O Pai das luzes

A carta de Tiago, conforme o versículo 1 do capítulo 1, foi escrita para “as doze tribos que se encontram na dispersão”. Estas doze tribos simbolizam os judeus espalhados pelo mundo, assim, é ao mesmo tempo uma carta aberta e também uma carta dirigida a um grupo especifico de crentes convertidos.

Todo aquele que vive novidade de vida em Cristo Jesus tem que crescer no aprendizado e a Palavra de Deus é imprescindível neste processo. Nosso Deus é um bom pai e como todo bom pai, Ele tem muito a ensinar aos seus filhos. Para ser luz neste mundo é preciso aprender com o Pai das luzes. Somente Deus, que criou todas as coisas sabe o que é melhor pra nós e o necessário para viver – “Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste” (Mateus 5.48).

Vejamos o que se encontra em Tiago 1.17-22:

17 Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.18 Segundo a sua própria vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como que primícias das suas criaturas.19 Sabei isto, meus amados irmãos: Todo homem seja pronto para ouvir, tardio para falar e tardio para se irar.20 Porque a ira do homem não opera a justiça de Deus.21 Pelo que, despojando-vos de toda sorte de imundícia e de todo vestígio do mal, recebei com mansidão a palavra em vós implantada, a qual é poderosa para salvar as vossas almas.22 E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos.

  1. Presente de Deus

O versículo 17 deixa claro que se há alguma bondade ou dons perfeitos em nós, é proveniente de Deus que de maneira íntegra concede benefícios aos seus. Já o versículo 18, Tiago fala de que nós somos gerados por Deus, pela Palavra e para que sejamos como primícias das criaturas. Lá em Jeremias 2.2,3 podemos entender melhor essa ideia de ser primícias da criação de Deus,veja: “Vai, e clama aos ouvidos de Jerusalém: assim diz o Senhor: Lembro-me de ti, da tua afeição quando eras jovem, e do teu amor quando noiva, e de como me seguias no deserto, numa terra em que não se semeia. Então Israel era consagrado ao Senhor, e era as primícias da sua colheita; todos os que o devoraram e faziam culpados; o mal vinha sobre eles, diz o Senhor.”

  1. A justiça de Deus

Retornando à carta de Tiago, no versículo 19 e 20, vemos que somos desafiados a ouvir mais e falar menos e ainda tardar em relação à ira. Um grande desafio na atualidade é ouvir mais e falar menos. Todo mundo quer ser ouvido de algum modo. Se você tem alguma opinião em relação a algum assunto, o outro não fica satisfeito em apenas ter conhecimento de sua opinião, mas ele quer deixar a opinião dele e ainda te convencer daquilo que ele acredita!

É interessante esta orientação de Tiago, pois muitos crentes, no ímpeto de levar o Evangelho está mais para falar do que para ouvir, quando na realidade deveríamos ouvir os anseios das pessoas para aí apresentar as Boas Novas como solução para suas vidas. Só que normalmente queremos apresentar o Evangelho como respostas para perguntas que as pessoas nem sequer fizeram.

“A ira do homem não opera a justiça de Deus”. Uma vez uma mae me pediu para orar para que sua filha terminasse um namoro, pois essa mae não gostava do rapaz. Será mesmo que Deus move nossas intenções alimentadas por sentimentos ruins? Muitas vezes esquecemos coisas simples do Evangelho, como a que Deus tem sempre o melhor para nós e que TODOS serão recompensados pelos seus atos, sejam bons ou ruins.

  1. A revelação de Deus

Nos dois últimos versículos que vemos aqui, Tiago exorta as tribos da dispersão a viver uma vida de autenticidade no Evangelho. Ao dizer que se deve abandonar toda imundícia e vestígio do mal, ele pegou pesado com os crentes? Acho que não, pois é exatamente assim que devemos agir, que ele complementa que se deve receber com mansidão a Palavra que é poderosa para salvar vidas. Todos nós devemos carregar tal disposição!

Por último e de igual modo importante há outra exortação: SER CUMPRIDORES DA PALAVRA! Ele diz que o ouvinte que não pratica o Evangelho, apenas engana a si mesmo. Jesus chamou gente assim de cobras venenosas – “Vendo ele, porem, que muitos fariseus e saduceus vinham ao batismo, disse-lhes: raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura?” (Mateus 3.7) Será que Jesus também está pegando pesado com estes? Então eu pergunto… a quem você tem enganado? Será que não está na hora de viver tudo isso que costumamos cantar, pregar, orar e ouvir?

Soli Amori Christi

Processo ‘biblificador’

[Leia ou assista ao vídeo]

Vivemos num mundo repleto em tecnologia. A humanidade avança exponencialmente e cada novidade gera uma multidão de oportunidades. O que a maioria da população não está preparada é para acompanhar tal desenvolvimento. Os processos sociais de capacitação e preparo mais avançados não estão à disposição do grande público, o que limita a criatividade e desenvolvimento das grandes massas.

Mas porque estou falando sobre desenvolvimento e preparo? É fácil concordar que a educação e o conhecimento são elementos de extrema importância para o avanço da humanidade que vive numa constante mudança. Ao surgirem novas necessidades a humanidade cria novos métodos instrutivos. A prova disto está na criação de novos cursos técnicos e superiores, mas o curso se faz sempre necessário para que se prepare alguém. A não ser pessoas que são dotadas de algum dom, todas as demais precisam ser educadas e buscar conhecimento para que possam dominar qualquer que seja a área.

Assim deveria ser a consciência do cristão. Um verdadeiro pesquisador em busca de crescimento no conhecimento que foi dado pelo nosso Deus desde a criação. Em Provérbios 2.1-10 está escrito:

1 Filho meu, se aceitares as minhas palavras e esconderes contigo os meus mandamentos, 2 para fazeres atento à sabedoria o teu ouvido e para inclinares o coração ao entendimento, 3 e, se clamares por inteligência, e por entendimento alçares a voz, 4 se buscares a sabedoria como a prata e como a tesouros escondidos a procurares, 5 então, entenderás o temor do SENHOR e acharás o conhecimento de Deus. 6 Porque o SENHOR dá a sabedoria, e da sua boca vem a inteligência e o entendimento. 7 Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos; é escudo para os que caminham na sinceridade, 8 guarda as veredas do juízo e conserva o caminho dos seus santos. 9 Então, entenderás justiça, juízo e eqüidade, todas as boas veredas. 10 Porquanto a sabedoria entrará no teu coração, e o conhecimento será agradável à tua alma.

Agora vejamos o que diz o texto em Salmo 119:9-11:

9 De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra. 10 De todo o coração te busquei; não me deixes fugir aos teus mandamentos. 11 Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti.

Este Salmo faz parte do livro de número 5 na divisão dos Salmos em cinco partes e cada parte findando com uma doxologia. Cada uma dessas cinco partes têm uma temática distinta na seguinte forma: desgraça e fé (1-41); confusão e confissão (42-72); desespero pela desobediência (73-89); esperança com o passado (90-106); e finalmente “louvor” (107-150) que são Salmos carregados de esperança visto que o povo saíra do exílio. Já o Salmo 119 em meio a esta mensagem traz em si uma particularidade que é dos raros salmos de sabedoria que exaltam a ação da lei (1; 19.7-14; 119).

O jovem guarda puro seu caminho quando guarda a Palavra de Deus!

  1. Uma pergunta e uma resposta (vs. 9)

A pergunta é: como um jovem poderá guardar puro o seu caminho? E eu pergunto: É possível? Guardar o caminho puro não significa ser perfeito, mas almejar a pureza, viver um esforço contínuo para que o caminho da vida não seja sujo pelas impurezas que o pecado propõe. E a resposta não encontra-se em nós (graças a Deus). Para que este caminho seja norteado pela pureza de Deus é preciso que seja conforme a Palavra. Somente o Criador sabe o melhor para a criatura. Nosso problema está por inúmeras vezes na tentativa de adaptar à Bíblia ao nosso modelo de vida (pecaminoso), ao invés de orientar nossa vida pela Escritura Sagrada (pureza).

