Lutando contra Deus

Ao assistir o último sucesso dos cinemas – Batman versus Superman – me surpreendi como a palavra DEUS é repetida por diversas vezes durante o filme. Em alguns momentos são empregadas expressões como: “Homem versus deus”, “Falso deus”, e até “diabo contra deus”.

Em toda a historia do Superman há um tom messiânico. Um homem que é a esperança da humanidade não pertence a este mundo, foi criado por pais adotivos e ao atingir a fase adulta passa a viver pela paz e justiça. Neste último filme há algo nunca visto antes nos cinemas, que é um caso de amor e ódio das pessoas ao kripitoniano.

Já a historia do Batman está mais próxima de um ser humano que, ao perder seus pais, torna-se vítima de uma cidade imersa no crime. Ao tornar-se adulto acaba revelando seu lado sombrio que Gothan despertou e assumindo um papel de vigilante na luta contra o crime. Só que desta vez é apresentado nas telas de cinema um Batman que mata os criminosos e não apenas os leva em cárcere.

Voltando ao que me chamou atenção no filme, fico a imaginar como isso tudo tratado na ficção é um espelho da realidade. É perceptível, por exemplo, um busca por algum tipo de “materialização” da divindade. De diversas formas tenta-se enquadrar Deus em nosso mundo. Esse discurso de: “eu determino”, “declaro a cura”, e até “ordeno minha riqueza”. Palavras assim estão na boca daqueles que tentam em vão manipular àquele que é Senhor!

Por outro lado existem pessoas que sem medo agridem a criação na tentativa de “derrubar” Deus. Pessoas que fogem ao ensino de amar a Deus acima de todas as coisas e que consequentemente não aprendem a amar a si e muito menos sabem praticar o amor ao próximo, são tentativas vãs de confrontar (mesmo acreditando que Ele não exista) ao Criador!

Existe um ditado que foi apelidado de lei da semeadura que se aplica na prática no filme. Interessante é que essa “regra” vem da Palavra de Deus…

Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna. [Gálatas 6:7-8]

Que nossas vidas sejam verdadeiras plantações de sementes espirituais!

Soli Amori Christi

Ser igreja é…

Filipenses 2:1-18

1 Se há, pois, alguma exortação em Cristo, alguma consolação de amor, alguma comunhão do Espírito, se há entranhados afetos e misericórdias, 2 completai a minha alegria, de modo que penseis a mesma coisa, tenhais o mesmo amor, sejais unidos de alma, tendo o mesmo sentimento. 3 Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo. 4 Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros. 5 Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, 6 pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; 7 antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, 8 a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. 9 Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, 10 para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, 11 e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai. 12 Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; 13 porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade. 14 Fazei tudo sem murmurações nem contendas, 15 para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo, 16 preservando a palavra da vida, para que, no Dia de Cristo, eu me glorie de que não corri em vão, nem me esforcei inutilmente. 17 Entretanto, mesmo que seja eu oferecido por libação sobre o sacrifício e serviço da vossa fé, alegro-me e, com todos vós, me congratulo. 18 Assim, vós também, pela mesma razão, alegrai-vos e congratulai-vos comigo.

Paulo exorta a igreja a uma vida de igualdade, apresenta Cristo como exemplo maior e a razão de seu ministério.

 Igualdade

Os versículos 1 a 4, Paulo fala da importância de um grupo de pessoas pensar harmonicamente. Aqui é preciso deixar claro, que não se trata de pessoas alienadas e sim focadas num mesmo propósito, ele diz:  Se há, pois, alguma exortação em Cristo, alguma consolação de amor, alguma comunhão do Espírito, se há entranhados afetos e misericórdias. São estas áreas que a igreja precisa viver em harmonia!

E para que o o objetivo seja igualitário, não se deve fazer por rivalidade, orgulho ou egoísmo (cf. 3,4). Infelizmente essas coisas tão lógicas que prejudicam qualquer convivência, que são as mais comuns nas igrejas. Triste fato!

Exemplo

A partir do versículo 5 que ele começa orientando para que as pessoas tenham o mesmo sentimento de Jesus, que é um sentimento de servidão, estar abaixo do Senhor, ainda que naturalmente divino, Cristo assumiu sua posição como homem. Assim podemos entender através de Lucas 22.42: […] dizendo: Pai, se queres afasta de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua. Lucas aqui está narrando as palavras de Jesus momentos antes a qual no Getsemani Ele suou sangue! Apesar da angústia e dor daquilo que estava para acontecer, Ele escolheu humilhar-se.

Este que se humilhou é aquele que tem o nome acima de todo nome e é o nosso Senhor. Se o Senhor agiu como servo, porque nós somos teimosos em querer agir como senhores?

