Gratidão e fé!

Filipenses 1:1-6

​1 Paulo e Timóteo, servos de Cristo Jesus, a todos os santos em Cristo Jesus, inclusive bispos e diáconos que vivem em Filipos, 2 graça e paz a vós outros, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. 3 Dou graças ao meu Deus por tudo que recordo de vós, 4 fazendo sempre, com alegria, súplicas por todos vós, em todas as minhas orações, 5 pela vossa cooperação no evangelho, desde o primeiro dia até agora. 6 Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus.

Paulo saúda os crentes em Filipos compartilhando sua gratidão e a base de sua fé!

  1. Saudações iniciais

Esta carta de Paulo foi escrita de sua primeira prisão, onde o jovem Timóteo havia sido enviado pela igreja ao cuidado do prisioneiro. No primeiro versículo, Paulo traz a descrição dos destinatários da carta que são “todos os santos em Cristo Jesus e seus líderes moradores de Filipos”. Traz logo em seguida uma comum saudação cristã do primeiro século: “graça e paz a vós outros da parte de Deus, nosso pai e de Jesus Cristo”. Veja que nestes dois versículos iniciais ele não poupa de repetir o nome de Jesus, falando três vezes!

  1. Gratidão aos cooperadores

Paulo traz o primeiro conteúdo de sua carta, que abre com palavras de gratidão à igreja pela sua cooperação. É interessante a afirmativa de que Paulo orava à esta igreja com alegria, pois era um povo participativo. A gratidão é um fator preponderante da comunidade cristã. A Bíblia ensina desde o AT que devemos ser gratos e que a ingratidão desagrada a Deus. Desde a criação os primeiros habitantes da terra não estavam satisfeitos em ter como alimento permitido todos os frutos do jardim e foram provar justamente o fruto proibido. Jesus chama a atenção a respeito de ingratidão, veja:

Ao vê-los, disse-lhes Jesus: Ide e mostrai-vos aos sacerdotes. Aconteceu que, indo eles, foram purificados. Um dos dez, vendo que fora curado, voltou, dando glória a Deus em alta voz, e prostrou-se com o rosto em terra aos pés de Jesus, agradecendo-lhe; e este era samaritano. Então, Jesus lhe perguntou: Não eram dez os que foram curados? Onde estão os nove? Não houve, porventura, quem voltasse para dar glória a Deus, senão este estrangeiro? E disse-lhe: Levanta-te e vai; a tua fé te salvou (Lucas 17.14-19).

  1. Convicção e fé

No versículo 6, Paulo traz uma ênfase contida em suas orações. Que é a certeza de que Deus continuamente age na vida daqueles a qual Ele começou a obra. Tanto é importante o entendimento de “quem” começou esta obra, como a certeza de que Ele vai completá-la.

Todos nós devemos ser gratos a Deus por tudo quanto Ele realiza em nossas vidas, apesar dos pesares. É preciso também reconhecer os atos benéficos que as pessoas realizam em nossas vidas, que é um dever do cristão!

E devemos estar convictos de que é Deus quem está realizando uma obra em nossas vidas – Sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos da parte de Deus um edifício, casa não feita por mãos, eterna, nos céus (2 Co 5.1).

E que este mesmo Deus haverá de completar está obra até o retorno de Cristo Jesus – edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito (Ef 2.20-22).

Soli Amori Christi

Bíblia desatualizada

Você conhece alguém que é viciado em tecnologia? Pessoas que nunca estão satisfeitas com o celular que tem, ou o computador, ou seja lá o que for… Eu conheço gente assim, até vejo um cara assim sempre que olho o espelho (!). Tecnologias, neste mundo capitalista, avançam quase que diariamente tornando ultrapassados rapidamente vários produtos que consumimos. A ciência também prossegue avançando e alçando mudanças. Alguém já disse que a única coisa estática no mundo é a mudança. Eu não concordo, pois creio em uma verdade imutável e completamente atualizada. Esta verdade que traz princípios atemporais é a Palavra de Deus. E para você, a Escritura Sagrada está desatualizada?

2 Timóteo 3:14-17

14 Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste 15 e que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus. 16 Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, 17 a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.

Os três “poréns”!