  1. Uma oração (vs. 10)

Logo o texto segue com uma oração que revela a intimidade do salmista. Neste versículo ele declara sua busca dedicada por Deus. Aqui não trata-se de religião! É de todo coração! Uma entrega verdadeira por fé ao nosso Deus. Da mesma forma que Paulo diz em Filipenses 1.21: Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro. É neste ambiente de entrega que o salmista faz o seguinte clamor: …não me deixes fugir aos teus mandamentos. Será que costumamos orar assim? Declarando nossa entrega real a Deus e pedindo a Ele que o Texto Sagrado seja a nossa régua da vida?

  1. Um compromisso (vs. 11)

Acho interessante aquelas Bíblias chamadas “promessas”, onde as promessas de Deus são destacadas do texto. Mais interessante ainda é conhecer pessoas que leem apenas as promessas destacadas, como se os outros textos fossem desimportantes. Uma promessa é um compromisso (não aquele que o brasileiro combina um horário e chega meia hora depois!) e no versículo 11 o salmista faz uma promessa a Deus. Ou seja, não é um simples compromisso, mas um voto de fidelidade ao Criador.

O mesmo coração que busca Deus com todas as forças é aquele que “arquiva” as palavras dadas por Deus nas Escrituras. Tudo deve fazer parte do mesmo ciclo, ou seja, NÃO HÁ BUSCA POR DEUS SEM A PALAVRA DE DEUS! Aqueles que trazem novas revelações que não são do texto bíblico são meros figurantes que criam seguidores de figurantes, desviando o olhar sobre o protagonista da raça humana.

Mais uma vez temos a resposta da pureza do versículo 9, só que aqui em tempo presente. Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti. Assim deve ser em todos nós, viver numa busca desenfreada pela pureza, pelo não pecar… e deve começar hoje!

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

Falsa loucura

Em nossos dias a internet têm proporcionado conteúdos interessantes acompanhada de muita bobagem. Pena que aqueles preocupados em conteúdo de qualidade são a minoria e muitos apenas replicam o que já foi falado. No meio evangélico tem dois caras chamando atenção: Um diz que é “doido” por Jesus e o outro é um “doido” de Jesus tipo freestyle! O primeiro diz que representa a galera gospel do Brasil. Pra começo de historia o cristão vive para representar Jesus Cristo e não pessoas, até porque Cristo morreu por essas pessoas, inclusive a galera gospel.

Dizer que é doido ou agir como tal é muito fácil. Claro que em meio a muitas palavras, algumas se salvam. Só é trágico quando o percentual de bobagem é maior (ufa!). Agora vejamos um texto muito usado que fala de loucura na Palavra de Deus…

Certamente, a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus. Pois está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios e aniquilarei a inteligência dos instruídos. Onde está o sábio? Onde, o escriba? Onde, o inquiridor deste século? Porventura, não tornou Deus louca a sabedoria do mundo? Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria, aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura da pregação. Porque tanto os judeus pedem sinais, como os gregos buscam sabedoria; mas nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gentios; mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus. Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens. [1Co 1:18-25]

  1. Loucura para os perdidos

Paulo tem a certeza de que a palavra da cruz é loucura para os perdidos. Repito: loucura para os perdidos! Qual é a palavra da cruz senão a mensagem de doar-se por completo pelo outro. É loucura para os perdidos, pois são egoístas e não conseguem digerir a ideia de que Deus, o todo poderoso, viesse a terra para viver e morrer pelo outro.

  1. Loucura da pregação

Onde está a sabedoria deste mundo se a loucura de Deus, ou seja, entregar-se até a morte de cruz seria um ato de loucura para os homens? Onde estão os pensadores se a maior mensagem foi pregada em um simples, porém complexo ato – o sacrifício? A loucura da pregação é viver sacrifício – diferente do que se vê por aí…

  1. Loucura não, poder de Deus!

Em dois momentos neste texto é mencionado uma contraposição à loucura. No primeiro diz: […] para nós, que somos salvos, poder de Deus. Em seguida está escrito: […] mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus. Deixem a loucura com os perdidos e fiquemos com o poder e a sabedoria de Deus. Que não venhamos a pensar que este poder nos pertence (isto é satânico), é poder de Deus!

