Mais ou Menos?

A criação de Deus é incrível! Tudo Ele criou segundo a Sua infinita sabedoria. Criou o ser humano e o dotou de uma complexa capacidade de pensar e agir que o difere de toda a criação. Além destas, existem outras características peculiares no ser humano, entre elas destaco aqui a inconstância. Alguém já disse, certa vez, que a única coisa constante em nossas vidas é a mudança. Já parou para pensar o quanto somos inconstantes? Leia o texto de Jonas 3. 10; 4. 1-11:

Tiramos logo uma lição importante deste texto: A misericórdia de Deus permanece apesar da inconstância de Jonas. O mesmo se aplica a todos nós hoje!

I. Deus salva o povo de Nínive e Jonas não se agrada disso – o profeta desejava a morte de todo aquele povo, pois não considerava a benignidade de Deus. No Salmo 86. 5 está escrito: “Pois tu, Senhor, és bom, e pronto a perdoar, e abundante em benignidade para todos os que te invocam”. Deus está pronto para perdoar, se assim não fosse, o sacrifício de Jesus não teria significado. E essa benignidade nos é presenteada como fruto do espírito (cf. Gálatas 5. 22);

II. Jonas, que dentro do peixe clamou a Deus por sua vida (cf. cap. 2), agora deseja a morte por não aceitar a vontade de Deus. Jonas se arrepende e cumpre o seu papel de profetizar, mas ainda não compreende a dimensão do amor de Deus. Será que acreditamos naquilo que pregamos?

III. Após ser questionado por Deus, Jonas vai esperar de “camarote” o que aconteceria à cidade de Nínive. É quando Deus o presenteia com um guarda sol natural, fazendo nascer uma planta que cobria o profeta e ele se alegra. Logo no dia seguinte Deus faz a planta morrer e isso deixa Jonas novamente irado, desejando mais uma vez a morte. Veja que homem inconstante! Será que pessoas assim existem em nossas igrejas?

IV. Por fim Deus dá mais uma lição a Jonas… De que ele deveria ter compaixão da planta a qual não precisou dos seus esforços, assim, deveria ter compaixão de Nínive que era um povo sem discernimento, mas alcançou a misericórdia de Deus ao se arrepender e isso custou apenas um dia de trabalho a Jonas.

Quantos de nós interrogamos Deus pelo que Ele faz ou deixa de fazer? Somos muito inconstantes, ora estamos felizes e damos graças a Deus por tudo, ora nos entristecemos e aborrecidos deixamos até de orar. É uma triste verdade, mas nós temos muitas atitudes de Jonas. Não entendemos a benignidade pelo fato de não praticarmos benignidade e esse é um dos motivos de nossa inconstância.

Essas deveriam ser as palavras de Jonas:

“EXALTAR-TE-EI, ó SENHOR, porque tu me exaltaste; e não fizeste com que meus inimigos se alegrassem sobre mim. SENHOR meu Deus, clamei a ti, e tu me saraste. SENHOR, fizeste subir a minha alma da sepultura; conservaste-me a vida para que não descesse ao abismo. Cantai ao SENHOR, vós que sois seus santos, e celebrai a memória da sua santidade. Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.” (Salmo 30. 1-5)

E disse Jesus sobre sua volta:

“Na verdade, na verdade vos digo que vós chorareis e vos lamentareis, e o mundo se alegrará, e vós estareis tristes, mas a vossa tristeza se converterá em alegria. A mulher, quando está para dar à luz, sente tristeza, porque é chegada a sua hora; mas, depois de ter dado à luz a criança, já não se lembra da aflição, pelo prazer de haver nascido um homem no mundo. Assim também vós agora, na verdade, tendes tristeza; mas outra vez vos verei, e o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém vo-la tirará.” (João 16. 20-22)

Mais ou menos? Feliz ou triste? Vida ou morte? Eu opto pelo mais, o mais de Deus!!!

Soli Deo Gloria

Um Profeta Desesperado (Consagração)

JONAS 2

Em todo o livro de Jonas temos fortemente ensinos a respeito da Misericórdia de Deus. No último post aqui no blog escrevi uma mensagem com base em Jonas 1.1-6, onde falei do Profeta Desobediente. Hoje vou falar desse mesmo profeta, agora um Profeta Desesperado e que no capítulo 2 faz uma oração e naquele momento de angústia se CONSAGRA ao Senhor. Vejamos alguns momentos desta oração na angústia e a provisão de Deus:

1. Oração de Esperança
Jonas ora ao Senhor na esperança de que ele, mesmo sem merecer, escaparia daquela situação que o levaria a morte.

2. Oração de Sinceridade
Jonas reconhece que aquele seu destino era vontade de Deus. Passar três dias dentro do peixe (1.17), trouxe reconhecimento ao Profeta.