O texto que antecede está leitura é iniciado por três poréns do capítulo 3 (vs. 1,10,14). No primeiro porém, Paulo alerta Timóteo acerca dos últimos dias. Dizendo que deveria afastar-se daqueles que contradizem o caráter de um cristão! O segundo porém do versículo 10 vem carregado com o testemunho de vida do próprio Paulo, garantindo perseguições aos seguidores de Cristo e as consequências daqueles que padecem no pecado! Agora, ao refletir no terceiro porém penso que…

Paulo relembra Timóteo o real valor, utilidade e poder das Sagradas Escrituras.

Uma vez ouvi uma mensagem com base na parábola dos “odres” em que o pregador repetidamente usava a expressão: “não vaze!” (cf. Lucas 5.37,38). Isso nos ensinou algo maravilhoso, de que não podemos deixar escapar momentos em que Deus fala ao nosso coração.

Perseverança na fé (vs. 14,15)

Paulo escreve uma carta da prisão ao seu filho na fé e descreve motivos para Timóteo permanecer. Interessante do contexto em que Paulo está inserido é o fato dele estar preso. Pense bem, se você fosse preso por algum motivo e tivesse a oportunidade de escrever uma carta para alguém muito querido que estava fazendo as mesmas coisas que o levou à prisão. Você o mandaria prosseguir ou pedia para parar e não ser preso também? Paulo orienta Timóteo a permanecer…

Primeiro Paulo o orienta na importância de carregar consigo as Sagradas Escrituras que aprendeu desde sua infância. Sabe, eu não tive um bom ensinamento Bíblico em minha infância, mas minha mãe (católica) se encarregou de procurar nos instruir a uma vida correta diante de Deus. Mas infelizmente isso não deu certo para todos os filhos (em uma família de 5).

Utilidade da Escritura (vs. 16)

Em seguida Paulo aponta o uso da Palavra: “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça.”

Não existe nenhum livro tão completo em instruir do que a Bíblia. Paulo deixa claro a Timóteo a necessidade de ensinar com base nas sagradas escrituras. Hoje há muitas comunidades de fé que ensinam muitas coisas, correndo o risco de deixar de lado a Escritura Bíblica por achar que outras fontes de conhecimento são mais interessantes ao homem. Surge, então, uma religiosidade antropocêntrica, isso não agrada a Deus.

É satânico converter o foco que nas Sagradas Escrituras apontam Deus como Senhor de nossas vidas em uma religiosidade baseada no homem, em que Deus seria um “funcionário” aos nossos desejos mais egoístas. Foi neste empenho que satanás tentou tentar Jesus (Lc 4.1-13), focando o egocentrismo naquilo que agrada aos desejos físicos: pão, poder sobre a Terra e poder espiritual. As respostas de Jesus foram TODAS com base direta nas Sagradas Escrituras. Pois a Palavra tem poder!

Poder da Escritura (vs. 17)

Apenas com a Palavra da Vida o homem é perfeitamente instruído para a boa obra. Mas o proceder não é mágico, ou seja, não acredito que uma leitura despreocupada da Bíblia possa promover alguma transformação na vida do crente. Precisamos sim de uma busca no conhecimento e crescimento na Palavra como diz o salmista no primeiro capítulo de Salmos 1:1-2: Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite.

Meditação na Palavra é de suma importância na vida de qualquer crente e não cabe apenas aos estudiosos teólogos de plantão. A Palavra de Deus tem o poder de transformar assim como o conhecimento cientifico eleva nossa inteligência, porem quando trata-se da Palavra de Deus, esta transformação também vem pela ação do Espirito Santo que nos habilita para realizar a missão deixada por Cristo enquanto vivermos na Terra – a saber – pregar o Evangelho a toda criatura.

Busque, cresça, viva e pregue a Palavra!

Soli Deo Gloria

Quem é quem?

“Quem é ‘de Deus’ levanta a mão!”

Esta é uma daquelas frases de impacto que proferidas em tom de grito de guerra em shows evangélicos, ou como costumo chamar ironicamente de “gospeis”. Shows desta natureza são hoje uma bela forma de arrecadar dinheiro de um público duplamente fiel aos seus ídolos. Se são idolatrados e as pessoas gospeis vão tão somente para vê-los, então onde fica Deus em tudo isto?

Também não fico surpreso quando muitos evangélicos nem lembram na segunda-feira aquilo que foi pregado no fim de semana em sua igreja. Igrejas que não querem carregar o título de “tradicionais” alimentam seus cultos de uma série de apresentações e ministrações que causam um belo entretenimento aos ouvintes, até emocionam e envolvem as pessoas, mas pouco edifica no ensino bíblico.

“Porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?” (I Timóteo 3.5)

O que se vê por aí são reuniões desordenadas e sem a menor reverência. Adultos agindo como crianças, crianças que se divertem imitando os adultos. Meu Deus, o que é isso? Gente que não tem costume de ordem em casa e leva isso para a igreja. Líderes pregadores que dizem não precisar preparar mensagens porque o Espírito Santo de Deus vai falar, USANDO DEUS COMO DESCULPA PARA O COMODISMO. A presença do Espírito se torna um motivo para um verdadeiro picadeiro de manifestações diversas.

Vejamos o que diz a Palavra de Deus em 1 Timóteo 1.3-7:

3 Como te roguei, quando partia para a Macedônia, que ficasse em Éfeso, para advertires a alguns que não ensinassem doutrina diversa, 4 nem se preocupassem com fábulas ou genealogias intermináveis, pois que produzem antes discussões que edificação para com Deus, que se funda na fé… 5 Mas o fim desta admoestação é o amor que procede de um coração puro, de uma boa consciência, e de uma fé não fingida; 6 das quais coisas alguns se desviaram, e se entregaram a discursos vãos, 7 querendo ser doutores da lei, embora não entendam nem o que dizem nem o que com tanta confiança afirmam.

Nesta epístola, Paulo saúda seu filho na fé e exorta a refutar os mitos e genealogias irrelevantes espalhadas por aqueles que querem ser mestres da lei. Com um “passado negro”, Paulo é um belo exemplo da misericórdia divina e eleva louvores a Deus por tê-lo chamado para pregar a Cristo. Em seguida Timóteo é orientado a permanecer fiel ao que foi chamado, e é advertido contra homens como Himeneu e Alexandre que perderam sua fé.

O servo de Deus deve estar preparado para advertir os falsos mestres e ensinar o verdadeiro significado do amor.

Uma advertência (vs. 3 e 4)

Conforme podemos ver em Filipenses 2.19: “Espero, porém, no Senhor Jesus, mandar-vos Timóteo, o mais breve possível, a fim de que eu me sinta animado também, tendo conhecimento da vossa situação.” Estando próxima a libertação de Paulo em Roma, ele envia Timóteo a Filipos a fim de ter conhecimento do caminhar da igreja lá, é evidentemente planejou encontrar com Timóteo em Éfeso depois do seu regresso de Colossos e delega a tarefa de dar o devido trato aos falsos mestres a Timóteo e escreve para que ninguém questione sua autoridade.

É interessante que Paulo conhecia bem aqueles falsos mestres, ele não envia essa advertência baseada em “achismos” mas em fatos, pois conhecia, inclusive o assunto de suas mensagens heréticas: “… Fábulas e genealogias intermináveis…” Aqui o ensino judaico baseado em mitos desviava o foco da graça redentora de Cristo Jesus.

Ainda no versículo 4 Paulo diz que está linha de ensinos mais criam especulações inúteis do que crescimento na fé… Será que isso ainda existe hoje? Sim e muito!!!

O ensino do amor (vs. 5)

Após atacar os falsos ensinos, Paulo traz uma resposta para a abordagem que deveria ser feita por Timóteo. O alvo deste ensino deve ser o amor que só pode fluir de uma real experiência com Deus! O teólogo Geoffrey Wilson traz uma bela definição desses três aspectos do versículo 5:

1. Um coração puro: nas Escrituras “o coração” corresponde a totalidade do ser humano em seu íntimo (Pv 4.23), é assim um coração puro indica a radical renovação interior que habilita o homem a amar e servir a Deus com sincera devoção (Mt 5.8).
2. Uma boa consciência: a palavra consciência significa literalmente “um conhecer com”, e é o termo frequentemente empregado por Paulo para designar a faculdade inata de julgamento pessoal próprio pelo qual ele prova os seus pensamentos e as suas ações (Rm 2.15).
3. Fé não fingida: apontando os falsos mestres, Paulo fala de uma fé não hipócrita que não precisa de máscara para esconder a inverdade (2Tm 1.5).

Consequências do falso ensino (vs. 5,6)

O falso ensino protagonizado pelos falsos profetas geram desviados que vivem reconversão tolas. Ou seja. Pensamentos inúteis, vãos e sem sentido quando ministrados a pessoas sem critérios produz tão só é simplesmente discussões inúteis, vãs e sem sentido que consequentemente afastam essas pessoas da fé.

