome do local, que antes cidade chamada Luz foi renomeada por Betel, ou seja, Casa de Deus.

Solenemente Jacó afirma seu compromisso com Deus vai além do voto e do altar, pois atinge até as bênçãos materiais que o Senhor lhe concederá.

A vontade do Senhor é nos abençoar e para isso Ele é o único que pode transformar maldições e bênçãos na vida daqueles que o obedecem… (história da menina de Goiânia que ajuda crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual).

Deus é o Senhor da família!

Coloque todos os seus familiares em oração na presença de Deus e seja obediente a Sua soberana vontade, pois mesmo que nossa família esteja desajustada, o nosso Deus tem uma promessa específica para ela.

Sei que muitas vezes é difícil enxergar a promessa, mas é tudo um exercício de fé…

Hebreus 11:20-22

20 Pela fé, igualmente Isaque abençoou a Jacó e a Esaú, acerca de coisas que ainda estavam para vir. 21 Pela fé, Jacó, quando estava para morrer, abençoou cada um dos filhos de José e, apoiado sobre a extremidade do seu bordão, adorou. 22 Pela fé, José, próximo do seu fim, fez menção do êxodo dos filhos de Israel, bem como deu ordens quanto aos seus próprios ossos.

Curiosamente um conhecido menino tem como avô um Jacó e como Pai um José, seu nome é Jesus! (Cf. Mt 1:16)

Soli Amori Christi

Enquanto é tempo

Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos coração sábio.” (Salmo 90.12)

O que pensar do tempo?

O tempo é um vilão em muitas histórias. Mas o tempo também é um herói. Como vilão o tempo nos faz envelhecer, nos aproxima da morte, afasta pessoas… Como herói o tempo nos dá maturidade, aproxima os salvos da eternidade e estreita laços de amizade. O tempo, então é bom e ruim em nossa compreensão.

O lado “vilão” do tempo pode ser encontrado desde o início, veja o que está escrito em Gênesis 3.17: E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. O desgaste do tempo sobre nós é uma das consequências da desobediência a Deus.

Agora vejamos o que diz Pedro em 2 Pedro 3.1-9:

1 Amados, esta é, agora, a segunda epístola que vos escrevo; em ambas, procuro despertar com lembranças a vossa mente esclarecida, 2 para que vos recordeis das palavras que, anteriormente, foram ditas pelos santos profetas, bem como do mandamento do Senhor e Salvador, ensinado pelos vossos apóstolos, 3 tendo em conta, antes de tudo, que, nos últimos dias, virão escarnecedores com os seus escárnios, andando segundo as próprias paixões 4 e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque, desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. 5 Porque, deliberadamente, esquecem que, de longo tempo, houve céus bem como terra, a qual surgiu da água e através da água pela palavra de Deus, 6 pela qual veio a perecer o mundo daquele tempo, afogado em água. 7 Ora, os céus que agora existem e a terra, pela mesma palavra, têm sido entesourados para fogo, estando reservados para o Dia do Juízo e destruição dos homens ímpios. 8 Há, todavia, uma coisa, amados, que não deveis esquecer: que, para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos, como um dia. 9 Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento.

  • Devemos trazer à memória as promessas

Considero incrível a capacidade que o ser humano tem de tão facilmente lembrar fatos que marcaram negativamente sua vida, enquanto aos grandes e melhores momentos, em muitos casos ficam destinados às fotos arquivadas e vídeos perdidos. Na verdade, hoje em dia, perdemos tanto tempo registrando os melhores momentos que perdemos tempo para verdadeiramente viver esses momentos.

Usar a memória é inclusive um desafio para pessoas como eu, que têm uma enorme dificuldade de memorização. Mas a Palavra de Deus é recheada de pessoas que dependiam de sua memória para compartilhar os decretos de Deus. Tanto no Antigo, quanto no Novo Testamento era estritamente necessário o uso da memória para viver e pregar a Palavra, pois a escrita não era tão acessível a todos. No texto de nossa reflexão, Pedro afirma que muitos zombarão da fé cristã pelo fato de que não consideram aquilo que foi mencionado pelos nossos antepassados servos de Deus.

  • O Criador é também o Justo Juiz

Pedro alerta que esses zombadores não reconhecem Deus como o criador de todas as coisas e que também é justo. Através de sua justiça, considerou que o mundo precisava de um sacrifício, onde segue o dilúvio. Só que para a atualidade o mesmo texto diz “pela mesma palavra, têm sido entesourados para fogo, estando reservados para o Dia do Juízo e destruição dos homens ímpios”. Fogo, Juízo e destruição. Essas três palavras são muito fortes e de uma linguagem pesada, porém carregam em si toda um proposta de Deus para a humanidade. Se outrora o mundo passou pelo julgamento de Deus e o resultado foi água, dessa vez o fogo julgará. O fogo tem um amplo significado na Palavra, desde os sacrifícios na cultura do Antigo Testamento à manifestações da presença de Deus. Aqui eu recorro ao fogo que considera separação. O fogo é também usado para atestar a pureza do ouro, assim será no dia do juízo, onde Cristo julgará e separará àqueles que são o seu povo seguido da condenação dos ímpios

  • Deus aguarda nosso arrependimento

Os versículos seguintes tratam inicialmente a apresentação da perspectiva de Deus em relação ao tempo. Uma tentativa de explicar a atemporalidade do Criador. Se para nós o tempo é linear, para Deus o tempo cronos simplesmente não existe, ou seja, para Ele tudo é, foi e será ao mesmo tempo. Ainda assim, apesar de toda a dureza dos versículos anteriores que anunciam o julgamento final, somos apresentados à missericórdia e longaminidade de Deus. Que, para muitos a aparente demora para a volta de Jesus é tão só e simplesmente um ato de amor do nosso Deus, que aguarda não o arrependimento de todos. Conforme o texto, Pedro diz: “…senão que todos cheguem ao arrependimento”. Chegar ao arrependimento é o reconhecimento ou a oportunidade de salvação dada à humanidade.

Assim, o tempo que é tanto um vilão como um herói a qual aguardamos anciosamente o retorno do Rei deve ser compreendido por nós como a expressa manifestação do amor do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Soli Amori Christi