3. Oração de Gratidão
“Mas com a voz do agradecimento eu te oferecerei sacrifício” (2.9a). Jonas reconhece que aquela situação fora livramento de Deus quado enviou o peixe ao seu resgate.

4. Oração de Compromisso
“O que votei pagarei. Ao Senhor pertence a salvação” (2.9b). Aqui o profeta se CONSAGRA ao Senhor, assumindo o compromisso reconhecendo o ato misericordioso de Deus.

5. Deus Responde a Oração
No versículo 10 Deus dá ordem ao peixe que devolve Jonas para a terra firme. Agora o profeta estava na posição de cumprir a vontade de Deus. Em Sua sabedoria, Deus quer agir através do teimoso profeta.

CONSAGRAÇÃO – ato de se consagrar é tomar sinceros votos ao Senhor. Onde nos colocamos à disposição do Pai para que se cumpra o querer de Deus em nossas vidas. Será que precisamos passar por alguma angústia para reconhecer que precisamos nos levantar do banco e agir em nome de Deus? Ou vamos continuar nos afogando em nossas vontades? O grande peixe nos chama ao arrependimento. Jesus nos convida a uma nova vida. O que há de novo em nós?

Soli Deo Gloria

Evangelho segundo X-MEN

Por um instante pensei em um Evangelho segundo o grupo de mutantes que têm invadido os cinemas, levando muitos a toma-los como exemplo de vida, mesmo que estas vidas sejam fictícias. O fato é que o contexto histórico que envolve os X-MEN é mesmo fantástico. Mas, pensando bem… Eles não são diferentes dos cristãos. Um povo diferente, que pensa diferente e age diferente. Têm inimigos que usam os “poderes” para o mal e ainda proclamam a paz e harmonia no mundo. Alguma semelhança?

No universo X-MEN há verdadeiros e falsos profetas. Os verdadeiros são os mutantes que ao descobrir seu potencial dedica sua vida mostrando que o poder deve ser usado para preservar a paz, unidade e evitar um mal eminente. Os falsos profetas são os mutantes egoístas que usam seus poderes para se “dar bem” não se importando com as consequências, vêm para roubar, matar e destruir! Alguma semelhança?

Os mocinhos da historia fictícia procuram permanecer firmes naquilo que acreditam ser o melhor e mesmo contrariados pelo mundo a qual protege não desistem. Já os inimigos querem promover a destruição do povo sem “poderes” e ainda os joga contra os mocinhos. Há alguma semelhança?

Não quero de maneira alguma insinuar que o enredo de X-MEN saiu das Escrituras Sagradas. Mas a guerra entre o bem e o mal que está presente na fantasia das pessoas é real. Não como mostram nas historias em quadrinhos e nas telas de cinema. Mas há uma real batalha que está acontecendo neste exato momento.

“MAS o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios; Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência. […] Esta palavra é fiel e digna de toda a aceitação; Porque para isto trabalhamos e lutamos, pois esperamos no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, principalmente dos fiéis.”
(I Timóteo 4: 1,2,9 e 10)

Estamos prontos pra batalha, ou ainda precisamos aprender com o professor X?

Soli Deo Gloria

Um Profeta Desobediente

Usamos muitos exemplos dos profetas para motivar a igreja em fazer o seu papel profético em nossos dias. Profetas foram grandes homens que eram usados por Deus num propósito específico. E todos foram altamente obedientes, pois eram mensageiros do Senhor. Será mesmo?

Observando Jonas 1.1-6 vejo que o livro já começa com uma atitude de desobediência deste homem de Deus. Vamos ver algumas considerações naquela situação:

Historicamente um profeta era enviado por Deus para pregar ao seu povo e não a povos diferentes. Jonas era considerado inimigo de Nínive por ser de outra nação. Os inimigos de Nínive eram tratados debaixo de grande violência. Será que Jonas tinha motivos para desobedecer? E nós, temos motivos para desobedecer?

Vejamos algumas lições da desobediência de Jonas:
1. Não há como fugir da presença de Deus;
2. Jonas tinha disposição à desobediência;
3. Deveria ser grato a Deus (por ser escolhido), mas não foi;

No quarto versículo Deus envia uma tempestade que abala as estruturas do navio e quase o despedaçou. Vejo nessa tempestade a forma que Deus, em sua sabedoria, usa para que o profeta desobediente cumprisse com Seu propósito. Hoje vejo uma tempestade se aproximando do nosso país, tempestade essa que até pode abalar nossa nação. De repente é nessa tempestade que Deus nos tirará da zona de conforto para cumprir o IDE dado por Jesus Cristo.

“A tempestade não veio para destruir, mas para construir a vida de Jonas.”

Soli Deo Gloria