Alguém já disse que… “Se o coração do pregador não estiver posto nas grandes realidades do Evangelho, se estiver em desacordo com o profundo tom espiritual delas, ele não terá prazer em falar sobre elas, e só se alegrará muito em voltar-se para tópicos inferiores”

No versículo 7 temos essa fala que creio trazer uma certa ironia de Paulo. “Querem ser doutores mas nem sequer sabem o que dizem” (interpretação livre). É comum a falsos mestres a auto-proclamação de que eles são sábios e doutores do conhecimento e isso se reflete a todos aqueles que se desviam do Evangelho, pois anunciam seus erros com a obstinada segurança nascida da ignorância.

Contudo, o início da carta de Paulo a Timóteo léva-nos a entender tamanha importância de conhecer bem e dominar as Sagradas escrituras com o cuidado de defender a Verdade de Deus e também não nos envolver na ignorância da exaltação de si e discussões sem sentido.

Soli Deo Gloria

Falsa loucura

Em nossos dias a internet têm proporcionado conteúdos interessantes acompanhada de muita bobagem. Pena que aqueles preocupados em conteúdo de qualidade são a minoria e muitos apenas replicam o que já foi falado. No meio evangélico tem dois caras chamando atenção: Um diz que é “doido” por Jesus e o outro é um “doido” de Jesus tipo freestyle! O primeiro diz que representa a galera gospel do Brasil. Pra começo de historia o cristão vive para representar Jesus Cristo e não pessoas, até porque Cristo morreu por essas pessoas, inclusive a galera gospel.

Dizer que é doido ou agir como tal é muito fácil. Claro que em meio a muitas palavras, algumas se salvam. Só é trágico quando o percentual de bobagem é maior (ufa!). Agora vejamos um texto muito usado que fala de loucura na Palavra de Deus…

Certamente, a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus. Pois está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios e aniquilarei a inteligência dos instruídos. Onde está o sábio? Onde, o escriba? Onde, o inquiridor deste século? Porventura, não tornou Deus louca a sabedoria do mundo? Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria, aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura da pregação. Porque tanto os judeus pedem sinais, como os gregos buscam sabedoria; mas nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gentios; mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus. Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens. [1Co 1:18-25]

  1. Loucura para os perdidos

Paulo tem a certeza de que a palavra da cruz é loucura para os perdidos. Repito: loucura para os perdidos! Qual é a palavra da cruz senão a mensagem de doar-se por completo pelo outro. É loucura para os perdidos, pois são egoístas e não conseguem digerir a ideia de que Deus, o todo poderoso, viesse a terra para viver e morrer pelo outro.

  1. Loucura da pregação

Onde está a sabedoria deste mundo se a loucura de Deus, ou seja, entregar-se até a morte de cruz seria um ato de loucura para os homens? Onde estão os pensadores se a maior mensagem foi pregada em um simples, porém complexo ato – o sacrifício? A loucura da pregação é viver sacrifício – diferente do que se vê por aí…

  1. Loucura não, poder de Deus!

Em dois momentos neste texto é mencionado uma contraposição à loucura. No primeiro diz: […] para nós, que somos salvos, poder de Deus. Em seguida está escrito: […] mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus. Deixem a loucura com os perdidos e fiquemos com o poder e a sabedoria de Deus. Que não venhamos a pensar que este poder nos pertence (isto é satânico), é poder de Deus!

  1. Loucura “poética”

Por fim uma licença poética que faz todo o sentido neste texto. Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens Jesus, o Rei dos reis entrega-se a morte, sacrifício vicário por todos nós. E a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens – a morte não é o fim. Na filosofia grega, considerar a morte de um deus era vê-lo como um fraco, porém a morte foi vencida pelo poder do único Deus!

Creio que Jesus, Paulo e Cia tinham algo diferente em mente ao falar da loucura de viver o Evangelho e não apenas falavam, mas viveram! É muito mais do que ser animador de torcida!

Ouçam e pensem, vejam e repensem! Acima de tudo, busquem na Palavra de Deus as verdades eternas e sejam criteriosos com o que costumam ver por aí.

Soli Deo Gloria

A Glória é de Deus!

A carta de Paulo aos efésios foi escrita da prisão e trata princípios de extrema importância a uma igreja outrora dirigida pessoalmente por Paulo. Estima-se que ele “pastoreou” a igreja em Éfeso por cerca de 30 meses. A cidade era um importante centro urbano do império Romano com 300 mil habitantes, tinha um teatro que acomodava 25 mil pessoas.

