Filhos da Luz

Jesus disse que nós, os filhos de Deus, somos a luz desse mundo. Só que não há luz em nós se não somos nascidos Dele. É preciso ser filho da Luz para ser luz neste mundo e o Evangelho de João nos apresenta Cristo Jesus como a Luz que veio ao mundo de trevas gerar filhos de Deus, filhos da Luz. Veja o que está escrito em João 1.1-13:

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens; a luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela. Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João. Este veio como testemunha, a fim de dar testemunho da luz, para que todos cressem por meio dele. Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz. Pois a verdadeira luz, que alumia a todo homem, estava chegando ao mundo. Estava ele no mundo, e o mundo foi feito por intermédio dele, e o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus.

  1. O Verbo (1-3)

Nos primeiros versículos João nos apresenta o Cristo preexistente e traz em poucas palavras um dos grandes mistérios das Escrituras, quando diz: “o Verbo estava com Deus”, traz a perspectiva de Jesus distinto de Deus. Logo ele afirma: “e o Verbo era Deus”, que apresenta a perspectiva unitária de Deus que é Três e Um!

  1. Luz e trevas (4,5)

“Nele estava a vida”. Esta afirmação nos leva ao princípio de todas as coisas… Veja em Gênesis 2.7: E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida; e o homem tornou-se alma vivente. E voltando ao Evangelho de João, ele fala que a vida era a luz dos homens. Ou seja, o fôlego de Deus que é o dom da vida era luz. O que se faz da vida ao desobedecer a Deus é apagar esse “sopro de luz”, é viver nas trevas.

Porém a Palavra afirma que não há trevas contra a luz divina. Desta maneira quando nós flertamos com o pecado, estamos tentando apagar a luz de Deus em nós. É uma pena que muitos conseguem tal façanha auto-destrutiva.

  1. João – o testificador da Luz (6-9)

Imediatamente surge uma novo personagem no Evangelho de João. É um homem também chamado João que, segundo o versículo 6 foi enviado por Deus, um missionário, um visionário. Sua missão era falar a respeito da Luz e reacender a vida outrora e a tanto tempo apagada. Os versículos 8 e 9 deixam claro que João, apesar de ser um enviado de Deus, não era a Luz, não tinha luz própria, pois “a verdadeira luz que, vinda ao mundo, ilumina a todo homem”. É válido alertar que esta afirmativa de que a Luz ilumina a todos não significa que toda a humanidade será salva, como infelizmente alguns teólogos afirmam, e sim que a oportunidade de salvação vem para todos, como veremos a seguir nos próximos versículos.

  1. Os filhos de Deus (10-13)

No versículo 10, mais uma vez João aponta para o Cristo preexistente, dizendo que o mundo foi criado por Ele. Logo em seguida o evangelista fala da incredulidade do homem em não reconhecer o senhorio de Deus como acontecera aos judeus que não o receberam.

Todo aquele que crê entrega sua vida a Luz (Cristo) é adotado por Deus recebendo a filiação gratuita. Por fim o versículo 13 retira qualquer participação do homem no propósito maior de Deus que é a salvação. De modo que, como o próprio João afirma: “não vem do sangue, nem da carne e nem de vontade humana, mas de Deus.

Você é salvo pela vontade de Deus e é vontade de Deus que sua Luz – Cristo Jesus alcance e ilumine os pecadores!

Soli Amori Christi