Razão

Esse versículo 12 que diz: Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor. É vítima de muitas interpretações equivocadas. Quando Paulo fala aqui para que os crentes desenvolvam ou realizem (versão bíblica) sua salvação, ele não está passando a ideia de que a salvação é mérito meu ou seu e nem muito menos que é algo possível de se perder.

Essa palavra traduzida para o verbo desenvolver, também significa modelar, que neste texto traz o significado de que devemos nos modelar àquele que nos salvou. Ou seja, simplesmente viver nos moldes de Cristo Jesus!

É no versículo 13 que Paulo tira qualquer ideia de que a salvação é nosso mérito, quando diz que Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.

Nos versículos 14 a 18 Paulo explica como ser diferença nesta geração pervertida e corrupta. Será que nossa geração é também assim? Se sim, então devemos seguir os conselhos de Paulo ao orientar que devemos proceder:

  • sem queixas ou discórdias (14);
  • retendo a palavra da vida (16);
  • em alegria e alegrando aos outros (Paulo encarcerado).

Assim também nós devemos… Olhar e agir de igual para igual seguindo o exemplo de Cristo na certeza da razão e proceder de nossa fé!

Soli Amori Christi

O Amigo

{Sérgio Lopes}

O amigo que eu encontrei me surpreendeu;
Quando todos me deixaram, Ele me acolheu;
E sarou minhas feridas, das algemas me livrou;
Lhe falei do meu dilema e Ele me escutou;
Lhe falei do meu passado e me perdoou;
Isso teve um alto preço que Ele já pagou;
Me mostrou as mãos feridas por amor de muitas vidas;
E uma dessas muitas vidas era eu;

Quem nesse mundo amor tão grande pode ter;
De entregar a própria vida sem temer?
Quem já sentiu a dor de ser cravado em uma cruz;
Pagando pelos erros que não cometeu?

E olhar nos olhos de quem tanto mal lhe fez;
E sem ressentimento oferecer perdão;
Quem pode ser melhor amigo que O Senhor;
Que pelo servo a própria vida renunciou?
Quem pode ser melhor amigo que O Senhor;
Que pelo servo a própria vida renunciou?

Pecando de graça

Após um gigantesco bate papo num grupo de amigos em uma rede social a qual postei uma piada sarcástica que no final trazia a mensagem de 1 Coríntios 6.12: Tudo me é permitido, mas nem tudo me Convém. Deu início então uma discussão a respeito de graça, pecado, sacrifício, liberal, legalista e radical. Cada um desses temas vinham acompanhados de defensores e atacantes e diferentes pontos de vista.

Em sua  última mensagem em culto dominical, o pastor Ricardo Borges iniciou sua reflexão bíblica partindo do seguinte texto:

“Se é só para esta vida que esperamos em Cristo, somos de todos os homens os mais dignos de lástima.” [1 Coríntios: 15. 19]

Acontece que a maioria de nossos debates a respeito dos temas citados no primeiro parágrafo são tão rasos quanto uma fina poça d’água. Ficamos tentando colocar os princípios ensinados e vividos por Cristo dentro do nosso mundinho que é cheio de abominações. No meio da discussão escrevi que o nosso problema é ficar tentando adaptar a Bíblia ao nosso tempo quando, na verdade, na Palavra há princípios atemporais e inegociáveis a qual NÓS é que devemos nos adaptar.

Muitos tentam criar subterfúgios baseados em textos fora do seu contexto para defender-se de alguma prática não condizente à Palavra de Deus. Isto não é novidade, pois a muito tempo que homens tentam usar sua criatividade na tentativa de “ludibriar” o contexto bíblico. Até podem perguntar se nossos “meros pecados” desqualificam o sacrifício de Cristo. A resposta é: Não! Porém o sacrifício de Cristo deve nos levar a uma vida sacrificial, onde buscamos evitar tudo aquilo que é pecado. O ministério da reconciliação aponta sacrifício bilateral e não o sacrifício judaico que servia de álibi para pecar mais. Foi para responder questões como esta, que Paulo escreve assim em sua carta aos romanos…

“Que diremos, então? Permaneceremos no pecado para que a graça se destaque? De modo nenhum. Nós, que morremos para o pecado, como ainda viveremos nele? Ou ignorais que todos nós, que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados na sua morte? Portanto, fomos sepultados com ele na morte pelo batismo, para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.” [Romanos 6.1-4]

{Biblifique-se}

Soli Deo Gloria

A Bíblia com segundas intenções

Nos últimos dias, observando atualizações comuns em redes sociais, me senti muito incomodado com o uso de textos bíblicos em contextos errados com a intenção de atingir intencionalmente o outro de maneiras que vão da ironia a ofensa.

O que a Palavra diz a respeito do uso indevido:

“Falam palavras vãs, jurando falsamente, fazendo aliança; por isso, brota o juízo como erva venenosa nos sulcos dos campos.” (Oséias 10:4)

O texto fala a respeito do mal que Israel estava fazendo e alerta as consequências. Um dos pontos desta exortação são as palavras vãs. Palavras estas que visava o uso indevido de juramento e alianças feitas a Deus em que o profeta chama de ervas venenosas.

Assim quero me referir a quem usa textos bíblicos de maneira indevida. Seja para atacar ou para se defender, seja com indiretas ou diretas mesmo! A internet mostra muito de quem somos (ainda tem gente que pensa se disfarçar por trás dos seus perfis) e como lidamos com a Sagrada Escritura. Um jovem muçulmano pode ser condenado caso use as escrituras deles de maneira indevida.

Infelizmente tenho visto uma multidão de evangélicos usando a Bíblia com segundas intenções. Talvez muitos nem imaginem o estrago que isso pode causar na própria vida (erva venenosa), ou simplesmente não têm temor a Deus, como os incrédulos.

Sejamos sábios! E que a Palavra de Deus cumpra seu propósito em nós!

“Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” (2 Timóteo 3:16,17)

Soli Deo Gloria

A quem pertence nossa vida?

Ao refletir sobre entregar nossas vidas aos cuidados de Deus, pensei que implica em entregar nossas vidas ao serviço à Deus, daí comecei a ficar preocupado com nossas igrejas, ou melhor, com o povo de Deus que se reúne nas comunidades. É comum ouvir e falar que nossa vida pertence a Deus, mas poucos estão dispostos a O servir!

Ao compartilhar a Palavra de Deus em um acampamento que tinha em sua temática o desafio de ser discípulo de Cristo, ou seja, ser um fiel imitador de Jesus assim como Paulo (conforme I Coríntios 11.1). Senti o desejo de orar por vidas que estavam dispostas a um compromisso radical com Cristo e chamei à frente todos estes que em oração se consagraria ao Senhor. Foi então que um garoto com 11 aos de idade se aproximou do grande grupo de jovens e adolescentes que foram à frente e eu perguntei seu nome, idade e mais uma vez insisti na pergunta que havia feito (sinceramente, eu duvidei que aquela criança soubesse o que estava fazendo!) dizendo: “você está aqui para assumir um compromisso radical com Deus?”, e ele disse chorando: SIM!

Neste momento passou um “filme” em minha memória. Com onze anos de idade eu nem sabia o que era ter compromisso com Deus, e muito menos era um exemplo de criança cristã. Perdi parte da minha adolescência com drogas e curtição. A cena deste garoto ao tomar a atitude de se consagrar ao Senhor me trouxe muita emoção. Perguntei muito a Deus o motivo de não ter O encontrado mais cedo em minha vida e, assim, aproveitar maior parte da juventude para Deus. Ele me respondeu que eu precisava passar pelo o que passei para ser quem sou hoje.

Hoje te digo uma coisa… Aproveite o tempo e repense sobre a quem pertence sua vida. Se for a Deus, então desde já dê o seu melhor a Ele que é o autor da vida e não nos fez por acaso. Faça! Seja! Viva para Deus!

“Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará.”
(Marcos 8:35)

Soli Deo Gloria

Uma nova vida

Nascido em berço católico cresci participando de várias atividades desta igreja. Foi no ano de 1998 que decidi conhecer o seminário católico, e assim, fui encaminhado ao seminário. No Seminário Diocesano Católico comecei a ver a igreja católica com outras perspectivas e isso me afastou de lá. Os três anos que seguem passei a não querer ouvir falar de Deus e a procurar respostas para a vida na filosofia, psicologia, astrologia, entre outras fontes de conhecimento que não me levaram a lugar algum senão a uma “fase das trevas”. Iniciei e uma banda de rock com amigos participando e realizando eventos.

Tive uma ideia de pesquisar igrejas e relatar suas dificuldades. A primeira igreja de minha pesquisa foi a igreja Batista da Boa Vista e lá me senti contagiado por um projeto de um teatro evangelístico chamado Casa do Julgamento. Por curiosidade me envolvi e participei de todos os ensaios. Foi lá que senti o amor de Deus pela primeira vez em minha vida através da juventude da igreja que ensinaram o verdadeiro sentido do amor. Ao participar de um discipulado comecei a sentir amor pelos perdidos, principalmente por aqueles da “fase das trevas”.

Desde o início na igreja me senti cada vez mais chamado por Deus para um ministério específico, mas não queria assumir por medo e por considerar que a vida de pastor ou missionário nada fácil. Deus sempre mostrou que queria mais de mim! Continuei fugindo até que homens enviados por Deus perceberam este chamado, me ensinaram a vencer o medo e aceitar o chamado como propósito maior de Deus para minha vida.

Hoje cumprindo mais uma etapa desta nova vida, agora consagrado ao Senhor ganho um Pr. antes do nome. Por tudo Obrigado Deus!!!

Soli Deo Gloria

Leonardo Cristovão Gomes da Silva