Milagres do dia-a-dia

Quem já me ouviu orando algumas vezes, provavelmente foi testemunha das seguintes palavras: “Senhor, obrigado pelas coisas que tens feito em minha vida e eu nem sei”. Mas como assim? Será possível recebermos alguma benção de Deus ou mesmo um milagre e não ter conhecimento de tal? Sim em Êxodo 2.1-10, temos a conhecida história de um bebê recém-nascido que escapou da morte ao ser deixado numa cesta ao longo do rio, que fora encontrado recebendo todos os cuidados e ainda criado por sua mãe. Este bebê foi Moisés, que ainda no início da vida foi alvo de atos milagrosos de Deus sem ao menos saber o que passara.

É possível que muito do agir de Deus passe despercebido por nós, porém NADA se passa fora do conhecimento de nosso Senhor: Os olhos de Deus estão sobre os caminhos do homem e vêem todos os seus passos. (Jó 34:21)

Veja o texto a seguir, que narra um milagre espetacular do Senhor Jesus ao alimentar uma multidão!

Mateus 14:13-21

13 Jesus, ouvindo isto, retirou-se dali num barco, para um lugar deserto, à parte; sabendo-o as multidões, vieram das cidades seguindo-o por terra. 14 Desembarcando, viu Jesus uma grande multidão, compadeceu-se dela e curou os seus enfermos. 15 Ao cair da tarde, vieram os discípulos a Jesus e lhe disseram: O lugar é deserto, e vai adiantada a hora; despede, pois, as multidões para que, indo pelas aldeias, comprem para si o que comer. 16 Jesus, porém, lhes disse: Não precisam retirar-se; dai-lhes, vós mesmos, de comer. 17 Mas eles responderam: Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes. 18 Então, ele disse: Trazei-mos. 19 E, tendo mandado que a multidão se assentasse sobre a relva, tomando os cinco pães e os dois peixes, erguendo os olhos ao céu, os abençoou. Depois, tendo partido os pães, deu-os aos discípulos, e estes, às multidões. 20 Todos comeram e se fartaram; e dos pedaços que sobejaram recolheram ainda doze cestos cheios. 21 E os que comeram foram cerca de cinco mil homens, além de mulheres e crianças.

Jesus alimenta uma multidão e mostra aos discípulos que é preciso crer em Sua provisão

  1. A multidão vai à direção do Mestre

Nos versículos 13 e 14 o texto narra que Jesus vai para um lugar deserto ao tomar conhecimento de que João Batista estava morto (Mt. 14.12), só que a notícia chega ao povo que viera de várias cidades ao seu encontro. O interessante aqui é que diferente da proposta de ficar só, o Filho de Deus é solicitado e apesar dos pesares, está pronto a atender o povo levando cura.

  1. Os discípulos passam por uma prova de fé

As horas vão passando, a fome vai apertando e os discípulos abordam Jesus para que despedisse o povo para um “coffee break”, só que conforme o versículo 16, Jesus nega esse pedido dos discípulos e manda que eles dessem alimento ao povo. Os discípulos só conseguiram alimento para, no máximo, alimentar uma família.

  • Jesus multiplica o alimento e todos se fartam

A partir do versículo 19 temos Jesus aquietando a multidão e realizando este impressionante milagre, alimentando cerca de 20 mil pessoas com cinco pães e dois peixes. Interessante que o texto bíblico diz que a multidão ficou farta de comida e ainda sobrou!

O que para muitos da missão integral é um absurdo, aqui é tratado como bênção! Pessoas fartas e sobra de alimento, foi o resultado do milagre de Jesus. Os discípulos são provados ao exercício de sua fé, que eles já haviam presenciado muitos milagres e agora apenas atentam a uma necessidade básica – comer – e sequer consideram um milagre naquele momento.

Este texto nos mostra que Jesus, além de curas, também está para nos abençoar nas coisas do dia-a-dia. Você ainda tem, ou perdeu o costume de agradecer antes de cada refeição? Na correria do dia-a-dia, ao chegarmos cansados em casa, ainda nos lembramos de agradecer?

Agradeça mesmo sem contabilizar os milagres!!!

{Biblifique-se}

Soli Amori Christi

Que voz você tem ouvido?

