O que é de César

Muito se tem falado a respeito da corrupção protagonizada pelo atual governo que independente de partidos, o Brasil tornou-se um reino grotesco onde tira-se os direitos do cidadão para alimentar o luxo de uma minoria de controladores mal intencionados. E observando a ascendente falta de vergonha em que rouba-se o Brasileiro, pois para uma restrita parcela da população a justiça além de cega, é surda e muda. Que deparo também com o que chamo de “pequenas corrupções”.

As pequenas corrupções é o que iguala os cidadãos classe “c” e “b” aos ladrões classe “a” made in Brasília! Nas atitudes que passam de simples e aparentemente singelas como furar uma fila ou subornar um policial para evitar uma multa, a qual os cidadãos sentem-se mais espertos, é que uma nação inteira cava a cova da mentira e manipulação também conhecida como “jeitinho brasileiro”.

A Bíblia também ensina a respeito de sermos cidadãos honestos, mesmo vivendo num estado desonesto.

Lucas 20:20-25

20 Observando-o, subornaram emissários que se fingiam de justos para verem se o apanhavam em alguma palavra, a fim de entregá-lo à jurisdição e à autoridade do governador. 21 Então, o consultaram, dizendo: Mestre, sabemos que falas e ensinas retamente e não te deixas levar de respeitos humanos, porém ensinas o caminho de Deus segundo a verdade; 22 é lícito pagar tributo a César ou não? 23 Mas Jesus, percebendo-lhes o ardil, respondeu: 24 Mostrai-me um denário. De quem é a efígie e a inscrição? Prontamente disseram: De César. Então, lhes recomendou Jesus: 25 Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.

Nota-se no início do texto que o ambiente traz personagens mentirosos interessados em corromper aquele chamado de messias. Homens pagos para fingir ser justos e atuando trazem elogios a Jesus. Normalmente é assim. Quando falsos e fingidos querem algo em troca, mentem elogiando o outro a fim de adquirir espaço para seus interesses. Isto acontece muito hoje, até mesmo nas igrejas.

Logo o texto segue narrando o questionamento feito por estes corruptos a Jesus: “é lícito pagar tributo a César ou não?” Ou seja, um religioso deve pagar impostos a um estado corrupto, ou não? Seria justo cometer pequenas corrupções em detrimento a um estado mergulhado na corrupção? Afinal de contas, o dinheiro é nosso, de forma que é de direito meu “tirar” um pouco, ainda que seja ilícito. Políticos não tornaram-se corruptos apenas quando assumiram seus cargos, eles já eram corruptos, assim como muitos brasileiros são e roubam quando é lhes oferecido oportunidades da mesma maneira que muitos brasileiros fariam.

A resposta de Jesus vêm cheia de sabedoria e devemos nos guiar por essas palavras. Primeiro o versículo 23 deixa claro que Jesus conhecia a intenção por trás da pergunta e logo em seguida responde utilizando uma analogia feita a partir da própria imagem contida no dinheiro, ou melhor, no denário que era uma moeda que correspondia ao pagamento por um dia de trabalho. A moeda tinha prensado a imagem de César e dessa maneira Jesus respondeu que pertencia a César, e também diz que deve-se dar a Deus o que é de Deus!

Dessa forma entendo o clima de insatisfação em nosso país, só que nosso sistema político composto por, em sua maioria, vigaristas é apenas um reflexo de país acostumado à corrupção e que em algum momento alguém teria que pagar essa conta. A população está insatisfeita e as vezes até tem razão, só que aqui fica um lembrete aos crentes…

Dêem ao governo o que pertence ao governo e não esqueçam de dar ou devolver para Deus aquilo que pertence a Deus!

Soli Deo Gloria