Como toda cidade grande havia grande diversidade cultural e religiosa em Éfeso, o que se tornara um grande desafio para a primeira igreja cristã iniciada por Paulo naquela região. Estima-se que esta carta foi dirigida inicialmente a igreja em Éfeso com o interesse de ser também uma “carta circular”.

Como toda igreja cristã, esta também precisava da direção de Deus em diversas questões. As pessoas que se chegavam ao cristianismo precisavam passar por uma “reforma” de vida em todo o processo de santificação, compreendendo tamanha responsabilidade de viver para a glória de Deus!

Efésios 1.3-14

Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado, no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça, que Deus derramou abundantemente sobre nós em toda a sabedoria e prudência, desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu, como as da terra; nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade, a fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que de antemão esperamos em Cristo; em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, até ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória.

As bênçãos do Pai, a redenção do Filho e o selo do Espírito Santo leva-nos a viver para o louvor da Sua Glória!

Esta canção ou hino de louvor a Deus esboça a ação soberana da trindade em nossas vidas encerrando cada “estrofe” com a expressão – Para louvor da Sua Glória”!

  • Nos versículos 3 a 6 Ele esboça, antes de tudo, todas as bênçãos do Pai concedidas aos cristãos, sua eleição para a santificação, sua predestinação para a adoção e a manifestação da graça em Cristo;
  • Em seguida, entre os versículos 7 a 12, ele apresenta a obra do Filho na redenção, na revelação da vontade de Deus, e na recepção do crente por Deus;
  • E finalmente, ele exalta o Espírito Santo pela obra de selar os crentes como uma garantia da sua salvação eterna.

Paulo foi muito feliz ao compor esta canção, em que somos levados a refletir na ação múltipla de Deus que é um e três, como podemos observar na famosa narrativa do batismo de Jesus…

Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. [Mateus 3.16-17]

Soli Deo Gloria

Imitador de Cristo

Disse Deus: Ser-me-eis santos, porque eu, o SENHOR, sou santo e separei-vos dos povos, para serdes meus. [Levítico 20.26]

Tudo bem que o nosso Deus é Santo. Agora, quando Deus nos orienta a ser santo como Ele é o negócio complica! Como eu, um mortal pecador posso ser santo como Deus? Seria uma ilustração ou metáfora?

A resposta encontra-se na Palavra de Deus: Como filhos da obediência, não vos amoldeis às paixões que tínheis anteriormente na vossa ignorância; pelo contrário, segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento, porque escrito está: Sede santos, porque eu sou santo. [1 Pedro 1.14-16] Pedro deixa claro que não se trata de uma simples ilustração ou metáfora é sim a maneira que TODO cristão deve viver!

Deste modo quando Paulo diz em 1 Coríntios 11.1 “Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo.” Não se trata de uma atitude arrogante ou uma “ostentação gospel”, mas sim a imagem que Paulo preocupava-se em refletir. Assim também nós devemos refletir santidade a começar nos enxergando santos.

Mesmo Paulo que se enxerga imitador de Cristo foi um terrível pecador… E depois ele tornou-se perfeito? Veja o que diz a seguinte narrativa…

Alguns dias depois, disse Paulo a Barnabé: Voltemos, agora, para visitar os irmãos por todas as cidades nas quais anunciamos a palavra do Senhor, para ver como passam. E Barnabé queria levar também a João, chamado Marcos. Mas Paulo não achava justo levarem aquele que se afastara desde a Panfília, não os acompanhando no trabalho. Houve entre eles tal desavença, que vieram a separar- se. Então, Barnabé, levando consigo a Marcos, navegou para Chipre. Mas Paulo, tendo escolhido a Silas, partiu encomendado pelos irmãos à graça do Senhor. E passou pela Síria e Cilícia, confirmando as igrejas. [Atos 15.36-41]

Pois é, a discussão de Paulo com Barnabé leva-os a seguirem caminhos diferentes até segunda hora. Isto nos leva a entender que Paulo não tornou-se um extraterrestre ao dizer ser imitador de Cristo. Ele apenas entendeu a responsabilidade de carregar o nome de cristão.

Todos os dias somos “testados” para ver se realmente podemos carregar o nome de cristão! Apesar de nós, Cristo se entregou na cruz em nosso favor, então nossas atitudes devem refletir gratidão por Ele!

