Falando de amor – Ágape

Falar de amor com os olhos na Palavra de Deus é um desafio extremamente prazeroso. A Bíblia fala de diversas manifestações de amor. É claro, que entre todas essas maneiras de amar, o amor de Deus por nós prevalece, não é por acaso que o conhecido João 3.16 fala que Deus enviou seu Filho por amor.

Mas que amor é esse, capaz de entregar-se à morte de cruz? É isso que vamos tentar entender nesta série a respeito das maneiras de Deus nos amar…

Romanos 8:31-39

31 Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?32 Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?33 Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica.34 Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós.35 Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada?36 Como está escrito: Por amor de ti, somos entregues à morte o dia todo, fomos considerados como ovelhas para o matadouro.37 Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou.38 Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes,39 nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Paulo, ao falar do amor de Deus, recorre às perguntas retóricas para explicar a inviabilidade da separação deste amor.

  1. Perguntas e os “três quem”

Em todo o capítulo 8, Paulo discorre sobre questões da vida. E quem nunca questionou pelo menos uma vez a vida? Quem nunca parou pra pensar sobre coisas que ficaram para trás ou sobre situações que deveria ter agido de modo diferente, pois é, quando Paulo fala no versículo 31: “que diremos pois a vista destas coisas?” Ele está falando exatamente das questões da vida.

A segunda pergunta no mesmo versículo aponta a onipotência de Deus: “…quem será contra nós?” É o texto segue falando que ao entregar Jesus Cristo, Deus deixa claro que tem o melhor para nós.

Logo, o texto segue com o tríplice QUEM:

  • Quem nos acusará? (Deus justifica)
  • Quem nos condenará? (Cristo intercede)
  • Quem nos separará do amor de Cristo? (Nenhum percalço desta vida)
  1. Obstáculos são parte do caminho

O versículo 36 responde a esta terceira pergunta, pois estamos todos sujeitos à morte, como ovelhas em direção ao matadouro. Ou seja, viver é correr riscos, mas precisamos ficar atentos que isto é  parte do processo, que apesar dos obstáculos à qual estamos sujeitos, são rouba de nós o fato de que não vamos perder, pois o amor Dele nos faz vencedores (37).

Gosto do Salmo 119.165 que diz: “Muita paz têm os que amam a tua lei, e para eles não há tropeço.” O salmista aqui fala que aqueles que amam a Lei de Deus, ou seja, Sua Palavra, não tropeçariam. Ele não fala sobre inexistência de obstáculos, mas sobre o não cair neles!

  1. O amor inseparável

Por fim, Paulo anuncia suas convicções quanto ao amor de Deus! No versículo 38 ele fala de coisas a qual não temos condições de controlar (até então estavam relacionados questões físicas da vida). Nós somos incapazes de controlar a vida ou à morte, ou o mundo espiritual, ou o tempo, ou forças ocultas, ou leis da física, ou até mesmo qualquer que seja a criatura poderá nos separar deste amor.

Este é o amor de Deus. Um inextinguível amor ágape – que se doa, se entrega e vem até nós tão só e simplesmente por graça!

Receba de graça este amor!!!

 Soli Amori Christi

CONTINUAR

Em meio a muitas batalhas desde o início do ministério, com a ajuda de um grande amigo chamado Erickson Costa, comecei a refletir sobre continuar e como a Palavra de Deus assegura que mesmo parecendo improvável o nosso objetivo em Deus vai se cumprir. Destaco que é o objetivo EM DEUS e não apenas meus anseios pessoais.

Hebreus 12.1-3

Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma.

Uma corrida com obstáculos (12.1)

O primeiro versículo fala de uma corrida com obstáculos. Muito diferente da corrida olímpica com obstáculos, onde o atleta tem em mente a localização dos pontos em que deve saltar e sabe até o número de passos para chegar até eles. Neste texto sagrado, o autor da carta aos Hebreus comenta que os obstáculos são “todo o peso e do pecado que tenazmente nos assedia”, ou seja muitas vezes corremos com peso, o que nos leva ao cansaço e enfado. Ao falar do pecado que está o tempo todo tentando “grudar” em nossas vidas.

Olhando para o foco (12.2)

No versículo seguinte, completa as ultimas palavras do anterior onde diz que nossa corrida deve ser perseverante olhando para Jesus, o Autor e Consumador de nossa fé que, como exemplo suportou a dureza dos homens (gente que havia feito milagres desde dar-lhes alimento até livramento de morte) e a morte na cruz (julgado pelo mesmo povo que o aclamou), porém ainda não era o fim pois ressuscitou e está nos céus.

Vamos até o fim (12.3)

E no ultimo versículo de nossa reflexão, o autor declara que devemos considerar Cristo Jesus que suportou a pior das situações e foi traído por aqueles que Ele mesmo salvou. Não devemos nos cansar na corrida ao ponto de desistir sucumbindo a nossa alma ou nos entregando ao desespero. E tudo isso em meio a uma nuvem de testemunhas que é uma platéia assistindo nossa corrida da vida, alguns até, quem sabe, torcendo por nossa queda.

Desse modo não vamos desistir, prosseguiremos para o alvo correndo e nos livrando de todo peso. Este alvo é Jesus Cristo, é Nele que devemos chegar, é por Ele que precisamos viver e sem Ele a corrida da vida já é uma derrota. Estou com Jesus e por isso vou continuar…

Soli Deo Gloria