Quanto custa?

Quem inventou o dinheiro? Qual o real valor das coisas? Se nós perdermos R$ 10,00, ficamos tristes. E, infelizmente muitos nem ligam quando uma nação inteira perde bilhões como o Brasil vem perdendo para os golpistas políticos!

Já imaginou como seria a vida sem o uso de dinheiro? Pois há muitos e muitos séculos atrás ele não existia mas, com a necessidade de comprar, as pessoas da época tiveram que dar um jeito e resolver o problema. A primeira solução foi fazer trocas, então, se uma pessoa tinha colhido muitas frutas, mas precisava de cortes de tecido para fazer roupas, partia à procura de quem estivesse interessado nas frutas, mas também tivesse tecido para fazer a troca, por exemplo. Esse é um sistema de comércio é chamado também de escambo. Na Roma antiga, os soldados eram pagos através de uma quantia de sal, chamada de salarium, daí tem origem o termo salário que utilizamos hoje.

Quando o assunto é fé, a pergunta mais “gospel” seria… Quanto custa a bênção?

Atos 8:14-23

Ouvindo os apóstolos, que estavam em Jerusalém, que Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram-lhe Pedro e João; os quais, descendo para lá, oraram por eles para que recebessem o Espírito Santo; porquanto não havia ainda descido sobre nenhum deles, mas somente haviam sido batizados em o nome do Senhor Jesus. Então, lhes impunham as mãos, e recebiam estes o Espírito Santo. Vendo, porém, Simão que, pelo fato de imporem os apóstolos as mãos, era concedido o Espírito [Santo], ofereceu-lhes dinheiro, propondo: Concedei-me também a mim este poder, para que aquele sobre quem eu impuser as mãos receba o Espírito Santo. Pedro, porém, lhe respondeu: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois julgaste adquirir, por meio dele, o dom de Deus. Não tens parte nem sorte neste ministério, porque o teu coração não é reto diante de Deus. Arrepende-te, pois, da tua maldade e roga ao Senhor; talvez te seja perdoado o intento do coração; pois vejo que estás em fel de amargura e laço de iniquidade.

Neste texto temos a narrativa de dois acontecimentos interessantes, que tem muito a nos ensinar, então vejamos:

  1. Pedro e João abençoam

Pedro e João, apóstolos discipulados diretamente por Jesus são levados a orar declarando a benção do Espírito Santo sobre os novos seguidores de Cristo que não haviam experimentado o Pentecostes (Atos 2.1-6). De modo que a “oração apostólica” com imposição de mãos é um gesto cerimonial. Matthew Henry diz o seguinte: “Nenhum homem pode dar o Espírito Santo impondo suas mãos, mas devemos usar os melhores esforços para instruir àqueles pelos quais oramos.” Dessa forma, é o próprio Deus é quem atua conforme sua soberana vontade em meio à situação. Nunca um sacerdote, padre, pastor ou qualquer ser humano “espiritual” tem qualquer poder em “mover”, nem muito menos dar qualquer ordem ao Espírito Santo.

  1. Simão quer pagar pela bênção

Simão, também conhecido como O Mágico, era o que podemos considerar como um feiticeiro, adivinho, curandeiro, etc. Este mágico ouve a boa nova a respeito de Cristo Jesus e torna-se um seguidor da fé e também do missionário pregador Flipe (Atos 8.9-13). Porém, não satisfeito em ser seguidor da fé em Cristo, Simão gostaria de ser um Deus-Homem, ou seja, ter poderes de Deus e solicita a benção apostólica ministrada pelos discípulos mediante uma oferta em dinheiro. Aqui no texto bíblico não importa o valor, mas sim a intenção de Simão.