  1. Loucura “poética”

Por fim uma licença poética que faz todo o sentido neste texto. Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens Jesus, o Rei dos reis entrega-se a morte, sacrifício vicário por todos nós. E a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens – a morte não é o fim. Na filosofia grega, considerar a morte de um deus era vê-lo como um fraco, porém a morte foi vencida pelo poder do único Deus!

Creio que Jesus, Paulo e Cia tinham algo diferente em mente ao falar da loucura de viver o Evangelho e não apenas falavam, mas viveram! É muito mais do que ser animador de torcida!

Ouçam e pensem, vejam e repensem! Acima de tudo, busquem na Palavra de Deus as verdades eternas e sejam criteriosos com o que costumam ver por aí.

Soli Deo Gloria

Mudar o mundo

Muito se tem ouvido falar em que é o momento de mudar o Brasil. Quero logo dizer que não penso em mudar o Brasil por causa dos manifestos e protestos, mas SEMPRE pensei em mudar as coisas, mudar o Brasil, mudar o mundo. Sei que é clichê falar que a mudança deve acontecer nas pessoas. Então questiono: as pessoas estão mudando?

Outra coisa que ouvi é que muitos se denominam os atuais protagonistas de uma possível revolução. Nós é que elegemos uns pseudos protagonistas que agora “não nos representam”! Outros virão, sejam do movimento passe livre, nacionalistas ou apartidários. Outra vez pergunto: as pessoas estão mudando?

E as igrejas, devem participar ou não dos protestos e qual contribuição podem oferecer? Olhando para a Palavra, vejo Jesus como um revolucionário. Que é revolucionária a verdade de que Deus se torna homem para mudar a vida dos homens, de que Jesus, esperado como um revolucionário político contra um império, trouxe um outro reino que não têm os do partido ou os sem-partido, um reino que muda as pessoas.

Sim, as pessoas estão mudando. Muitos estavam apáticos à situação crítica da política brasileira, alheios a todo este movimento manipulador em que a população é considerada massa de manobra. Agora o Brasil acordou, política faz parte do assunto principal nas redes sociais, embora muitos não tenham opinião própria e apenas replicam o que um outro diz, pelo menos estamos aprendendo.

Agora preciso dizer uma coisa:

Política, mesmo que seja apartidária, muda as pessoas mas não satisfaz! No futuro outros assumirão o poder, quem sabe até alguns destes que estão protestando, depois virão outros com opiniões contrárias. Pela história é um ciclo que se repete. Porém conhecer o nosso Deus através de Sua Palavra, crer em Cristo Jesus é que traz verdadeira alegria. Nosso povo precisa de ideais para mudar vidas. Nosso povo precisa de Deus!!!

Feliz a nação cujo Deus é o SENHOR. Salmo 33:12a

Soli Deo Gloria

O tempo de Deus

Por Maristhela Araújo

“Tudo neste mundo tem o seu tempo; cada coisa tem a sua ocasião.” Ec. 3:1

A Palavra de Deus afirma em Eclesiastes que para todas as coisas há um tempo determinado por Ele. Então por que para nós é tão difícil esperar o tempo de Deus em nossas vidas?
Vivemos num mundo em que tudo deve ser resolvido o mais rápido possível, temos prazos, limites, metas… E por vivermos assim, acabamos querendo levar o jeito com que lidamos com o nosso cotidiano também para as questões espirituais, muitas vezes até exigindo um prazo de Deus para que Ele faça determinada coisa em nossas vidas. Agimos muitas vezes, impulsionados pela ansiedade e não paramos pra perguntar a Deus se é aquilo mesmo que Ele quer pra nós, se é aquele o tempo dEle agir em nossas vidas.
Devemos parar para analisar em que posição estamos colocando o nosso Deus, se na posição de Senhor, como Ele o é, ou se estamos invertendo os papéis e querendo mandar nEle. Devemos deixá-Lo agir em nossas vidas, no tempo que Ele determinou, muitas vezes aquilo que a gente tanto pede demora a acontecer em nossas vidas, aos nossos olhos, porque Deus está no Seu tempo de tratar conosco. Deixe Deus tratar em sua vida, quando a gente se deixa trabalhar por Deus, vivemos o tempo dEle sem nos deixar dominar pela ansiedade.

“Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus.” Filipenses 4:6,7

Soli Deo Gloria

Brincando com a Palavra

Recentemente estava caminhando pela rua quando observei um outdoor bem na minha frente com a seguinte frase: “Mãe, eis aí os teus filhos”. Isso me chamou muito a atenção pois é um texto que se refere à João 19.26, que está escrito:

p { margin-bottom: 0.21cm; }

Ora Jesus, vendo ali sua mãe, e que o discípulo a quem ele amava estava presente, disse a sua mãe: Mulher, eis aí o teu filho”.
Há uma grande diferença na interpretação e no sentido da palavra “Mãe” do outdoor em relação ao que realmente se encontra na Bíblia no grego é a palavra γυναι que significa mulher. Pesquisei em diversas traduções bíblicas e a palavra é sempre mulher. Então porque a mudança? Nota-se também que o texto do outdoor está com o verbo e o restante da frase no plural.
Não é nenhuma novidade que muitos grupos religiosos adulteram textos bíblicos para que se encaixe em seus propósitos. Mas a questão é… Será que estamos atentos para isto? Ou será que temos deixado passar? Seja em um anúncio, panfleto, livro e até mesmo nas músicas que escutamos existem erros gritantes que se tornam verdadeiras heresias. Somos uma geração com todas as condições e ferramentas para criticar o que vemos. Lembro-me de um dito popular que diz:
Nem tudo o que reluz é ouro”.
Fique ligado!
Soli Deo Gloria

Queimando livros

Fiquei sem palavras ao receber pelo jornal televisivo a notícia de que um pastor americano anunciou a queima de exemplares do Corão, o livro sagrado do Islã. Ao acompanhar as notícias que seguem, notei um aumento significativo de reportagens alusivas ao islamismo. O pastor endoida, anuncia que vai queimar um livro sagrado de uma outra religião, que só tem crescido no mundo e com seguidores ultra-radicais, os Chiitas.

Logo me veio à mente imagens cinematografadas do regime nazista que matou milhares de judeus entre os anos de 1933 a 1945. Onde os militares nazistas queimavam em praças públicas centenas de milhares de exemplares do livro sagrado judeu conhecido como Torá. Os judeus acabaram? Ou perderam sua fé? Claro que não! Isso reforçou a fé judaica e os perseguidos não mudavam suas opiniões mesmo que isso levasse a morte.

Esse pastor americano está é provocando os muçulmanos com uma violência sem precedentes o que pode até causar algum tipo de retaliação, divulgando o Islã pelo mundo e espalhando uma ideia anti-bíblica de que o cristão é violento e preconceituoso.

Jesus percorreu diversas cidades, povoados e vilarejos. Lá encontrou e se relacionou com diferentes pessoas que carregavam seus costumes, culturas e religiosidade. O único momento em que Jesus foi enérgico está registrado em João 2. 14 – 16:

 “E achou no templo os que vendiam bois, e ovelhas, e pombos, e os cambiadores assentados. E tendo feito um azorrague de cordéis, lançou todos fora do templo, também os bois e ovelhas; e espalhou o dinheiro dos cambiadores, e derribou as mesas; E disse aos que vendiam pombos: Tirai daqui estes, e não façais da casa de meu Pai casa de venda”.

Aqui Jesus não permite que façam do templo, casa de oração, um comércio. Mas em nenhum momento temos relato de Jesus atacando violentamente seguidores de qualquer que seja a religião. Quando o nosso Senhor ensina que devemos amar o próximo como a nós mesmos, inclui qualquer pessoa. Ele não manda amar apenas os irmãos na fé, mas a cada um com amor próprio, um igual cuidado que temos com a nossa vida.

“Isto vos mando: Que vos ameis uns aos outros”. (João 15.17)

Precisamos rever nossas ideias a cerca da fé e reensiná-las a muitos homens e mulheres que se perderam no caminho.

Toda a amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas dentre vós, antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo. SEDE, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; E andai em amor, como também Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave.
(Efésios 4.31,32; 5.1,2)

Soli Deo Gloria