Fim de festa

Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito; quem é injusto no pouco, também é injusto no muito. [Lucas 16.10]

Num desses feriados, estava eu despertando a caminho da varanda do apartamento, quando visualizo uma cena que me trouxe vergonha alheia: Um homem que aparentava mais de 50 anos abre a garagem de sua casa e começa a despejar dezenas de balões amarrados e outros soltos pela rua e ficava observando o vento levar…

Comecei a me perguntar, será que um homem dessa idade nunca aprendeu sobre o que devemos fazer com o lixo? Seria tão difícil estourar os balões e coloca-los no lixo?

Não falo apenas da qualidade de cuidado com a propriedade pública é também uma questão ecológica e, ainda mais, já imaginou uma criança, que ama balões correr atrás de um balão pela rua e acabar sendo mais uma vítima de um acidente? Aí você pensa que exagerei, mas quem conhece o comportamento de certas crianças pode imaginar o perigo que há.

Daí volto a pensar neste texto inicialmente citado. Jesus, por meio de parábola, ensina sobre dinheiro e neste versículo 10 traz essa belíssima constatação. Daí começo a pensar, qual a diferença de um homem que joga balões pela rua a um político envolvido no desvio de milhões? O que comete “errões” também comete “errinhos”, vice-versa!

O Brasil vive em fim de festa, jogando sua sujeira ou colocando embaixo do tapete. Gente que não cuida da própria rua ou da segurança dos pedestres não deveria reclamar daqueles que roubam nossos impostos.

Fazem textão nas redes virtuais e filosofam sobre qualquer coisa deitados em suas redes, mas faltam atitudes que geram reais mudanças.

O que esperar de um amanhã? Pessoas honestas, crianças educadas, jovens que mudam efetivamente o mundo à sua volta? Eu espero em Deus, que por graça e misericórdia usa pessoas para aliviar o peso de um mundo corrompido.

Bom seria se as pessoas fossem educadas com a Bíblia, antes mesmo de aprender a matemática do roubo, o português do engano, a biologia de machucar e a geografia de dominar.

Biblifique-se!

Soli Amori Christi

Discursos entusiastas

Dentro do movimento gospel, assim como em tantos outros movimentos sociais, temos figuras humanas que se assemelham a animadores de torcida.

Seja mesmo em uma torcida de futebol, ou num comício político (ou apolítico), ou pela luta dos direitos de alguma minoria ou mesmo entre fanáticos por alguma causa. Lá encontramos entusiastas, pessoas que contaminam aqueles à sua volta com seus discursos que, em muitos casos, atingem sucesso na condução da massa popular.

Só que a minha preocupação aqui não se dá pela existência desses influentes homens e mulheres, não mesmo! Pois muitos militam por causas extremamente necessárias e alguns até conseguem promover mudança social.

Minha preocupação está relacionada aos entusiastas religiosos. Recentemente li em rede social alguém que criticava certo líder por ser responsável (ou irresponsável) em formar pessoas que acabaram tornando-se “fanáticas ao anti-fanatismo”. Incrível não?

Creio que a maioria dos entusiastas religiosos geram nada mais que outros entusiastas religiosos que irrefletidamente aceitam, curtem e compartilham aquilo que alguém falou. Neste caso se o líder fala uma heresia seus seguidores espalham a heresia e caso esta heresia adquira um grande público, logo torna-se uma “verdade mentirosa”.

Um claro exemplo é a tal teologia da prosperidade que impressionantemente, ou não, continua como modinha em muitos redutos evangélicos e nem sempre trata-se de dinheiro. Hoje, por exemplo faz-se até sacrifícios para quem sabe obter um cônjuge “prometido”! Isso não parece uma barganha?

Aceite ou não, a maior referência de liderança no cristianismo – Jesus Cristo – o próprio Deus encarnado não me parece um entusiasta interessado em ‘likes’ em sua rede social, mas sim um doador de si mesmo interessado em levar todos a sua volta a uma reflexão daquilo que realmente importa nesta vida… O ministério da reconciliação com Deus e que é preciso morrer para viver!

Em João 12.24-25, está escrito:
Em verdade, em verdade vos digo:se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto. Quem ama a sua vida perde-a; mas aquele que odeia a sua vida neste mundo preservá-la-á para a vida eterna.

Este parece um discurso entusiasmado? Jesus continua…

Se alguém me serve, siga-me, e, onde eu estou, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, o Pai o honrará. [João 12.26]

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria