Guerra Gospel

O cinema, que têm lucrado bastante com filmes de heróis, percebeu que o grande público curte a ideia de ver pancadaria entre os heróis. E não importa os motivos da briga, pois nesses filmes o fim justifica o meio, mesmo que não faça sentido!

O que se espera é que heróis sejam sempre bem intencionados. No filme da Marvel – Gerra Civil, existe uma razão que divide os heróis e os leva ao confronto. Isso tudo me levou a pensar sobre a guerra gospel que vivemos Brasil. Foi nos dado por Jesus poder para propagar a salvação e uma expressa ordem de ser irmãos, o que temos feito então? Igrejas, denominações, ministérios, bandas, pastores e ovelhas. Será que faz sentido lutar entre irmãos?

Por um lado essa “guerra” entre irmãos enfraquece a Missio Dei, pois a proposta de Deus para a humanidade é abrangente, e uma vez que gastamos tempo e energia lutando uns contra os outros, perdemos a oportunidade de fazer uma real diferença no mundo.

Só que é importante pensar que até mesmo a Palavra de Deus ensina que devemos combater certos movimentos religiosos que tentam confundir os cristãos. As falsas doutrinas e falsos mestres existiam nos tempos dos primeiros cristãos e estão espalhados por todo o mundo alcançando os nossos dias. Combatê-los (não somente ensino, mas também ensinadores) é sim uma tarefa nossa!

Veja a orientação de Paulo à igreja sobre falsos mestres e falso ensino em 2 Timóteo 2:14-18

Recomenda estas coisas. Dá testemunho solene a todos perante Deus, para que evitem contendas de palavras que para nada aproveitam, exceto para a subversão dos ouvintes. Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. Evita, igualmente, os falatórios inúteis e profanos, pois os que deles usam passarão a impiedade ainda maior. Além disso, a linguagem deles corrói como câncer; entre os quais se incluem Himeneu e Fileto. Estes se desviaram da verdade, asseverando que a ressurreição já se realizou, e estão pervertendo a fé a alguns.

Aqui a orientação de Paulo à Timóteo, um jovem pastor, é que ele esteja preparado, aprovado e capacitado pela Palavra de Deus para ensinar a Verdade afim de que seus ouvintes evitem debates inúteis.

Paulo chega a utilizar uma linguagem muito forte quando diz que “a linguagem deles corrói como câncer”. E se não bastasse denunciar a inutilidade desses debates, ele ainda cita os NOMES daqueles que se desviaram e que acabaram influenciando outros.

Assim é que deve ser nosso posicionamento diante daqueles que deturpam a mensagem enganando fiéis! Ao mesmo tempo devemos nos unir aos “domésticos na fé” e juntar nossas forças, pois o nosso propósito é um só – que mais vidas sejam alcançadas pela graça salvadora de Cristo Jesus!!!

Soli Amori Christi

Mentir em nome de Deus?

Quantos filmes ou documentários que contam historia que atestam mentiras do mundo religioso você já assistiu? Quantas revistas de ciências e curiosidades que denunciam inverdades promovidas por religiões você já leu? Quantos sites, blogs, vlogs e notícias em redes sociais você tem visto que delatam práticas e ensinos que contradizem o que os religiosos pregam?

Você já viu uma igreja assumir um grande erro e pedir perdão por tantos anos de ensinos heréticos, independente do resultado que esta notícia cause em seus fiéis? Pois é, isto é algo incomum de se ver, pois se uma instituição reconhece que errou, acaba perdendo seu valor e consequentemente perde os seguidores, porém muitos estão enganados ou se enganado mundo afora.

Com o intuito de revelar algumas mentiras, que o Marcos Botelho está para lançar um e-book colaborativo com as 95 mentiras do mundo gospel. Um veículo de informações que poderá esclarecer muitos críticos e causar revolta em outros tantos. Desta feita, enviei uma de minhas contribuições, que segue:

Uma das maiores mentiras do mundo gospel é nos considerar responsáveis em convencer as pessoas a respeito da fé em Jesus Cristo, o que chamo de marketing gospel!

Isso é feito por muitos líderes com a intenção de tomar para si a responsabilidade ou o mérito em converter as pessoas. O que faz as pessoas os admirar e viver em uma “co-dependência espiritual”, o que eles chamam de cobertura espiritual.

Segundo a Bíblia a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus (Romanos 10.17), porém é a ação do Espírito Santo que leva ao convencimento de que somos carentes da graça redentora de Cristo!

Mas eu vos digo a verdade: convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei. Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: do pecado, porque não creem em mim; da justiça, porque vou para o Pai, e não me vereis mais; do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. [João 16.7-11]

Soli Deo Gloria

Cultura bíblica ou religião?

A expressão religião dentre suas origens, a mais aceita é do latim religare – que significa ligar novamente no sentido de retornar às origens, ou seja, ao criador. Prestar culto a Deus, ou a um poder superior de certo modo; doutrina; princípios.

A religião cristã tem como principal base de estudos a Bíblia Sagrada, nela temos acesso às orientações dadas por Deus a homens e mulheres, profecias, promessas, narrativas históricas, palavras do próprio Deus e A Palavra em vida – Jesus Cristo!

A Bíblia Sagrada nos apresenta práticas religiosas acompanhadas de forte influência da religiosidade de Israel, chamo tudo isto de cultura bíblica, que ainda propõe diversas influências de antigas religiões, principalmente a prática de vários rituais.

Só que em Cristo somos apresentados a uma nova cultura, a cultura de um Deus relacional e sacrificial, isto rompe com todas as barreiras das antigas religiões. Isto é o novo, a Boa Nova que se estabelece no Verbo que veio ao mundo para nos salvar! Em meio a esta novidade temos uma nova (e antiga) cultura – o que chamo aqui de Cultura de Deus!

A cultura de Deus nos traz princípios supraculturais que estão muito acima da linha do tempo, ou seja, não pode ser amarrada aos valores (se é que ainda temos) dos nossos dias. A cultura de Deus é inegociável, inerrante e através de Sua Palavra torna-se inteligível, desde que revelada com integridade.

Hoje somos acometidos de diversas influências religiosas e culturas não bíblicas que vez por outra são confundidas ao cristianismo. Então como saber distinguir o que é religião, cultura bíblica ou a “cultura de Deus”?

É indubitável que a resposta encontra-se na Palavra de Deus! Mas não deve ser estudada como um livro qualquer. É preciso ter temor a Deus, fé e capacitação. Elementos estes que faltam nos religiosos dos nossos dias, de forma que se podem fazer afirmações errôneas e heréticas mesmo que extraída da Bíblia Sagrada.

Vou trazer um exemplo: desde a criação Deus deixou muito claro o papel institucional do homem e da mulher, seja na família, seja na instituição neotestamentária chamada igreja. Ao homem a responsabilidade de cuidar e manter tanto as necessidades físicas, como espirituais. À mulher o auxílio, que é de suma importância ao cumprimento do papel do homem.

Então, tanto na família, como na igreja existem papéis claros que foram dados a cada um. Muitos chamam isto de religiosidade ou até cultura ultrapassada. Eu chamo de cultura de Deus. É claro que existem divergências acerca deste assunto e alguns outros e é muito comum que as pessoas aceitem a direção mais cômoda. Só que é importante alertar que a cultura de Deus é “incômoda” a todos nós!

Pretendo escrever mais sobre assuntos conflitantes em nossos dias e aceito sugestões de temas, críticas e correções para melhoria e fidelidade aos pensamentos desenvolvidos.

#Repense #Reflita & #RevoluciAME

Soli Deo Gloria