Pedro, porém, lhe respondeu: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois julgaste adquirir, por meio dele, o dom de Deus. Não tens parte nem sorte neste ministério, porque o teu coração não é reto diante de Deus. (vs. 20,21)

O que dizer dos “profetas modernos” que cobram uma fortuna para ministrar o poder de Deus? Ou de bandas que ministram curas em seus espetáculos cheios de efeitos especiais por um ingresso com valores acima dos três dígitos? O que dizer de um pregador que cobra dos crentes um valor maior para que estes crentes fiquem mais próximos do palco? Vale lembrar que no texto anterior, o sujeito chamado Simão já havia convertido-se ao cristianismo e mesmo assim oferece dinheiro pela benção. Será que o mágico inaugurou o “show da fé”?

Quanto custa a benção? Quanto você pagaria?

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Processo ‘biblificador’

[Leia ou assista ao vídeo]

Vivemos num mundo repleto em tecnologia. A humanidade avança exponencialmente e cada novidade gera uma multidão de oportunidades. O que a maioria da população não está preparada é para acompanhar tal desenvolvimento. Os processos sociais de capacitação e preparo mais avançados não estão à disposição do grande público, o que limita a criatividade e desenvolvimento das grandes massas.

Mas porque estou falando sobre desenvolvimento e preparo? É fácil concordar que a educação e o conhecimento são elementos de extrema importância para o avanço da humanidade que vive numa constante mudança. Ao surgirem novas necessidades a humanidade cria novos métodos instrutivos. A prova disto está na criação de novos cursos técnicos e superiores, mas o curso se faz sempre necessário para que se prepare alguém. A não ser pessoas que são dotadas de algum dom, todas as demais precisam ser educadas e buscar conhecimento para que possam dominar qualquer que seja a área.

Assim deveria ser a consciência do cristão. Um verdadeiro pesquisador em busca de crescimento no conhecimento que foi dado pelo nosso Deus desde a criação. Em Provérbios 2.1-10 está escrito:

1 Filho meu, se aceitares as minhas palavras e esconderes contigo os meus mandamentos, 2 para fazeres atento à sabedoria o teu ouvido e para inclinares o coração ao entendimento, 3 e, se clamares por inteligência, e por entendimento alçares a voz, 4 se buscares a sabedoria como a prata e como a tesouros escondidos a procurares, 5 então, entenderás o temor do SENHOR e acharás o conhecimento de Deus. 6 Porque o SENHOR dá a sabedoria, e da sua boca vem a inteligência e o entendimento. 7 Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos; é escudo para os que caminham na sinceridade, 8 guarda as veredas do juízo e conserva o caminho dos seus santos. 9 Então, entenderás justiça, juízo e eqüidade, todas as boas veredas. 10 Porquanto a sabedoria entrará no teu coração, e o conhecimento será agradável à tua alma.

Agora vejamos o que diz o texto em Salmo 119:9-11:

9 De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra. 10 De todo o coração te busquei; não me deixes fugir aos teus mandamentos. 11 Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti.

Este Salmo faz parte do livro de número 5 na divisão dos Salmos em cinco partes e cada parte findando com uma doxologia. Cada uma dessas cinco partes têm uma temática distinta na seguinte forma: desgraça e fé (1-41); confusão e confissão (42-72); desespero pela desobediência (73-89); esperança com o passado (90-106); e finalmente “louvor” (107-150) que são Salmos carregados de esperança visto que o povo saíra do exílio. Já o Salmo 119 em meio a esta mensagem traz em si uma particularidade que é dos raros salmos de sabedoria que exaltam a ação da lei (1; 19.7-14; 119).

O jovem guarda puro seu caminho quando guarda a Palavra de Deus!

  1. Uma pergunta e uma resposta (vs. 9)

A pergunta é: como um jovem poderá guardar puro o seu caminho? E eu pergunto: É possível? Guardar o caminho puro não significa ser perfeito, mas almejar a pureza, viver um esforço contínuo para que o caminho da vida não seja sujo pelas impurezas que o pecado propõe. E a resposta não encontra-se em nós (graças a Deus). Para que este caminho seja norteado pela pureza de Deus é preciso que seja conforme a Palavra. Somente o Criador sabe o melhor para a criatura. Nosso problema está por inúmeras vezes na tentativa de adaptar à Bíblia ao nosso modelo de vida (pecaminoso), ao invés de orientar nossa vida pela Escritura Sagrada (pureza).