Minha oração é que eu possa me enxergar da maneira como Deus quer me ver.

Soli Deo Gloria

Missões apesar de mim

O passado de Paulo

    Existe um passado pouco amistoso na historia de vida de Paulo antes de ser conhecido como o apóstolo dos gentios. Um homem conceituado, um líder, conhecedor de filosofias, falava alguns idiomas e respeitado pelo império. Que currículo heim? Um bom partido para uma moça solteira ou um possível gerente para nossa empresa. Mas a Bíblia narra ainda uma outra especialidade de Paulo: Perseguir, prender, torturar cristãos, conforme Atos 8.3: “E Saulo assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, os encerrava na prisão”. Isso não o impediu de cumprir com seu serviço missionário ao Senhor e mesmo marcado pelo seu passado (Atos 26.9-11) foi fiel a Deus desde o seu encontro com Jesus Cristo. Sejamos sinceros, muitos de nós não aceitaríamos enviar um “Paulo” para o campo missionário depois de tudo o quanto tinha feito contra a igreja.

O novo Paulo no presente

    Graças a Deus ele cumpriu sua missão, foi de extrema importância no plantio de diversas igrejas e um destemido missionário e sábio orientador para os diferentes problemas existentes até hoje nas igrejas. Mas isso só se deu depois de sua conversão no caminho para Damasco (Atos 9.3-5) e foi lá que, o homem ainda conhecido como Saulo deu o maior passo de sua vida: Encontrou, aceitou e caminhou segundo Jesus lhe orientou. Essas três etapas na vida de Paulo fala muito ao nosso coração. Muitos de nós lembramos bem do nosso “encontro com Jesus”, até detalhes do dia em que aceitamos a Cristo, mas o caminhar segundo nos é orientado pelo nosso Senhor não é sempre uma realidade em nossas vidas.

    O novo Paulo se torna um pregador em potencial, seu passado ainda é lembrado por muitos mas isso não o impede de continuar seu caminho. A nova vida em Jesus Cristo se fez conhecida através do testemunho de Paulo (Atos 9.20-22). Com ousadia pregou o evangelho mesmo correndo o risco de perder a vida, que exemplo!

A herança de Paulo

    “Assim, pois, as igrejas em toda a Judéia, e Galiléia e Samaria tinham paz, e eram edificadas; e se multiplicavam, andando no temor do Senhor e consolação do Espírito Santo (Atos 9.31)”
    O viajante e plantador de igrejas Paulo, antes conhecido como um incansável perseguidor de cristãos, agora é conhecido como um multiplicador da igreja do Senhor. Toda sua dedicação em testemunhar o evangelho deu força para muitos cristãos, incentivou outros à missão e até hoje temos Paulo como um exemplo de fé, obediência e perseverança. Responsável por grande parte do nosso Novo Testamento, Paulo conseguiu pastorear igrejas diferentes em locais diferentes com culturas diferentes.

    Tratou de cada assunto recorrente aqueles dias. A importância do casamento e o papel do marido e da esposa (I Coríntios), homossexualidade (Romanos), Salvação (Romanos), a Lei (Gálatas), Líderes na igreja e os últimos dias (I e II Timóteo) e tantos outros assuntos que ainda hoje são de extrema importância para a igreja. Tudo aconteceu por ele ter sido obediente a Deus. Pense uma coisa… se todos nós, os crentes, fôssemos tão obedientes quanto Paulo, não deixaríamos uma bela herança também?

Onde estão os Paulos dos nossos dias?
“E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.”
(Mateus 28.18-20)
    Que o IDE de Jesus é para cada um de nós, todos já sabemos. Mas será que cumprimos? Acompanhar a vida de Paulo na Palavra de Deus me envergonha. Sei que há muita coisa que me impede de servir a Deus com essa notável força de vontade.

    Missões apesar de mim – é compreender que independente de uma vida distante de Deus no passado ou até no presente, Jesus nos convida. Convida por ser nosso amigo. Deus pode todas as coisas, mas na Sua sabedoria espera que cada um de nós sejamos praticantes de Sua Palavra. Como nos disse… “E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos” (Tiago 1.22).

Cumpra a Palavra, viva o amor de Deus, caminhe segundo Jesus caminhou cheio do Santo Espírito. Amém!
Mas nem todos têm obedecido ao evangelho; pois Isaías diz: SENHOR, quem creu na nossa pregação?
De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.
(Romanos 10.16,17)
Soli Deo Gloria