Alegria compartilhada

No capítulo 3 de Filipenses, vimos Paulo usando o exemplo de sua própria vida para exortar à igreja e argumentando que seu curriculum aparentemente perfeito aos olhos dos religiosos de nada servia ao seguidor de Jesus Cristo, pois este deve estar sempre olhando a diante e seguindo os passos do único que é perfeito no proceder.

Vejamos o que esta carta ainda tem a nos ensinar sobre vida comunitária e alegria.

Filipenses 4:1-9

1 Portanto, meus irmãos, amados e mui saudosos, minha alegria e coroa, sim, amados, permanecei, deste modo, firmes no Senhor. 2 Rogo a Evódia e rogo a Síntique pensem concordemente, no Senhor. 3 A ti, fiel companheiro de jugo, também peço que as auxilies, pois juntas se esforçaram comigo no evangelho, também com Clemente e com os demais cooperadores meus, cujos nomes se encontram no Livro da Vida. 4 Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos. 5 Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens. Perto está o Senhor. 6 Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. 7 E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus. 8 Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento. 9 O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus da paz será convosco.

Esta primeira parte do final da carta de Paulo aos Filipenses é “um clamor à paz”! Ele traz essa proposta que é o âmago de uma vida feliz, de modo que o texto que acabamos de ver poderia se resumir em:

Paulo apela aos filipenses que vivam em paz e desta maneira alcançariam alegria!

  1. É alegre quem tem paz interpessoal

O versículo 1 deste capítulo já traz o teor de apelo, veja como Paulo elogia a igreja, chamando até de “fonte de sua alegria”, que logo segue do conselho: “Permanecei, firmes no Senhor”!

Os versículos que seguem (vs. 2-4) são apelos de paz a pessoas específicas e depois a todos. Veja que no verso 2 Paulo não “economiza” palavras e dirigi-se às pessoas em específico. Provavelmente havia muita divergência entre as duas alí…

Depois o versículo seguinte (vs.3), ele pede a este companheiro (?) que as auxilie por serem cooperadoras. Assim também com Clemente e todos cooperadores. Termina este apelo inicial com um clamor à alegria, assim como vimos no capítulo 3.1. A alegria deve ter estar no Senhor!

  1. É alegre quem tem paz intrapessoal

Agora o foco do apelo muda de direção. Dos versículos 5 a 7 Paulo dirige a palavra à questões individuais. Em primeiro lugar ele aponta para nosso testemunho. “… vossa moderação conhecida de todos os homens.” Aqueles crentes precisavam se preocupar em como eram vistos pelas pessoas, pois o Senhor perto está.

Os versículos 6 e 7 tratam de oração. É bastante interessante que para ter paz interna precisamos nos manter ligados a Deus num relacionamento constante. A Bíblia diz: “Orai sem cessar!” em 1 Tessalonicenses 5.17 e logo em seguida Paulo diz: “Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco”. Dessa forma vejo que no relacionamento de Paulo com Deus, nas suas orações havia uma ênfase na gratidão. Assim acontece no versículo 6 de Filipenses 4 – ele orienta que não devemos andar ansiosos e que tudo deve ser colocado diante de Deus com orações e AÇÕES DE GRAÇA!

Consequentemente o verso 7 fala de uma paz indescritível. Essa paz é guardadora de nossos pensamentos e sentimentos em Cristo. Esta é a “fórmula” para que não venhamos a viver nos preocupando com as questões da vida.

  1. É alegre quem tem paz com Deus

Seguindo os próximos versículos (vs. 8,9) temos Paulo orientando qual percusso se deve caminhar para alcançar paz com Deus, para isso é preciso viver intensamente. Observe que a palavra TUDO antecede a lista de atribuições que devemos ser:

  • Verdadeiros
  • Respeitáveis
  • Justos
  • Puros
  • Amáveis
  • Boa fama

É isso que deve povoar nosso pensamento. De forma que é preciso seguir os passos de quem acerta esse alvo. Paulo encerra dizendo (vs.9): “O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus da paz será convosco”. Se não nos sentimos em paz com Deus, é porque talvez nos falte alguns itens nesta lista!

Somente assim se tem paz em Deus! Para viver em paz é preciso que ela seja completa. Paz com os outros. Paz conosco. E paz com Deus.