  1. Uma oração (vs. 10)

Logo o texto segue com uma oração que revela a intimidade do salmista. Neste versículo ele declara sua busca dedicada por Deus. Aqui não trata-se de religião! É de todo coração! Uma entrega verdadeira por fé ao nosso Deus. Da mesma forma que Paulo diz em Filipenses 1.21: Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro. É neste ambiente de entrega que o salmista faz o seguinte clamor: …não me deixes fugir aos teus mandamentos. Será que costumamos orar assim? Declarando nossa entrega real a Deus e pedindo a Ele que o Texto Sagrado seja a nossa régua da vida?

  1. Um compromisso (vs. 11)

Acho interessante aquelas Bíblias chamadas “promessas”, onde as promessas de Deus são destacadas do texto. Mais interessante ainda é conhecer pessoas que leem apenas as promessas destacadas, como se os outros textos fossem desimportantes. Uma promessa é um compromisso (não aquele que o brasileiro combina um horário e chega meia hora depois!) e no versículo 11 o salmista faz uma promessa a Deus. Ou seja, não é um simples compromisso, mas um voto de fidelidade ao Criador.

O mesmo coração que busca Deus com todas as forças é aquele que “arquiva” as palavras dadas por Deus nas Escrituras. Tudo deve fazer parte do mesmo ciclo, ou seja, NÃO HÁ BUSCA POR DEUS SEM A PALAVRA DE DEUS! Aqueles que trazem novas revelações que não são do texto bíblico são meros figurantes que criam seguidores de figurantes, desviando o olhar sobre o protagonista da raça humana.

Mais uma vez temos a resposta da pureza do versículo 9, só que aqui em tempo presente. Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti. Assim deve ser em todos nós, viver numa busca desenfreada pela pureza, pelo não pecar… e deve começar hoje!

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Um Profeta Desesperado (Consagração)

JONAS 2

Em todo o livro de Jonas temos fortemente ensinos a respeito da Misericórdia de Deus. No último post aqui no blog escrevi uma mensagem com base em Jonas 1.1-6, onde falei do Profeta Desobediente. Hoje vou falar desse mesmo profeta, agora um Profeta Desesperado e que no capítulo 2 faz uma oração e naquele momento de angústia se CONSAGRA ao Senhor. Vejamos alguns momentos desta oração na angústia e a provisão de Deus:

1. Oração de Esperança
Jonas ora ao Senhor na esperança de que ele, mesmo sem merecer, escaparia daquela situação que o levaria a morte.

2. Oração de Sinceridade
Jonas reconhece que aquele seu destino era vontade de Deus. Passar três dias dentro do peixe (1.17), trouxe reconhecimento ao Profeta.

3. Oração de Gratidão
“Mas com a voz do agradecimento eu te oferecerei sacrifício” (2.9a). Jonas reconhece que aquela situação fora livramento de Deus quado enviou o peixe ao seu resgate.

4. Oração de Compromisso
“O que votei pagarei. Ao Senhor pertence a salvação” (2.9b). Aqui o profeta se CONSAGRA ao Senhor, assumindo o compromisso reconhecendo o ato misericordioso de Deus.

5. Deus Responde a Oração
No versículo 10 Deus dá ordem ao peixe que devolve Jonas para a terra firme. Agora o profeta estava na posição de cumprir a vontade de Deus. Em Sua sabedoria, Deus quer agir através do teimoso profeta.

CONSAGRAÇÃO – ato de se consagrar é tomar sinceros votos ao Senhor. Onde nos colocamos à disposição do Pai para que se cumpra o querer de Deus em nossas vidas. Será que precisamos passar por alguma angústia para reconhecer que precisamos nos levantar do banco e agir em nome de Deus? Ou vamos continuar nos afogando em nossas vontades? O grande peixe nos chama ao arrependimento. Jesus nos convida a uma nova vida. O que há de novo em nós?

Soli Deo Gloria