Mateus 20. 29 – 34

Os dois cegos de Jericó (Mc 10:46-52; Lc 18:35-43)

E, saindo eles de Jericó, seguiu-o grande multidão. E eis que dois cegos, assentados junto do caminho, ouvindo que Jesus passava, clamaram, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de nós! E a multidão os repreendia, para que se calassem; eles, porém, cada vez clamavam mais, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de nós! E Jesus, parando, chamou-os e disse: Que quereis que vos faça? Disseram-lhe eles: Senhor, que os nossos olhos sejam abertos. Então Jesus, movido de íntima compaixão, tocou-lhes nos olhos, e logo viram; e eles o seguiram.

  • A voz da multidão (29 – 31)

A multidão quer silenciar os doentes. É mais fácil seguir a estrada e deixar os doentes pelo caminho. Somos a multidão de pessoas que diariamente encontramos cegos pelo caminho, será que damos ouvidos a eles? Será que estamos dispostos a deixá-los aproximar-se de Jesus Cristo?

  • A voz de Jesus (32)

A voz de Jesus é inconfundível e em meio a toda multidão se ouviu a voz daquele que ama acima de todas as coisas. Ao dar atenção àqueles cegos, Jesus demonstra o papel da igreja que é cuidar daqueles à beira do caminho. Interessante é Jesus que é Deus, portanto sabe todas as coisas, perguntar o que os cegos queriam. Claro que desejavam com todas suas forças enxergar. O ato de Jesus nos traz outro ensino: NÃO SABEMOS TODAS AS COISAS, PRECISAMOS PERGUNTAR MAIS E OUVIR O ANSEIO DO NOSSO POVO!

  • A fé fala mais alto (33, 34)

A voz do cego que clama por misericórdia revela sua fé no Salvador. Por mais que a multidão os repreendesse, eles permaneciam com seu clamor. Mas que fé é essa? É a fé disposta a enfrentar uma multidão de opositores, é a fé na cura, é ter fé com ousadia, pois sabem que é valiosa essa fé. Portanto clame, creia e receba a cura que nos é oferecida pelo Deus de amor em Jesus nosso Senhor!

Soli Deo Gloria

Que voz você tem ouvido?

Mateus 20. 29 – 34

Os dois cegos de Jericó (Mc 10:46-52; Lc 18:35-43)

E, saindo eles de Jericó, seguiu-o grande multidão. E eis que dois cegos, assentados junto do caminho, ouvindo que Jesus passava, clamaram, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de nós! E a multidão os repreendia, para que se calassem; eles, porém, cada vez clamavam mais, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de nós! E Jesus, parando, chamou-os e disse: Que quereis que vos faça? Disseram-lhe eles: Senhor, que os nossos olhos sejam abertos. Então Jesus, movido de íntima compaixão, tocou-lhes nos olhos, e logo viram; e eles o seguiram.

I. A voz da multidão (29 – 31)
A multidão quer silenciar os doentes. É mais fácil seguir a estrada e deixar os doentes pelo caminho. Somos a multidão de pessoas que diariamente encontramos cegos pelo caminho, será que damos ouvidos a eles? Será que estamos dispostos a deixá-los aproximar-se de Jesus Cristo?

II. A voz de Jesus (32)
A voz de Jesus é inconfundível e em meio a toda multidão se ouviu a voz daquele que ama acima de todas as coisas. Ao dar atenção àqueles cegos, Jesus demonstra o papel da igreja que é cuidar daqueles à beira do caminho. Interessante é Jesus que é Deus, portanto sabe todas as coisas, perguntar o que os cegos queriam. Claro que desejavam com todas suas forças enxergar. O ato de Jesus nos traz outro ensino: NÃO SABEMOS TODAS AS COISAS, PRECISAMOS PERGUNTAR MAIS E OUVIR O ANSEIO DO NOSSO POVO!

III. A fé fala mais alto (33, 34)
A voz do cego que clama por misericórdia revela sua fé no Salvador. Por mais que a multidão os repreendesse, eles permaneciam com seu clamor. Mas que fé é essa? É a fé disposta a enfrentar uma multidão de opositores, é a fé na cura, é ter fé com ousadia, pois sabem que é valiosa essa fé. Portanto clame, creia e receba a cura que nos é oferecida pelo Deus de amor em Jesus nosso Senhor!

Soli Deo Gloria