E disse Jesus: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo.” (João 14.27a)

Soli Amori Christi

A paz do Senhor

[mensagem para a IBMB feita a partir da minha reflexão chamada: Paz, mas que paz – já no blog]

Declarar a paz do Senhor ao iniciar alguma fala na igreja é uma saudação do povo evangélico. Mas onde está a paz? Se essa funcionaI apenas da boca para fora que valor pode ter? E como declarar a paz do Senhor para pessoas que estão vivendo uma verdadeira guerra, como no Complexo do Alemão, comunidade do Rio de Janeiro.
“Curam superficialmente a ferida do meu povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz.” (Jeremias 6.14)
    A paz só é alcançada por aqueles que compreendem que esta vida no mundo é apenas passageira e que problemas são comuns neste lugar. “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições…”  (João 16 : 33). Então penso: como viver em paz? Na verdade precisamos entender a dimensão desta paz. Não é uma simples paz momentânea, é paz em Jesus… o salmista deixou um recado a esse respeito:
“Muita paz têm os que amam a tua lei, e para eles não há tropeço.”
(Salmo 119.165)
    Amar os desígnios de Deus; Viver segundo o coração do Pai; Pessoas que vivem desta forma não encontram tropeços. É interessante aqui a palavra tropeço, pois ela comunica algo de extremo valor pedagógico – o fato de não haver tropeço não significa que os obstáculos deixarão de existir, mas mostra que saberemos vencê-los.
A paz em minha vida
Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize. (João 14.27)
    Ter a paz do Senhor em nossas vidas está sempre além de tudo o que podemos imaginar no que se refere a paz! Pois é a paz DELE! A Paz que Jesus nos deixou e com ela o nosso coração não se turba nem nos atemorizemos. Quando isso não está acontecendo em nossa vida não significa ausência dessa paz, mas falta de fé.

    Existe um texto, na Palavra de Deus, que nos dá a certeza de que carregamos essa paz: “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.” (Gálatas 5.22). Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito! Essa paz é fruto do Espírito Santo e por consequência ela está em nós!

A paz na vida das pessoas
    Também é de total responsabilidade nossa anunciar e levar essa paz as outras pessoas. Dizer que vive na paz do Senhor e viver em pé de guerra em nosso lar é um tanto contraditório. Infelizmente eu conheço gente que vive assim. Em I Tessalonicenses 5.12, 13 está escrito: “E rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós e que presidem sobre vós no Senhor, e vos admoestam; E que os tenhais em grande estima e amor, por causa da sua obra. Tende paz entre vós”. Paulo orienta aos  Tessalonicenses viver em paz uns com os outros por ser um reflexo do amor.
A paz para o mundo
Lucas 2.12-14
“E isto vos será por sinal: Achareis o menino envolto em panos, e deitado numa manjedoura. E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a Deus, e dizendo: Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens.”
    O menino do relato bíblico é o Menino Jesus. As palavras do anjo do Senhor aos simples pastores foi de uma esperança já até esquecida naqueles dias… de que o Messias estava acabara de nascer. Os anjos em multidão louvaram a Deus dando glória e declarando paz na Terra aos homens bons, pois o menino Jesus nasceu e hoje é vivo e reina em nós. O reinar de Deus em Jesus em nossas vidas e o poder do Santo Espírito que habita em nós traz paz…

    Receba a paz de Deus em sua vida! Viva esta paz. Não apenas declare a paz aos outros. Leve a paz! Os problemas da vida insistem em tirar nossa paz, mas nós temos todas as possibilidades de vencê-los, pois Jesus Cristo disse:

“ …mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”.
Soli Deo Gloria

Paz, mas que paz?

    Declarar a paz do Senhor ao iniciar alguma fala na igreja é uma saudação do povo evangélico. Mas onde está a paz? Se essa funciona apenas da boca para fora que valor pode ter? E como declarar a paz do Senhor para pessoas que estão vivendo uma verdadeira guerra, como no Complexo do Alemão, comunidade do Rio de Janeiro.

    A paz só é alcançada por aqueles que compreendem que esta vida no mundo é apenas passageira e que problemas são comuns neste lugar. “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições…”  (João 16 : 33). Então penso: como viver em paz? Na verdade precisamos entender a dimensão desta paz. Não é uma simples paz momentânea, é paz em Jesus… o salmista deixou um recado a esse respeito:

“Muita paz têm os que amam a tua lei, e para eles não há tropeço.”
(Salmo 119.165)
    Amar os desígnios de Deus; Viver segundo o coração do Pai; Pessoas que vivem desta forma não encontram tropeços. É interessante aqui a palavra tropeço, pois ela comunica algo de extremo valor pedagógico – o fato de não haver tropeço não significa que os obstáculos deixarão de existir, mas mostra que saberemos vencê-los.

    Receba a paz de Deus em sua vida! Viva esta paz. Não apenas declare a paz aos outros. Leve a paz! Os problemas da vida insistem em tirar nossa paz, mas nós temos todas as possibilidades de vencê-los, pois Jesus Cristo disse:

“ …mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”.
Soli Deo Gloria